Busco nesse simplório texto elencar os principais fatores que tornam os nossos processos judiciais cada vez mais lentos e "pesados". Trago na explanação tanto os fundamentos legais e principiologicos, bem como os praticos do cotidiano do advogado.

               Já reza um velho e conhecido brocardo, não só utilizado pelos operadores do direito e juristas, mas também pelos cidadãos de forma corriqueira, qual seja: “A justiça tarda mas não falha”.

               Primeiramente, em uma análise um pouco mais profunda do jargão acima, tenho que chamar atenção para o fato de que a justiça tardia é falha; e para tanto apresento um simples exemplo: imaginemos que um cidadão ajuíza ação para ser reparado por dano moral e estético em virtude de uma cirurgia mal realizada que tenha deixado sequelas físicas e uma grande cicatriz em virtude de erro médico. O paciente ajuíza uma ação para reparar o dano sofrido. Suponhamos, portanto, que o trâmite processual, desde a propositura da ação até a decisão final, tenha levado em torno de 07 anos (o que é bastante comum no nosso judiciário), e que o autor tenha falecido no decorrer deste processo. Indagamos-nos: ainda que os seus herdeiros tenham a legitimidade para receber o valor à título de indenização e os responsáveis (médicos e hospital) tenham pago o valor correspondente, o legítimo autor da ação, que de fato sofreu o dano (o qual deveria ser reparado) teve a prestação jurisdicional alcançada?  Evidente que não .... Se por conta da absurda lentidão da justiça que não conseguiu tutelar a prestação jurisdicional requerida em tempo hábil, concluímos que aquele que devia de fato ser reparado pelo dano injusto sofrido não foi, e o seu herdeiro (que não teve qualquer dano sofrido) somente recebeu o valor de indenização por força de herança, oriundo de um processo de inventário. Portanto, o jargão “a justiça tarda mas não falha” não é de toda verdadeira, pois a justiça tardia é falha sim.

              Como profissional atuante no árduo ofício da advocacia por 05 (cinco) anos, uma das maiores dificuldades do escritório, no dia-a-dia, é a lentidão do nosso sistema judiciário que podem ser verificados das mais diversas formas: a morosidade de despachos iniciais, das próprias prolações de sentença, a grande dificuldade e lentidão das citações e intimações pessoais, a demora de simples atos ordinatórios das secretarias em concluir os processos para despachos e sentenças dentre inúmeros outros.

               Para exemplificar a injustificada lentidão do nosso judiciário, (sem identificar partes, número de processo e juízo em que tramite por questões éticas), vou contar-lhes um rápido caso: há um processo no meu escritório em que o cliente na condição de corretor de imóvel busca o pagamento de uma grande construtora e incorporadora de um terreno por ele intermediado e vendido, mas não pago. Um verdadeiro e nítido “calote”. Pois bem, há exatos 10 meses foi ajuizada a ação, e por exatos 10 meses aguardamos o despacho inicial do juízo, o qual chamamos de saneador, que irá deferir ou não o pedido de gratuidade de justiça, designar audiência de conciliação e demais providências que o magistrado julgar cabível no início do processo. Apenas em complemento, menciono que semanalmente estou eu pessoalmente, ou um dos estagiários, na secretaria da referida vara diligenciando-a, sem contar as inúmeras reclamações perante à Corregedoria dos Magistrados e ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ), todas infrutíferas...

               Pois bem, se o juízo em qual tramita o processo leva 10 meses ( mais que uma gestação) apenas para analisar e dar prosseguimento com os despachos iniciais, quanto tempo levará para este processo ser definitivamente apreciado e julgado em 1º instância ?

               Quando nos rebelamos e reclamamos perante os serventuários, assessores e os próprios juízes, os mesmos nos respondem de forma pomposa sua justificativa: “não há mão-de-obra suficiente” para o grande número de demanda judicial.

               Ora, apesar de saber da realidade do nosso judiciário, em especial o da Bahia (que é um dos piores do país, segundo pesquisas oficiais), não posso coadunar com tal justificativa, até porque o próprio Código de Processo Civil, em seu artigo 226, estabelece os prazos em que os juízes devem manifestar-se nos processos apresentando seus despachos, decisões interlocutórias e sentenças, vejamos ipsis litteris:

Art. 226 NCPC: “O juiz proferirá:

I – Os despachos no prazo de 05 dias;

II – as decisões interlocutórias no prazo de 10 dias

III – a sentença no prazo de 30 dias; “

               Em seguida, o artigo 228 NCPC estabelece os prazos para os serventuários da secretaria da vara praticarem os atos, vejamos:

Art. 228 NCPC: “Incumbirá ao serventuário remeter os autos conclusos no prazo de 01 (um) dia e executar os atos processuais no prazo de 05 (cinco) dias, a contar da data em que:

I – houver concluído o ato processual anterior, se lhe foi imposto pela lei;

II – tiver ciência da ordem, quando determinada pelo juiz;

§1º. Ao receber os autos, o serventuário certificará o dia e hora em que teve ciência da ordem do referido no inciso II.

§2º. Nos processos em autos eletrônicos, a juntada de petições ou de manifestações em geral ocorrerá de forma automática, independentemente de ato de serventuário da justiça”.

               Diante dos dispositivos acima expostos, expliquem-me o motivo de uma sentença levar 5, 10 ou até mesmo 30 anos para ser julgada, uma vez que a própria lei processual estabelece o PRAZO DE 30 DIAS para a pratica de tal ato?

               Da mesma forma que os advogados, procuradores, promotores e defensores públicos ao perderem os prazos são penalizados com a preclusão e a perda da oportunidade do ato, da mesma forma deveria sim existir algum tipo de pena para os magistrados que não cumprem com os limites estabelecidos pelo Código de Processo Civil.

