Abrangência das zonas polares, do mar, rios internacionais, espaço aéreo e espaço extra atmosférico no âmbito do Direito Internacional Público.

1.       As regiões polares

O Autor inicia o texto explicando que as regiões antártica e ártica estão em posições importantes para o equilíbrio do planeta, e a estabilidade climática depende, em partes, da preservação de tais áreas. Para isso, alguns instrumentos jurídicos foram firmados no âmbito internacional com o fim de regulação.

Disciplina o continente antártico: a Convenção para Conservação das Focas Antárticas de 1972, o Tratado da Antártica, a Convenção sobre a Conservação de Recursos Vivos Marinhos da Antártica de 1980, a Convenção sobre a Regulação dos Recursos Minerais Antárticos de 1988 e o Protocolo sobre a Proteção Ambiental ao Tratado da Antártica, de 1991. Além desses, aplicam-se outros tratados, como a Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar de 1982, a Convenção de Basileia de 1989 e a Convenção sobre Segurança Conjunta de 1997.

O progresso obtido, apesar de extremamente relevante ainda necessita ser complementado por aprimoramentos que auxiliem no cumprimento das obrigações pactuadas.

2.       As transformações do Direito do Mar

           

Há de se reconhecer a importância do mar para a humanidade. Qualquer desastre que possa ocorrer, como o naufrágio de um navio petroleiro, causa danos em larga escala.

Nas últimas décadas houve mudança substancial e profunda na transformação do direito do mar. Isso porque, a partir da Segunda Guerra Mundial evidenciou a discrepância entre as normas existentes desse direito e as exigências da realidade. 

Inicialmente, cumpre esclarecer que o direito do mar que vigorava na década de 60 era dominado pelo princípio da liberdade de navegação, e apesar da soberania dos Estados próximos à Costa, era permitido o transporte marítimo por toda a área de passagem. Nessa época o mar era concebido pelo Direito Internacional especialmente para meio de transporte.

Com o passar dos anos, no entanto, expandiu-se tal exploração, de mero transporte para fauna, flora e marinhas ricas. A exploração de recursos minerais nas profundezas dos oceanos fez crescer o interesse dos Estados no mar, de forma que apenas aqueles que tinham tecnologia conseguiam atingir o fim de exploração, o que motivou as nações menos desenvolvidas a contestar as regras existentes no âmbito do direito do mar.

2.2   Causas de transformação do Direito do Mar

O autor traz um aparato do cenário que motivou o processo de transformação do direito do mar. O primeiro acontecimento teve lugar em 1945 quando o presidente Harry Truman proclamou a soberania do governo norte-americano sobre os recursos naturais. Assim, com o passar dos anos, mais precisamente em 1947, os países latino americanos também passaram a reivindicar o direito de fixar o limite de jurisdição sobre o mar. Chile e Peru foram os primeiros a fixar os limites.

A posição brasileira mudou no final dos anos 60, tendo seus limites alterados pelo Decreto-lei-44. Essa decisão foi motivada pela necessidade de instituir medidas de proteção à pesca. Após temeridades que pudessem criar conflitos entre os Estados, realizou-se a primeira Conferência das Nações Unidas sobre o Direito do Mar, e na oportunidade, foram assinadas quatro convenções sobre o mar, contudo, o resultado obtido foi pouco significativo. Por outro lado, a proposta apresentada à Assembleia Geral das Nações Unidas em 1967, foi de grande importância para a reforma do Direito do Mar, e ensejou a Terceira Conferência das Nações Unidas.

2.3    A Terceira Conferência das Nações Unidas sobre o Direito do Mar

Essa conferência tinha o objetivo de celebrar um acordo com relação às questões que constituíam objeto de divergência entre países, efetuar toda a reforma das positivações relativas ao Direito do Mar em uma única convenção. 

Além de estabelecer artigos provisórios que mudariam de acordo com a aceitação dos Estados, a Conferência criou o critério do consenso, que consistia no fato de que as decisões serão aprovadas sempre que não existir oposição de outros países. Ela é suficiente, portanto, para aprovar propostas independentemente de votação. Assim, todas as delegações presentes na conferência estavam cientes da adoção da regra do consenso.  Apesar disso, o período de negociação foi prolongado.

2.4    A Convenção de Montego Bay sobre o Direito do Mar

A Convenção de Montego Bay sobre o Direito do Mar foi resultado de longas e demoradas negociações, que se estenderam por nove anos. Ela procurou regular, entre outros aspectos, a delimitação do mar territorial, o estabelecimento da zona econômica exclusiva, os critérios instituídos para fixar os limites da plataforma continental, o propósito de se considerar solos e subsolo dos oceanos, além as jurisdições nacionais, patrimônio comum da humanidade, a decisão de criar uma Autoridade Internacional dos Fundos Marinhos e de prever regras específicas sobre a poluição dos mares, bem como o estímulo às transferências de tecnologia.

Com o desenvolvimento militar e tecnológico, a realidade foi alterada e apareceram novos armamentos que tornaram necessária a manutenção do critério tradicional. A convenção de 1982 determinou que os Estados têm direito de fixar a largura de seu mar territorial, espaço aéreo e leito e subsolo do mar até o limite de 12 milhas.  Além disso, a passagem inofensiva deverá respeitar as leis do Estado costeiro e as normas internacionais. Os Estados costeiros, poderão também explorar os recursos naturais encontrados no solo marítimo, desfruta ainda do direito de autorizar as perfurações com vistas à prospecção de recursos petrolíferos.

Cabe informar que os recursos naturais mencionados pela Convenção são os recursos naturais são os minerais e outros não vivos do leito e subsolo do mar.

2.5 Rios internacionais

Quanto aos rios internacionais, várias são as regulações que tratam sobre o assunto. A saber, a Convenção das Nações Unidas, a Convenção de New York, a Convenção de Barcelona e o Ato Final do Congresso de Viena. Em tais convenções impera o princípio do uso equitativo das águas, a fim de prevenir prejuízos futuros e estimular a circulação de informações.

2.5   Espaço aéreo e extra-atmosférico

O autor explica que a regulação do espaço aéreo e extra-atmosférico é recente, de forma de que não havia até o século XX qualquer norma sobre o tema. O espaço aéreo é a porção da atmosfera localizada sobre o território ou mar territorial de um Estado. Sobre esse espaço, tem soberania o Estado.

A Convenção de Chicago foi uma das formas de regulação de tal espaço. Para isso, a prática aérea se submeterá à jurisdição de cada Estado soberano. Isso porque a Convenção determina regras sobre a nacionalidade das aeronaves, fixada por meio de um sistema de matrículas mantido por cada Estado.

Já o espaço sideral é conhecido como o cósmico, exterior ou extra-atmosférico. O seu uso é regulado pelo Tratado Sobre Princípios Reguladores das Atividades dos Estados na Exploração e Uso do Espaço Cósmico, Inclusive a Lua e Demais Corpo Celeste. Tais corpos são considerados patrimônio da humanidade e são de livre acesso, insucessíveis de apropriação de qualquer Estado.

Por fim, há outros tratados que tratam desse assunto, a saber: Acordo sobre o Salvamento de Astronautas e Restituição de Astronautas e de Objetos lançados ao Espaço Cósmico, de 1968, a Convenção sobre Responsabilidade Internacional por Danos Causados por Objetos Espaciais, de 1972, o Acordo que Regula as Atividades dos Estados na Lua e em outros Corpos Celestes, de 1979, e a Convenção Relativa ao Registro de Objetos Lançados no Espaço Cósmico, de 1974. 


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0