Conheça os cinco regimes de bens no casamento.

Primeiramente, o que é regime de bens? Regime de bens é o conjunto de regras que definirá como os bens do casal serão comunicados e se serão comunicados. O regime poderá ser escolhido de comum acordo por um contrato chamado Pacto Antenupcial, este contrato deverá preceder o casamento e ser realizado através de escritura pública (registro de imóveis do domicílio dos cônjuges), ficando sob condição suspensiva, ou seja, somente produzirá efeitos a partir do casamento. Esta regra cabe a União Estável e os companheiros poderão realizar o Pacto apenas por escrito, porém, o que se aconselha é fazer por escritura pública também.

             O regime de bens tem dois princípios norteadores, o primeiro é a liberdade de escolha, pelo qual os nubentes/noivos, em regra, são livres para escolherem o regime. O segundo é a mutabilidade, isto é, é permitido que se altere o regime de bens atual para um novo regime. Porém, isso só é possível se ambos os cônjuges realizarem um pedido com um motivo plausível, não for prejudicar terceiros e tiver a autorização judicial.

            Mas, afinal, quais são os cinco regimes de bens presentes no Código Civil? São eles: Comunhão Universal, Comunhão Parcial, Separação Obrigatória, Separação Convencional e Participação Final nos Aquestos.

            O regime que mais existe no Brasil é o de Comunhão Parcial de Bens, pois ainda existe o receio de se discutir sobre o assunto, desta feita, se os cônjuges não realizam o Pacto Antenupcial o casamento, obrigatoriamente, será o de comunhão parcial.

            Nesse regime os bens adquiridos antes do casamento não se comunicarão entre o casal, porém, os bens adquiridos na constância do casamento se comunicarão, mesmo que o bem esteja somente no nome de um dos cônjuges ou somente um tenha realizado o pagamento do mesmo.

            Os bens recebidos por doação ou por herança, mesmo após o casamento; os bens que adquirirem com o valor da herança, da doação ou de um bem particular anterior ao casamento não se comunicarão. As dívidas anteriores ao casamento; as obrigações provenientes de atos ilícitos que não beneficiem o casal; os bens de uso pessoal, instrumentos de trabalho e as rendas do trabalho pessoal também não se comunicarão.

       No Regime de Comunhão Universal todos os bens presentes e futuros do casal se comunicarão, bem como suas dívidas. Porém, os bens que receberem por doação ou por herança que tenham a cláusula de incomunicabilidade, igualmente os bens que adquirirem a partir dessa doação ou herança não se comunicarão. Os bens gravados de fideicomisso, ou seja, quando alguém deixa em testamento algum bem para seu herdeiro ou legatário com a obrigação de transmitir a outrem depois de determinado tempo, também não se comunicarão.  As dívidas anteriores ao casamento que não são decorrentes dos preparativos deste ou que não se reverteram ao proveito do casal; as doações antenupciais como, por exemplo, a aliança; os bens de uso pessoal e instrumentos de trabalho não se comunicarão.

            O Regime de Separação Obrigatória é imposto em certas situações, tanto para proteger os bens de cada cônjuge, quanto por motivos de ordem pública. É obrigatório este regime aos maiores de setenta anos; aos que dependerem de suprimento judicial para casar, por exemplo, os maiores de dezesseis e menores de dezoito anos que não tiveram, de forma injusta, o consentimento dos seus pais e receberam a autorização judicial e as pessoas que se casarem com inobservância das causas suspensivas, como o divorciado que não realizou a partilha dos bens do casamento anterior; o tutor casar com seu tutelado antes de cessar a tutela, entre outros.

            No Regime de Separação Convencional haverá o Pacto Antenupcial tendo optado por este regime ambos os cônjuges. Os bens não se comunicarão, permanecerão exclusivamente sob a administração de cada um. O que é do marido/companheiro é somente dele; o que é da mulher/companheira é somente dela. Porém, ambos os cônjuges terão de contribuir com as despesas do casal, salvo se estipularem algo diverso no Pacto.

            E, por fim, o último regime trazido pelo Código Civil, o Regime de Participação Final nos Aquestos, também escolhido através do Pacto Antenupcial. Os bens adquiridos antes do casamento e os bens adquiridos na constância do casamento sendo pagos por apenas um dos cônjuges não se comunicarão, apenas se comunicarão os bens adquiridos onerosamente por ambos os cônjuges durante o casamento.


 


Autor

  • Letícia Siquelli Monaco

    advogada Com escritório situado na cidade de São João da Boa Vista/SP. Graduada pela UNIFEOB. Apaixonada pelo Direito Civil e Direito do Consumidor, Das quais foram as áreas escolhidas para atuar. Futura pós-graduanda em Direito e Processo Civil pela PUC/MG. Atualmente faço cursos de prática nas áreas de exercício pelo curso CERS.

    Textos publicados pela autora

    Fale com a autora


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Direitos e Responsabilidades do Jus.

Regras de uso