A tese que excluiu o ICMS da base de cálculo do PIS e da COFINS é a mesma que pode excluir o ISSQN.

Conforme já esclarecido em outro artigo e muito debatido e noticiado pela imprensa bem como por sites especializados de Direito Tributário, o STF firmou a tese de que o ICMS não deve compor a base de cálculo do PIS e da COFINS por ser parcela estranha ao conceito de faturamento da empresa, já que é valor que transita temporariamente pela contabilidade e que se afigura sim como receita do Estado Federativo tributante.

Tal tema, atinente ao tributo estadual, foi discutido na Suprema Corte nos RE 240.785 e 574.706, tendo este último elevado ao status de processo com repercussão geral.

A situação é semelhante quando trata-se do ISSQN, imposto incidente sobre o valor dos serviços prestados pelo contribuinte.

No que diz respeito ao ISSQN, tributo de competência dos Municípios, temos que também não deve referido tributo municipal compor a base de cálculo do PIS e da COFINS, por não se tratar também de receita ou faturamento da empresa prestadora do serviço, mas sim do Munícipio, à semelhança do que ocorre com os Estados.

A questão não é nova, e por óbvio,  já foi apresentada ao Judiciário e é objeto do RE 592.616 que também possui reconhecimento de repercussão geral e está pendente de julgamento pelo STF, desde 2008.

Considerando a identidade de argumentos, é possível que o julgamento exclua o tributo municipal da base de cálculo do PIS e da COFINS, e o que esperam muitos contribuintes.

Contudo, vale dizer que no STJ a questão foi decida no REsp 1330737 de forma contrária aos contribuintes, mantendo o ISSQN na base de cálculo dos tributos federais acima ditos.

Em razão deste cenário, e para proteção dos interesses dos contribuintes, aqueles que buscarem no Judiciário seu direito devem precaver-se com depósito judicial dos valores, para que, caso seja mantida a tese do STJ não sejam surpreendidos com penalidades fiscais.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria