É muito comum, a confusão entre Abandono Afetivo e Alienação Parental, onde muitas vezes são tratados como sinônimos ou então como reflexos um do outro.Na realidade tratam-se de institutos completamente distintos e independentes.

ABANDONO AFETIVO PATERNO-FILIAL

A Constituição Federal de 1988 provocou um importante avanço introduzindo o princípio da Dignidade da Pessoa Humana, influenciando prontamente o Direito de Família. Com o advento do princípio do Melhor Interesse do Menor oriundo do Estatuto da Criança e do Adolescente, respaldou-se com maior objetividade as relações de afeto, impondo obrigações que antes só eram vistas de forma material, obrigando então a relação de afeto.

Não por acaso, a Constituição Federal de 1988 inicia-se com o título sobre os Princípios Fundamentais, e nesse sentido, sintetiza o ilustre doutrinador constitucional José Afonso da Silva:

“No qualificativo, “fundamentais” acha-se a indicação de que se trata de situações jurídicas sem as quais a pessoa humana não se realiza, não convive e, às vezes, nem mesmo sobrevive”.

Segundo o doutrinador José Francisco Cunha Ferraz Filho:

“A dignidade da pessoa humana é o valor-fonte de todos os direitos fundamentais”.

Tal princípio reconhece a pessoa como sujeito de direito e também como ser individual e social. Nesse sentido, o princípio da Dignidade da Pessoa Humana se tornou um norte quando o assunto é ABANDONO AFETIVO.

Complementando o também doutrinador constitucional, André Ramos Tavares explicita que:

“é possível visualizar inúmeras situações, nas quais a dignidade da pessoa humana resta violada, como é o caso da qualidade de vida desumana e a prática de medidas como a coação moral”.

Não existe um ‘motivo’ específico que impulsione o Abandono Afetivo, pode inclusive sere multifatorial, é aí que a distinção perante a Alienação Parental ocorre.

Muitos veem uma relação, muitas vezes da mãe intervir no convívio do pai com o filho, e afirmam que essa situação geraria o Abandono Afetivo, o que não ocorre.

O Abandono Afetivo por ser independente e multifatorial não pode ser dado como resultado de uma ação de 'terceiros', no caso, a mãe, avós, tios, enfim, quem tenha a criança ou adolescente sob a sua autoridade, guarda ou vigilância, como é o caso da Alienação Parental, onde, é caracterizada pela interferência direta de um desses agentes sobre a criança ou adolescente causando prejuízo, repudiando o outro.

É importante diagnosticar de forma específica ambos os institutos, pois possuem pontos de ação (agir) diferentes.

Define Cristiano Sobral a Síndrome da Alienação Parental (SAP):

"São manobras para promover a destruição de um dos pais. Uma postura que põe em risco a saúde emocional do filho."

Importante destacar a Lei n.º 12.318, de 26 de agosto de 2010 - Lei da Alienação Parental.

Concluindo, o Abandono Afetivo é instaurado exclusivamente por quem abandona, não tendo como estopim uma ação de' terceiros'. A Alienação Parental é causada por um 'terceiro' que interfere diretamente sobre a criança, instaurando sobre a criança ou adolescente um repúdio sobre o outro genitor ou quem detém a guarda, autoridade ou vigilância.

Insta frisar que muitos outros fatores diferenciam e caracterizam esses dois institutos, ampliando a fundamentação específica das ações. Claro que também há semelhanças, como os princípios atingidos, em destaque, a Dignidade da Pessoa Humana e nos dois casos, quem sai perdendo, é sempre o filho.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0