Ao navegar, você aceita que o Jus use cookies e parcerias para personalizar conteúdo e anúncios. Política de Privacidade

Símbolo do Jus.com.brJus.com.br

Artigo

O que é o tempo randômico do Pregão Eletrônico?

Analisaremos, a seguir, como funciona o tempo aleatório ou randômico no encerramento da fase competitiva do pregão eletrônico.

Na fase de lances, o pregoeiro possui domínio sobre o tempo, pois é ele quem decide quando encerrar essa etapa, conforme disposto no artigo 24, parágrafo 6º, do Decreto nº 5.450/2005: A etapa de lances da sessão pública será encerrada por decisão do pregoeiro.

Não há limite de tempo para a duração da etapa competitiva, cabendo ao pregoeiro decidir o momento mais oportuno para decretar o seu encerramento. A lei reservou ao pregoeiro essa margem de discricionariedade para que este avalie a conveniência da finalização da fase de lances, conforme a situação concreta. Assim, se os licitantes ainda estão ofertando lances sucessivos, ou seja, se está havendo efetiva disputa, continua existindo para a Administração Pública a possibilidade de uma negociação mais vantajosa. Quando cai sensivelmente a frequência da oferta de lances, tendo os competidores aparentemente chegado ao seu limite na redução dos preços ofertados, o pregoeiro determinará o encerramento desta etapa da sessão pública.

Nesse momento, os licitantes recebem um aviso enviado pelo próprio sistema eletrônico, informando acerca do encerramento iminente dos lances – aviso de fechamento iminente ou aviso de iminência. O aviso de iminência é, pois, ato do pregoeiro.

Decorrido o tempo de iminência, inicia-se o chamado tempo randômico, que pode durar, aleatoriamente, de 1 segundo até 30 minutos, após o qual o sistema eletrônico encerrará a disputa. Nessa etapa o pregoeiro já não controla o tempo, e o encerramento se dará de forma automática tão logo esgotado o tempo de aleatório. Esse é o procedimento trazido no art. 24, § 7º, do Decreto nº 5.4508/2005:

O sistema eletrônico encaminhará aviso de fechamento iminente dos lances, após o que transcorrerá período de tempo de até trinta minutos, aleatoriamente determinado, findo o qual será automaticamente encerrada a recepção de lances.

Como não há como saber em quanto tempo o sistema fechará a disputa (nem mesmo o pregoeiro tem esta informação), alguns licitantes reduzem rapidamente os seus preços a fim de vencer o certame, deixando uma última “carta na manga” para esse momento, acreditando que os demais competidores chegaram ao fim de suas possibilidades de redução de preço. Esse tempo – uma opção do legislador – não é essencial, mas acredita-se que acirra a disputa e conduz a reduções mais agressivas de valores nos últimos instantes.

É bastante comum as disputas “esfriarem” ao longo da sessão – ocorrendo lances com diferenças de centavos entre uns e outros, e os intervalos entre os lances se tornarem muito espaçados – e se reacenderem durante o tempo randômico. É uma estratégia do legislador para levar os contendores à sua “última cartada”, quase que numa “guerra de nervos”, possibilitando à Administração encerrar o certame com uma proposta ainda mais vantajosa ao final.

Outra questão ligada à adoção do tempo randômico tem a ver com o princípio da impessoalidade. Justamente por não ter o pregoeiro como determinar o momento exato do encerramento da disputa, não há que se cogitar na possibilidade de favorecimento ou direcionamento do certame. Não fosse assim, a cada encerramento de disputa (após determinado lance, de determinado licitante) os demais concorrentes poderiam atacar a decisão do pregoeiro alegando havê-los impedido de ofertar o próximo lance.


REFERÊNCIAS:

FERNANDES, Jorge Ulisses Jacoby. In Sistema de registro de preços e pregão presencial e eletrônico, 3. ed. rev. atual. e ampl. 1. reimpressão. Belo Horizonte: Fórum, 2009.

GASPARINI, Diogenes. In Pregão presencial e eletrônico. Belo Horizonte: Fórum, 2006.

JUSTEN FILHO, Marçal. Pregão (comentários à legislação do pregão comum e eletrônico). 6. ed. rev. e atual. São Paulo: Dialética, 2013.

SANTANA, Jair Eduardo. Pregão presencial e eletrônico: sistema de registro de preços: manual de implantação, operacionalização e controle. 3. ed. rev. e atual. nos termos do Estatuto das Microempresas (Lei Complementar nº 123/06). Belo Horizonte: Fórum, 2009.

Página 1 de 1
Assuntos relacionados
Sobre a autora
Imagem do autor Fabriza Carvalho Barbosa
Fabriza Carvalho Barbosa

Graduada em Direito, Pós Graduada em Direito Processual Civil, Especialista em Licitações e Contratos. Assessoria e instrutoria na área de Contratações Públicas.

Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelos autores. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi

Publique seus artigos
Compartilhe conhecimento e ganhe reconhecimento. É fácil e rápido!