Analisa-se a influência da Lei 10.216/2011, que dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial de saúde mental na aplicação da medida de segurança de internação.

NTRODUÇÃO

A medida de segurança é uma espécie de sanção penal imposta àquele que comete uma conduta típica e ilícita, mas não culpável, ante a exclusão de um dos elementos da culpabilidade, consistente na ausência de censurabilidade da conduta, devido à inexistência de imputabilidade.

Desta forma, o indivíduo que comete uma figura típica e ilícita, mas que diante da presença de uma doença mental ou desenvolvimento mental incompleto ou retardado, era, ao tempo da ação ou da omissão, inteiramente incapaz de entender o caráter ilícito do fato ou de determinar-se de acordo com esse entendimento, será isento de pena.

Embora isento de pena, e havendo decretação da absolvição nos autos do processo penal em que se constatar a inimputabilidade do agente, a absolvição será imprópria, aplicando-se uma medida de segurança, com fundamento jurídico na periculosidade do agente.

A aplicação da medida de segurança visa prevenir a ocorrência de novos crimes por meio da imposição de tratamento curativo ao agente.

Neste trabalho investigaremos a excepcionalidade da medida de segurança de internação, que somente deverá ser imposta aos casos estritamente necessários.


APLICAÇÃO DA MEDIDA DE SEGURANÇA DE INTERNAÇÃO

O artigo 96 do Código Penal prevê as espécies de medida de segurança, que são: a) detentiva, consistente em internação em hospital de custódia e tratamento psiquiátrico ou, à falta, em outro estabelecimento adequado; b) restritiva, impondo a sujeição a tratamento ambulatorial.

Por sua vez, o artigo 97 do Código Penal prevê o regramento para imposição da medida de segurança:

 Art. 97 - Se o agente for inimputável, o juiz determinará sua internação (art. 26). Se, todavia, o fato previsto como crime for punível com detenção, poderá o juiz submetê-lo a tratamento ambulatorial. 

Com fundamento no artigo 97 do Código Penal, o professor Fernando Capez assevera que aos crimes apenados com reclusão, a internação em hospital de custódia e tratamento psiquiátrico é obrigatória, ao seu turno, aos crimes apenados com detenção, é possível a aplicação do tratamento ambulatorial, devendo o juiz examinar o caso concreto para submeter o agente ao tratamento mais adequado (internação ou tratamento ambulatorial).[2]

Não obstante o entendimento do renomado doutrinador acima refenciado, entendemos que a medida de segurança detentiva é medida excepcional que somente deverá ser aplicada em casos de comprovada necessidade, sendo certo que, mesmo nos crimes punidos com pena de reclusão, admite-se o tratamento ambulatorial se mais adequado à situação do indivíduo portador de doença mental.

Nesse sentido, temos:

EMENTA: APELAÇÃO CRIMINAL: ROUBO - RÉU SEMI-IMPUTÁVEL - CONVERSÃO DA INTERNAÇÃO POR TRATAMENTO AMBULATORIAL - POSSIBILIDADE. A internação é uma medida excepcional, aplicável apenas em casos de comprovada necessidade, sendo certo que, mesmo nos crimes punidos com pena de reclusão, admite-se o tratamento ambulatorial se mais adequado à situação. APELAÇÃO CRIMINAL Nº 1.0024.12.119719-8/001 - COMARCA DE BELO HORIZONTE.

A possibilidade de aplicação de tratamento ambulatorial a medidas de seguranças aplicadas em crimes apenados com reclusão encontra respaldo principalmente na Lei 10.216/2011, que dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial de saúde mental, buscando conferir um tratamento mais humanizado aos portadores de doenças mentais.

Alessa Pagan Veiga sustenta que a Lei 10.216/2011:

[...] derrogou em parte o Código Penal e a Lei de Execução Penal. A modalidade de medida de segurança não deve mais se pautar pelo tipo de pena descrito no tipo penal, mas pela indicação do médico e equipe psicossocial, que devem apresentar pareceres e laudos antes de qualquer decisão judicial. A internação deve ser medida utilizada apenas de forma excepcional e subsidiária em casos de surto. Ainda, a internação deve ser realizada em hospitais gerais do Sistema Único de Saúde.[3]

Portanto, visando preservar os princípios constitucionais, especialmente no que tange à dignidade da pessoa humana a Lei 10.216 de 2001, especialmente em seu artigo 4º prevê que a internação das pessoas portadoras de transtornos mentais será medida excepcional, somente indicada no caso dos tratamentos ambulatoriais se mostrarem insuficientes.


CONSIDERAÇÕES FINAIS

Não devemos desconsiderar que a imposição de tratamento psiquiátrico em hospital de custódia com caráter penal causa aumento do estigma e repulsa social aos portadores de transtornos mentais, já vulneráveis socialmente em razão da própria doença mental.

Nossos estudos indicam que a imposição da espécie de medida de segurança, internação ou tratamento ambulatorial, deverá ser avaliada no caso concreto, com fundamento em laudo pericial que ateste a melhor opção de tratamento ao portador do transtorno mental, não devendo ser devida a priori pela espécie de pena aplicada ao crime praticado (ou seja, reclusão ou detenção).


REFERÊNCIAS

Capez, Fernando. Curso de direito penal, volume 1, parte geral. 15. ed. — São Paulo : Saraiva, 2011.

PRADO, Luiz Régis. Curso de direito penal brasileiro. Volume 1: parte geral. 11 ed ver. Atual e ampl. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2011.

VEIGA, Alessa Pagan. A excepcionalidade da internação na medida de segurança. Revista Jus Navigandi, Teresina, ano 20, n. 4513, 9 nov. 2015. Disponível em: <https://jus.com.br/artigos/40470>. Acesso em: 16 dez. 2016


NOTAS

[2] Capez, Fernando. Curso de direito penal, volume 1, parte geral. 15. ed. — São Paulo : Saraiva, 2011, p 469.

[3] VEIGA, Alessa Pagan. A excepcionalidade da internação na medida de segurança. Revista Jus Navigandi, Teresina, ano 20, n. 4513, 9 nov. 2015. Disponível em: <https://jus.com.br/artigos/40470>. Acesso em: 16 dez. 2016.


Autor

  • Camila Maria Rosa Casari

    Mestranda em Ciências Jurídicas pela Universidade Estadual do Norte do Paraná – UENP. Especialista em Direito Público pela Universidade para o Desenvolvimento do Estado e da Região do Pantanal – UNIDERP. Professora na União das Instituições Educacionais do Estado de São Paulo Uniesp – Faculdade de Araraquara. Secretária de Administração e Finanças no Município de Santa Lúcia – SP. Email: camilarcasari@gmail.com.

    Textos publicados pela autora

    Fale com a autora

    Site(s):

Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria