O presente artigo apresenta o tema “Abandono Afetivo”, termo este que vem sendo usado nos últimos anos em decorrência dos vários casos de abandono de crianças e adolescentes pelos pais, mães ou até mesmo ambos e suas consequências.

  1. INTRODUÇÃO

O Abandono Afetivo tem por conceito o abandono aos filhos por parte do pai, da mãe ou até mesmo de ambos. As novas visões do Direito Civil são de que a família tem por base a afetividade, e não somente os laços biológico-sanguíneos. O Afeto é ato de cuidado, amor e carinho que se tem por entes queridos e por pessoas próximas. Na maioria dos casos o abandono ocorre por parte do pai, logo após o nascimento ou após o divórcio do casal, mas essa não é regra. Muitas são as “desculpas” dadas quando ocorre o abandono, falta de tempo, distância geográfica, falta de condições financeira, entre muitas outras. Porém, nada justifica um pai ou uma mãe deixar de criar o laço afetivo com seu filho. Os pais possuem o dever de cuidar de seus filhos em todos os aspectos, proporcionando uma educação de qualidade, saúde, convivência com os demais familiares e principalmente, dando amor e carinho. Não só a criança e o adolescente, mas todo ser humano no geral precisa de atenção e de ser amado, individualmente. As crianças de hoje serão os adultos de amanhã e se crescerem sabendo que são amadas e tendo todos os cuidados e suporte necessário para um crescimento saudável, com certeza serão adultos bem resolvidos na vida profissional, psicológica etc.  A falta de afeto, gera consequências, e muitas delas irreversíveis.

A natureza dotou os seres humanos de sentimento, propiciando-lhes um quadro psicológico onde há lugar para os elos de afetividade. A proteção aos filhos é uma tendência natural, espontânea. Como regra geral, a lei exerce função complementar, orientando os pais, seja quando lhes falte discernimento, seja quando ocorre dissídio na relação do casal. A proteção não é um dever que dimana da lei, mas diretamente da moral, e a sua observância é fato instintivo na escala animal; na espécie humana ganha dimensão maior, porque a carência dos filhos no conjunto não diz respeito apenas às necessidades de sobrevivência e afeto, também às de formação, educação, apoio, aconselhamento, cultura, encaminhamento na vida social. (Nader, Paulo. Curso de direito civil, v. 5: direito de família / Paulo Nader. – Rio de Janeiro: Forense, 2013. p. 257.)

  1. IMPORTÂNCIA DO LAÇO AFETIVO PARA A CRIANÇA/ADOLESCENTE

A convivência familiar de forma digna é um direito de toda a criança e para que ela cresça e se desenvolva de forma adequada é necessário que haja o vínculo afetivo dentro de seu ambiente familiar.

A doutrinadora Maria Berenice Dias expõe em seu livro “Manual do Direito das Famílias” a importância da relação de afeto entre criança e pais:

O conceito atual de família é centrado no afeto como elemento agregador, e exige dos pais o dever de criar e educar os filhos sem lhes omitir o carinho necessário para a formação plena de sua personalidade. A grande evolução das ciências que estudam o psiquismo humano acabou por escancarar a decisiva influência do contexto familiar para o desenvolvimento sadio de pessoas em formação. Não se pode mais ignorar essa realidade, tanto que se passou a falar em paternidade responsável. Assim, a convivência dos filhos com os pais não é um direito, é um dever. Não há direito de visitá-lo, há obrigação de conviver com ele. O distanciamento entre pais e filhos produz sequelas de ordem emocional e pode comprometer o seu sadio desenvolvimento. O sentimento de dor e de abandono pode deixar reflexos permanentes em sua vida.” (DIAS, pág. 47, 2015) – Grifamos.

O Pediatra José Martins Filho, demonstra a importância da existência de laços entre genitor e filhos, para que não ocorram danos psíquicos relacionados aos filhos, vejam-se suas lições:

Hoje sabemos que o carinho nutre e melhora o funcionamento cerebral. Crianças marginalizadas, carentes e sem muito afeto tendem a apresentar problemas importantes na idade adulta... frequentemente com dificuldades escolares, problemas de relacionamento e mesmo, dificuldades de se realizar profissionalmente. Essa atenção, esse colo nos primeiros meses e pelo menos até os dois anos, são fundamentais para dar segurança e estabilidade emocional.[3]

            É possível verificar-se que, no mundo atual, onde o isolamento social, principalmente nos grandes centros, é uma verdade constante e, que o individualismo prospera em praticamente todas as sociedades, que os sujeitos e agentes sociais necessitam cada vez mais ter uma vida assegurada por parte de seus genitores. Tais preceitos confirmam-se com pelos estudos a seguir citados:

A primeira educação é mais importante” (ROUSSEAU, 2004, p. 7) diz Rousseau. Muitos pensadores sustentam que a educação na primeira infância é fundamental para formação da personalidade da criança.  Todos eles inspirados pela observação e estudo da infância feito por Rousseau. Quando Rousseau escreveu o Emílio, defendia que a educação na primeira infância cabia incontestavelmente à mãe e ao pai (DALBOSCO; MARTINS, 2013, pag 87)

            Ao garantir-se a integridade psíquica e material da criança e do adolescente concedendo-lhe o basilar relativo a afeto e mantença, seus genitores e, em especial o genitor com o qual não conviver diariamente, lhe estará respeitando em seu direito fundamental relacionado a dignidade da pessoa humana. Veja-se posição doutrinária sobre o tema em comento:

A dignidade da pessoa humana é o centro de sua personalidade, e portanto, merece a maior proteção possível. Aliás, a conjugação personalidade-dignidade é tão forte que boa parte dos autores que tratam do tema referem-se diretamente à proteção da dignidade do homem. Esta ligação é, assim, indissolúvel (JUNIOR, 2000, pag. 42)

 Por assim ser, é crucial que os pais integrem a formação de seus filhos desde a tenra idade, fazendo com que eles tenham segurança na primeira infância, podendo assim, ingressar na adolescência e no mundo adulto como sujeitos livres das amarras do sofrimento e angustia psíquica que o abandono afetivo causa.

Tanto o pai quanto a mãe são peças fundamentais no desenvolvimento pleno dos filhos. Certamente há casos em que, por infortúnios da vida a prole pode ser tolhida do convívio com seus genitores – um caso de morte, por exemplo; entretanto, estando os pais com vida e em plenas condições para arcar não só com o sustento, mas também com o desenvolvimento intelectual pleno da prole, a inocorrência dessa proteção gera reflexos jurídicos que, por certo, não podem deixar de ser observados pelo Direito.

  1.  A CRIANÇA NÃO SE DIVORCIA DOS PAIS

O divórcio, estabelecido no Código Civil de 2002, tem sido uma prática muito comum. Em muitos casos em que a relação terminou em divórcio, há a presença dos filhos. Logo quando o casal se separa já é estabelecido com quem ficará a guarda dos filhos, qual será a pensão alimentícia a ser paga, dias e horários de visitas. Os pais serão pais para sempre, independentemente de separação, ou seja, a criança não se divorcia dos pais. Ambos continuam com o dever de amparar os filhos com suas necessidades, veja-se a posição doutrinária sobre o tema em comento:

A relação entre pais e filhos independe do status familiae dos primeiros. Estes, em qualquer situação jurídica que se encontrem, devem assistência aos filhos menores e aos maiores incapazes.” (Nader, Paulo. Curso de direito civil, v. 5: direito de família / Paulo Nader. – Rio de Janeiro: Forense, 2013. p. 258.).

Por assim ser, há que se desvencilhar dos antigos conceitos relativos a figura dos pais separados, onde o pai tão somente (quando assim de bom grado o fazia) pagava a pensão alimentícia estipulada em juízo, dando por certo seu dever, crendo que tal fato por si só seria o bastante para arcar com o seu papel paterno.

Os pais devem ter consciência de que estão cuidando de uma vida, um ser humano e que essa vida não deve ser tratada como objeto e utilizada como medida de força entre os dois.

  1. DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

A Constituição em seu artigo 227 expõe que “É dever da família, da sociedade e do Estado assegurar à criança, ao adolescente e ao jovem, com absolta prioridade, o direito à vida, à saúde, à alimentação, à educação, ao lazer, à profissionalização, à cultura, à dignidade, ao respeito, à liberdade e à convivência familiar e comunitária, além de colocá-los a salvo de toda forma de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão”. Por este artigo, fica nítido que a criança e o adolescente têm o direito à convivência familiar digna, de forma a suprir suas necessidades e anseios. Não se deve, portanto, privar a criança do laço familiar afetivo, que é construído desde o nascimento.

  1. POSSIBILIDADE DE INDENIZAÇÃO

A questão da indenização há tempos tornou-se objeto de interesse do universo jurídico, ou seja, já que não há Lei específica para compelir o genitor a bem amparar sua prole, que então, seja garantido por meio da própria legislação civil o efetivo ressarcimento conquanto aos danos efetivamente causados no universo psíquico daquele que fora abandonado.

            Com efeito, para que tal fato fosse levado a contento, haveria que tornar-se prática a teoria indenizatória. Caso clássico encontra-se no processo movido por Luciane que chegara até o STJ culminando na indenização de seu genitor, sobre tal tema, o professor Flávio Tartuce faz as seguintes considerações em seu blog:

Por maioria, a Segunda Seção do Superior Tribunal de Justiça (STJ) rejeitou o cabimento dos embargos de divergência em recurso especial contra decisão da Terceira Turma que concedeu indenização de dano moral a uma filha, por ter sido vítima de abandono afetivo por parte do pai. Com isso, fica mantida a decisão anterior no caso, que admitiu a compensação à filha, no valor de R$ 200 mil, em razão do abandono afetivo. O valor foi fixado em 2012, quando a Terceira Turma, seguindo o voto da ministra Nancy Andrighi, reconheceu a possibilidade de ser concedida a indenização. Naquele julgamento, a Turma diferenciou a obrigação jurídica de cuidar, como dever de proteção, de uma inexistente obrigação de amar. A Turma apenas ajustou o valor da condenação que havia sido imposta pelo Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP), baixando a compensação de R$ 400 mil para R$ 200 mil. Divergência Como em 2005 a Quarta Turma do STJ, que também julga matérias de direito de família, havia negado o cabimento desse tipo de indenização, o pai apresentou embargos de divergência no recurso especial. Esse tipo de recurso serve para uniformizar o entendimento do tribunal sobre uma mesma tese jurídica, de forma a ser aplicado o mesmo direito ao mesmo fato. Por isso, o julgamento dos embargos é de responsabilidade do colegiado que reúne os membros das duas Turmas especializadas no tema – no caso, a Segunda Seção. Porém, ao analisar as decisões supostamente conflitantes, a maioria dos ministros da Seção entendeu que elas não podem ser comparadas.Conforme os ministros, a decisão da Terceira Turma ressalvou expressamente a peculiaridade do caso julgado pelo TJSP, de forma que o precedente não serve para debate de uma tese jurídica mais geral.

Tal decisão abriu precedente ímpar em nossa legislação, possibilitando aos julgadores, quando do reconhecimento efetivo do abandono afetivo, a possibilidade de impor ao genitor causador do ato lesivo, a respectiva obrigação de caráter indenizatório.

CONCLUSÃO

            O vínculo afetivo que os pais e/ou responsáveis criam com a criança é fundamental para seu crescimento e desenvolvimento, é um direito da criança que se estabeleça o laço afetivo com seus entes queridos e que receba o amor e afeto por parte deles. A falta do afeto, do carinho e do amor acarretam danos psicológicos, podendo ser revertidos em danos morais via ação judicial. Portanto, o auxílio material e emocional vindo dos pais é indispensável

REFERÊNCIAS

CORTIANO JUNIOR, Eroulths. “Alguns apontamentos sobre os chamados direitos da personalidade”. In: FACHIN, Luiz Edson: Repensando fundamentos do direito civil brasileiro contemporâneo. Rio de Janeiro: Renovar, 1998. p. 42.

DIAS, Maria Berenice.  Manual de direito das famílias I Maria Berenice Dias. -- 10. ecl. rev., atual. E ampl. -- Sào Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2015.

MARTINS, Maurício Rebelo; DALBOSCO, Claudio A. Rousseau e a primeira infância. disponível em: periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rfe/article/download<acesso em: 17 abr 2016>

NADER, Paulo. Curso de direito civil, v. 5: direito de família / Paulo Nader. – Rio de Janeiro: Forense, 2013

TARTUCE, Flávio. Abandono afetivo. STJ não  julga o mérito para uniformização de jurisprudência. Disponível em: http://professorflaviotartuce.blogspot.com.br/2014/04/abandono-afetivo-stj-nao-julgado-o.html <acesso em 04 out 2016>

www.facebook.com/PediatraJoseMartinsFilho/photos/a.458379660869429.103995.378008712239858/1201573239883397/?type=3&theater <acesso em: 03 out 2016>


[2] Estagiária na Escritório “GOMES IGNÁCIO – Advocacia e Consultoria Jurídica”. Discente do Curso de Direito da Faculdade Eduvale de Avaré.

[3] https://www.facebook.com/PediatraJoseMartinsFilho/photos/a.458379660869429.103995.378008712239858/1201573239883397/?type=3&theater


Autores

  • André Luís Mattos Silva

    Advogado na cidade de Avaré-SP. Mestre em Função Social do Direito pela Faculdade Autônoma de Direito de São Paulo – FADISP. Coordenador Editorial vinculado ao Núcleo Docente Estruturante da Faculdade Eduvale de Avaré-SP. Professor na Faculdade Eduvale de Avaré na área de Direito Previdenciário, Direito Internacional e Direito Digital. Contato. adlsilva@hotmail.com

    Textos publicados pelo autor

  • Ana Carolina Tonon da Cunha

    Ana Carolina Tonon da Cunha

    Estagiária na Escritório “GOMES IGNÁCIO – Advocacia e Consultoria Jurídica”. Discente do Curso de Direito da Faculdade Eduvale de Avaré.

    Textos publicados pela autora


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelos autores. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0