               E ai me indagam, e a Corregedoria dos Magistrados e o Conselho Nacional de Justiça? Na minha vida pratica cotidiana, jamais vi uma atuação destes órgãos de forma efetiva, infelizmente.

               Portanto, quando o judiciário leva 4, 5, 10 ou 30 anos para dar uma sentença quem acaba por suportar todas as consequências da injustificável morosidade da justiça é aquele que busca uma tutela, e evidente, o advogado, que na grande maioria das vezes aguarda o resultado final do processo judicial para ter acesso ao tão suado honorário advocatício.

              Outrossim, chamo atenção para o fato de que, apesar do nosso trâmite processual ser eletrônico, o que de fato facilita muito a vida dos operadores do direito (juízes, promotores, defensores públicos, procuradores e partes) ainda temos significativos entraves que acabam por “atrasar” a celeridade do processo digital, pelo simples fato de que cada petição protocolada à distância por via digital precisa ser acompanhada pessoal e fisicamente na vara a que é direcionada, pois, caso contrário, fica inerte (pendente de leitura), sem qualquer providencia e encaminhamento. Portanto, costumo dizer que apesar do nosso processo ser eletrônico/digital, ainda é “físico” e “analógico”...

                Outro aspecto que me parece bastante “indigesto” para a celeridade do trâmite processual é o artigo 334, §4º, I do Novo Código de Processo Civil, vejamos:

Art. 334, §4º, I NCPC: “A audiência não será realizada:

I – se ambas as partes manifestarem-se expressamente, desinteresse, na composição consensual.

(...)”

          Ora, ao meu ver, bastaria que apenas uma das partes manifestasse desinteresse em conciliar, haja vista que conciliação depende da “boa-vontade” de ambas as partes. Então me pergunto, qual a necessidade de se manter uma audiência de conciliação em que um dos litigantes já demonstrou desinteresse na conciliação ?????????????

          Ademais, a designação de audiência de conciliação (sem êxito) atrasará o processo em torno de 3 a 4 meses. Portanto, eis mais um relevante fator que mal gerido no decorrer do processo, certamente irá torna-lo mais moroso.        

          Poderia aqui elencar inúmeros fatores e situações do cotidiano da advocacia que são verdadeiras barreiras à justa e razoável duração do processo, mas adentremos à uma breve análise dos princípios e “contra-princípios” que norteiam o tema da celeridade processual.

          O Princípio da Celeridade Processual ou da Razoável Duração do Processo está na nossa Carta Magna, mais precisamente no artigo 5º, inciso LXXVIII: “a todos, no âmbito judicial e administrativo, são assegurados a razoável duração do processo e os meios que garantam a celeridade de sua tramitação.”

          Pois bem, primeiramente é de suma importância asseverar que a busca do encerramento processual no menor tempo possível deve respeitar a segurança jurídica, Princípio do Contraditório e da Ampla Defesa e do Devido Processo Legal.

          A segurança jurídica é um corolário do Princípio do Contraditório e da Ampla Defesa, bem como o Devido Processo Legal. Pelo primeiro princípio (do contraditório e da ampla defesa) entendamos que são as garantias dadas às partes de apresentarem as suas versões dos fatos alegados pela outra parte, bem como a utilização de todos os instrumentos e provas processuais admitidas no ordenamento jurídico em sua defesa, vejamos o artigo 5º, LV da Constituição Federal:

Art. 5º, LV da CF: “aos litigantes, em processo judicial ou administrativo, e aos acusados em geral, são assegurados o contraditório e a ampla defesa, com os meios e recursos a elas inerentes”.

          Já a segunda, o Princípio do Devido Processo Legal, é o respeito à todas etapas do processo (seja ele qual for: administrativo, penal, cível ...), leiamos o artigo 5º, LIV da Carta Magna:

Art. 5º, LIV: “Ninguém será privado da liberdade ou de seus bens sem o devido processo legal”.

          Portanto, para que seja efetivada e garantida a segurança jurídica dos processos e procedimentos administrativos, necessariamente precisamos garantir às partes a observância destes dois princípios, que, por si só já acabam por prolongarem o processo além do tempo desejado pelas partes.

          Desse modo, é difícil coadunar alguns princípios constitucionais com a pretendida celeridade processual, levando em conta que os princípios acima mencionados conferem às partes o direito de produzirem provas, para comprovarem a veracidade das alegações expostas na petição inicial e na contestação, situação que naturalmente, por si só, já acaba por acarretar o retardo da marcha processual, não alcançando de pleno a tão pretendida celeridade processual.

          De igual modo há o Princípio do Duplo Grau de Jurisdição, o qual garante às partes o direito de recorrerem dos pronunciamentos, buscando a sua revisão, reforma ou integração, que de igual modo, acaba por ser mais um elemento de retardo do trâmite processual.

          Diante do exposto, constatamos que o Princípio da razoável duração do processo não pode ser analisado de forma isolada, mas como integrante de uma “constelação” de diversos princípios que se influenciam, e que são pensados não apenas para garantir a razoável duração do processo, mas, sobretudo, a prolação de uma sentença de qualidade e justa para se alcançar, as quais devem permitir a produção de prova das provas necessárias ao esclarecimento dos pontos controvertidos, além da reapreciação da decisão pelos tribunais superiores, na forma da lei.

          Portanto, como restou demonstrado neste breve e superficial texto, além dos princípios constitucionais que regem o direito processual a fim de garantir provimento jurisdicional de qualidade, que por si só já tornam o processo moroso e lento, há também inúmeros fatores burocráticos do dia-a-dia forense, os quais, igualmente, entravam, e muito, um trâmite processual dentro de um interstício razoável de tempo.         

Salvador – Bahia, 06 de junho de 2017


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria