O crédito rural distingue-se das operações de crédito em geral, pelo fato de ter um fim social de especial relevância, visando “o bem-estar do povo”, através da produção de alimentos e “possibilitar o fortalecimento econômico dos produtores rurais, notadamente pequenos e médios”, conforme previsto no art. 1 e 3 da Lei 4.829/65, por tal razão ele é subsidiado pelo Estado, ou seja, toda a sociedade paga para que ele possa ser concedido com taxas de juros menores e condições especiais de pagamento, e, por vezes são realizadas condições excepcionalíssimas para liquidações e parcelamentos de dívidas não pagas, sendo concedido até o perdão integral, em alguns casos.

Diante de tal fato o crédito rural é altamente regulamentado por inúmeras leis especiais e resoluções editadas pelo Banco Central do Brasil, cuja finalidade é garantir que os objetivos de elevado interesse social sejam alcançados.

A instituição financeira ao realizar uma operação de empréstimo de crédito rural, tem a obrigação de fiscalizar para garantir que o crédito obtido será de fato aplicado na atividade rural a que se destina, e que não haverá desvio de sua finalidade, sendo previsto inclusive muitas vezes nas Cédulas de Crédito Rural, que documentam tais empréstimos, que se o produtor aplicar o dinheiro em finalidade diversa poderá ser penalizado com o pagamento dobrado de juros.

  Visualizamos, portanto, que existe uma obrigação por parte do produtor rural tomador do empréstimo, de somente aplicar os recursos na atividade rural a que se destina, e que a instituição financeira tem a obrigação de fiscalizá-lo para garantir que de fato irá aplicá-lo adequadamente.

  O grande problema que surge nessa relação, é a questão relativa às metas que são impostas aos gerentes bancários para venderem “produtos financeiros” do Banco, tais como seguros de vida, de imóveis, de safra e aplicações financeiras como planos de capitalização.

Quando juntamos a existência das referidas metas impostas aos gerentes, com o fato de que são comissionados e remunerados para venderam tais “produtos financeiros”, aliado ao fato de que tais gerentes se encontram em uma posição crucial para viabilizarem ou não o acesso do produtor rural ao crédito, temos a combinação perfeita para a ocorrência velada e reiterada de um terrível crime contra os produtores rurais, o sistema financeiro e a sociedade.

A maior parte dos produtores rurais, quando buscam acesso ao crédito rural, o faz em uma situação de vulnerabilidade, porque necessitam de quantias vultuosas para custeio da produção ou investimento, e sabe que se não conseguir obter o crédito, simplesmente não conseguirá produzir. Nesse contexto, a capacidade do produtor de escolha, é extremamente limitada, de modo que ao contratar o empréstimo, em regra, o faz em um estado de necessidade, que praticamente o obriga a fazer a operação de acordo com as condições que o banco exigir, não tendo condições de barganha, de discutir e buscar melhores condições.

O gerente do banco tem conhecimento pleno da situação do produtor rural, da vulnerabilidade que ele se encontra, do quanto necessita do empréstimo, aliando-se tal circunstância as metas que deve cumprir e as comissões que recebe, inicia-se uma chantagem explícita ou velada com o produtor, sendo exigido do produtor que para conseguir obter o empréstimo deve adquirir os “produtos financeiros”, utilizando-se para tanto do crédito rural que lhe será concedido. O produtor é então constrangido a aceitar a proposta em forma de exigência que o gerente lhe faz, para se sentir seguro de que irá conseguir seu empréstimo.

A vulnerabilidade do produtor é tamanha que por vezes ele sabe que o que o gerente está fazendo com ele é errado, mas se submete a tal situação, por que sabe que se não o fizer, poderá encontrar o colapso de sua atividade produtiva. Sabe que se fizer uma denúncia no Banco Central ou ajuizar uma ação judicial contra o banco, poderá ser incluído em uma “lista negra” e não obter mais empréstimos com o banco.

Muitas vezes, a fatia do empréstimo rural que o produtor tem que destinar a compra dos produtos financeiros oferecidos pelo gerente faz uma falta assombrosa ao produtor, por vezes já endividado.

O produtor rural sabe que o crédito subsidiado não pode ser aplicado em atividades diversas da qual fora concedida, tendo em vista a rigorosa legislação vedando expressamente o desvio de finalidade na aplicação do crédito rural. E, ainda que pudesse aplicá-lo em atividade diversa, não iria decidir jamais entre deixar de aplicar em sua atividade produtiva, ou em um título de capitalização para resgatar anos após, o que não pode ser definido sequer como investimento, por não apresentar, em regra, nenhum lucro real para o aplicador, mas apenas e tão somente para os bancos.

A operação da qual falamos, é uma operação criminosa, assim expressamente prevista na Lei nº 7.492, de 16 de junho de 1.986, que define os crimes contra o Sistema Financeiro Nacional, que prevê especificamente no seu artigo 20 que constitui crime: “Aplicar, em finalidade diversa da prevista em lei ou contrato, recursos provenientes de financiamento concedido por instituição financeira oficial ou por instituição credenciada para repassá-lo”, sendo cominada pena de “Reclusão, de 2 (dois) a 6 (seis) anos, e multa”, sujeitando-se inclusive o produtor rural ao risco de sofrer tais sanções criminais.

A conduta do gerente na situação narrada pode ser definida ainda como crime de extorsão, o qual é definido pelo Art. 158 do Código Penal como “Constranger alguém, mediante violência ou grave ameaça, e com o intuito de obter para si ou para outrem indevida vantagem econômica, a fazer, tolerar que se faça ou deixar de fazer alguma coisa” com a previsão de “Pena - reclusão, de quatro a dez anos, e multa.”

            Sabendo o gerente que o produtor está desviando a aplicação do crédito rural para atividade diversa, e não comunicando tal fato as autoridades competentes estará cometendo o crime de prevaricação, nos termos do art. 319 do Código Penal: “Retardar ou deixar de praticar, indevidamente, ato de ofício, ou praticá-lo contra disposição expressa de lei, para satisfazer interesse ou sentimento pessoal”, cuja pena prevista é de “detenção, de três meses a um ano, e multa.”

Os superiores do gerente que lhe é subordinado, se tiverem conhecimento, ou devessem ter conhecimento, de tais crimes podem ser penalizados pela conduta de condescendência criminosa tipificada no Art. 320 do Código Penal: “Deixar o funcionário, por indulgência, de responsabilizar subordinado que cometeu infração no exercício do cargo ou, quando lhe falte competência, não levar o fato ao conhecimento da autoridade competente: Pena - detenção, de quinze dias a um mês, ou multa”.

Devemos ressaltar o disposto na recente Medida Provisória nº 784, de 7 de junho de 2017, a qual tipifica as infrações ao Sistema Financeiro Nacional. De acordo com seu artigo 3, constitui infração “I - realizar operações em desacordo com os princípios que regem a atividade autorizada; II - realizar operações ou atividades vedadas, não autorizadas ou em desacordo com a autorização concedida; XVII - descumprir normas legais e regulamentares do Sistema Financeiro Nacional”. As sanções que podem ser aplicadas pelo Banco Central em decorrência das referidas infrações, são de acordo com o art. 5º, da MP em comento: “I - admoestação pública; II - multa; III - proibição de praticar determinadas atividades ou prestar determinados serviços para as instituições mencionadas no caput do art. 2º; IV - inabilitação para atuar como administrador e para exercer cargo em órgão previsto em estatuto ou em contrato social de pessoa mencionada no caput do art. 2º; e V - cassação de autorização para funcionamento”.

As condutas descritas neste artigo, perpetrados pelos gerentes das instituições financeiras, configuram gritante violação dos princípios que regem o Sistema Financeiro do Crédito Rural, são operações bancárias vedadas (utilizar do crédito rural subsidiado para finalidade diversa para qual foi concedida) e simultaneamente configuram descumprimento das normas legais e regulamentares do Sistema Financeiro Nacional, ou seja, é algo gravíssimo.

Para o produtor rural, sob o aspecto econômico, os prejuízos são imensuráveis, posto que a depender da aplicação diversa que terá que fazer com o crédito rural que lhe fora concedido, o custo real dos juros para obtenção do empréstimo pode aumentar mais de 100%, e com isso acabar absorvendo toda a margem de lucro do produtor, a depender da situação.

Em 2015 a Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso – Aprosoja, entidade com atuação nacional, e uma das maiores do seguimento, divulgou um estudo realizado pelo IMEA estimando o aumento dos custos do empréstimo rural em algumas situações de venda casada, demonstrando que o custo total do empréstimo pode dobrar[1]:

  A seguir, daremos um exemplo real, vivenciado por uma produtora rural que nos relatou sua situação.

A Sra. Maria, uma pequena produtora rural do interior do Estado de São Paulo, que tem como principal fonte de renda a produção de laranja, vinha sofrendo há anos com as oscilações do preço do produto no mercado e os prejuízos causados por pragas, o que a fez chegar ao endividamento bancário de aproximadamente R$300 mil reais. Para continuar produzindo e não correr o risco de ter suas dívidas cobradas judicialmente, e com isso perder seu sítio, precisava de um empréstimo de R$ 400 mil reais, primeiro para cobrir as dívidas anteriores vencidas (operação “mata-mata”, o que já é vedado no crédito rural), para que lhe sobrasse R$100 mil para lhe auxiliar a cobrir minimamente os custos com insumos e prestadores de serviço.

A obtenção do empréstimo pela Sra. Maria, em sua perspectiva, não era uma questão de escolha, mas um estado de necessidade, de “vida ou morte”.

Ao perceber tal situação de vulnerabilidade, a sua gerente no Banco do Brasil, a constrangeu a ter que aplicar R$ 20 mil, do crédito rural que lhe seria liberado, para aplicar em um título de capitalização.

A Sra. Maria se viu diante de uma situação terrível, primeiro porque sabia que legalmente não poderia aplicar o crédito rural em atividade diversa, segundo, porque sabia que os R$ 20 mil reais iriam lhe fazer muita falta para pagamento de dívidas com fornecedores já vencidas. Todavia, não poderia ficar sem o empréstimo de R$ 400 mil reais, então, teve que ceder a exigência da gerente e fazer a aplicação no título de capitalização, o que lhe fez enorme falta e causou grande prejuízo ao ter que resgatá-lo antes da data prevista.

Na situação vivida pela Sra. Maria, que se repete com milhares de produtores pelo Brasil, o gerente ganha sua comissão na venda do produto financeiro e alcança sua meta de vendas, e, o banco obtém lucro com o crédito subsidiado. Para a sociedade, ocorre um prejuízo imediato, que é o desvio de finalidade na aplicação de “recursos públicos”, ou seja, de um crédito subsidiado por todos nós, e um prejuízo mediato que se dará com o prejuízo ou até mesmo a falência do produtor rural, o que pode levar a redução de vagas de emprego, a redução ou precariedade da produção, e por fim, ao risco de saída do produtor da atividade rural, o que é ruim para a micro e macroeconomia.

É lamentável, a forma ilegal e reiterada com que os principais artífices do Sistema Financeiro do Crédito Rural vêm atuando, e o mais grave, como as instituições fiscalizadoras como o Banco Central do Brasil, se mantêm em um silêncio. Tal situação deve ser reprimida de forma veemente e efetiva, especialmente pelas entidades representativas dos produtores rurais, as quais têm condições e poder para tal finalidade.

O papel dos produtores rurais, para mudar essa realidade, é de grande relevância, devendo realizar denúncias ao Banco Central, e judicialmente, se for o caso, cobrando sanções as instituições financeiras e seus prepostos.

Por fim, ressaltamos aos produtores rurais que todas as operações de compra de produtos financeiros dos bancos, que seja realizado com crédito rural e mediante o ‘procedimento de chantagem’ de forma explícita ou dissimulada, configurando “venda casada”, é anulável, por vício de consentimento, podendo ser requerida judicialmente sua anulação com a restituição dos valores pagos e, se for o caso, indenização por danos morais e materiais. Pode ainda, o produtor rural realizar denúncia diretamente no Banco Central, sujeitando assim o Banco, a agência bancária e o gerente, às sanções previstas em lei, visando coibir a prática.


Nota

[1] https://www.aprosoja.com.br. Acesso em 08 de julho de 2017.​


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria