A grande diferença está em que o Perito Judicial é um profissional de confiança do Juiz e o Assistente Técnico de confiança da parte que o contratou.

Vejamos primeiro um dado estatístico interessante: ele vem do CNJ (Conselho Nacional de Justiça) em 2015, ele revela que existem 99,7 milhões de processos em andamento no Judiciário Brasileiro e o primeiro grau de jurisdição é o mais sobrecarregado e o mais interessante de tudo isto é que não há peritos suficientes para suprir esse número e essa demanda de processos por esse motivo o mercado pericial está em constante aumento porque tanto a Justiça, como os Advogados e como as empresas precisam de peritos e de assistentes técnicos.

Então a primeira pergunta que surge é:

Quem pode ser e atuar como Perito Judicial no Brasil?
A primeira coisa que você deve saber é que para atuar como perito judicial não se exige concurso público, basta ter diploma superior em alguma área, estar cadastrado e ser nomeado pelo Juiz como Perito Judicial para atuar em um determinado processo e na área do seu conhecimento e proferir um laudo pericial com o objetivo de auxiliar ao Juiz numa determinada ação judicial e em um lapso determinado de tempo.

Lembrando sempre que todo profissional que atua nesta área deve ter sempre presente a responsabilidade que implica o trabalho e que não é necessário pertencer a algum Conselho de peritos judiciais, municipais, estaduais, federais ou algum instituto, etc.

No meu caso a minha formação superior universitária é na área da Criminalística e Criminologia, isso me habilita como perito em áreas como: Acidentología (acidentes de trânsito), Documentoscopia (Grafotecnia e documentos), Balística, Datiloscopia (impressões digitais) e outras.

E como Assistente Técnico?
As partes dentro de um processo também podem contratar e nomear um assistente para ajuda-los e auxilia-los no processo e para acompanhar o trabalho do perito judicial no final do processo o Assistente vai emitir um Parecer Técnico.

Em outros post vamos continuar falando sobre o caminho da pericia e do perito, desde que ele é nomeado até o momento da cobrança dos honorários.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0