A amicus curiae no Novo Código de Processo Civil.

É notório que o Código de Processo Civil de 2015 trouxe consigo diversas alterações e novidades, sendo elas em alguns momentos boas ou em outros um tanto quanto ruins para o dia-dia forense.

Como bem sabemos, pelo texto contido no revogado Código de Processo Civil não havia previsão para a atuação do amicus curiae, que é corretamente traduzido como amigo da corte, desde a fase inicial do processo, talvez, sendo esta uma das mais relevantes novidades do novo código.

O instituto do amicus curiae encontra-se previsto em nosso sistema legal a muito tempo, todavia sempre foi pouquíssimo utilizado, principalmente pela restrição de sua atuação imposta pelo legislador pátrio. No entanto, a amicus curiae é uma importante figura jurídica cuja atuação faz fazer valer um dos mais importantes princípios, o contraditório.

Art. 138. O juiz ou o relator, considerando a relevância da matéria, a especificidade do tema objeto da demanda ou a repercussão social da controvérsia, poderá, por decisão irrecorrível, de ofício ou a requerimento das partes ou de quem pretenda manifestar-se, solicitar ou admitir a participação de pessoa natural ou jurídica, órgão ou entidade especializada, com representatividade adequada, no prazo de 15 (quinze) dias de sua intimação.

§1º. A intervenção de que trata o caput não implica alteração de competência nem autoriza a interposição de recursos, ressalvadas a oposição de embargos de declaração e a hipótese do §3º.

§2º. Caberá ao juiz ou ao relator, na decisão que solicitar ou admitir a intervenção, definir os poderes do amicus curiae.

§3º. O amicus curiae pode recorrer da decisão que julgar o incidente de resolução de demandas repetitivas.

Tal posicionamento é o que possui o ilustre professor Cassio Scarpinella Bueno, conforme expôs em artigo acerca do instituto.

Assim, a pergunta ‘o que é amicus curiae’ deve ser entendida como ‘quem pode desempenhar o papel do amicus curiae no direito brasileiro’,  isto é, quem pode levar ao Estado-juiz as vozes dispersas da sociedade civil e do Estado naqueles casos que,  de uma forma ou de outra, serão sensivelmente afetadas pelo que vier a ser decidido em um caso concreto?

Nesse contexto de análise, não há como recusar ser, o amicus curiae, agente do contraditório, entendido em amplitude diversa daquela em que, em geral, nossa doutrina se refere a ele.”

Seguindo essa linha de pensamento e todos os benefícios que irão advir dessa novidade temos que nossa legislação deu um grande e inovador passo visando a solução de demandas.

Note-se que a função do amicus curiae é trazer uma visão técnica da matéria posta em debate, tentando facilitar o entendimento do caso e facilitando a decisão do Magistrado.

Todavia, em que pese as alterações previstas no Novo Código de Processo Civil, o legislador pátrio incorporou a legislação posicionamento jurisprudencial pacificado no STF acerca da impossibilidade de interposição de recursos pelo amicus curiae, a exceção dos embargos de declaração.

Mas, deixando de lado essa limitação na atuação do amicus curiae, este passa a ser visto como uma das hipóteses de intervenção de terceiros, podendo ingressar no processo a requerimento da parte ou de ofício, já em primeiro grau e em qualquer tipo de processo, não só apenas nos que anteriormente era possível.

Destaque-se ainda que o amicus curiae poderá fazer uso da interposição de recursos em face de decisão que julgar incidente de resolução de demandas repetitivas - IRDD, mais um novo instituto previsto no novo Codex.

Assim, torna-se o amicus curiae mais uma arma na busca do direito a que se pleiteia, cabendo as partes utilizar tal instituto com sabedoria e ponderação para que não se venha a surgir jurisprudência defensiva, como ocorre hoje com diversos tópicos processuais, o que é extremamente prejudicial ao jurisdicionado. 



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria