Acesso ao medicamento Botox através do poder judiciário para tratamento de saúde não estético

O Botox possui diversas linhas de utilidade para o tratamento da saúde, dentre eles: o bloqueio de glândulas apócrinas e écrinas, hiper-hidrose axilar, bromidrose, suor excessivo nas axilas e crânio (região parietal), bruxismo etc, de modo a recuperar a capacidade laborativa do paciente, estimular a autoestima e a participação social de forma mais produtiva. O tratamento não é estético, embora a utilização do BOTOX seja popularmente mais conhecida para esta finalidade (aperfeiçoamento físico) , todavia, o fármaco tem função curativa, amenizando ou sanando patologias prescritas pelo (a) médica (o) assistente.
            Os planos de saúde não contemplam a cobertura sob o argumento de ser tratamento estético e quando autorizam o uso do BOTOX limitam adentrando na terapêutica médica, o que é vedado pelo artigo 32 do Código de Ética Médica e a Súmula 102 do TJSP: “Súmula 102: Havendo expressa indicação médica, é abusiva a negativa de cobertura de custeio de tratamento sob o argumento da sua natureza experimental ou por não estar previsto no rol de procedimentos da ANS”
             Para espantar qualquer dúvida do acolhimento e possibilidade do tratamento por Botox de inúmeras doenças, diz o seguinte julgado:

“AGRAVO INTERNO NO AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL. PLANO DE SAÚDE. NEGATIVA DE COBERTURA. DANO MORAL. 1. A recusa indevida/injustificada, pela operadora de plano de saúde, de autorizar a cobertura financeira de procedimento indicado pelo médico para tratamento da enfermidade enseja reparação a título de dano moral por agravar a situação de aflição psicológica e de angústia no beneficiário. 2. Agravo interno não provido”. (AgInt no AREsp 962.044/DF, Rel. Ministro RICARDO VILLAS BÔAS CUEVA, TERCEIRA TURMA, julgado em 22/11/2016, DJe de 30/11/2016).

   A inexistência de previsão expressa no rol da ANS não é justificativa aceitável para a negativa de cobertura de tratamento médico, pois as normas editadas por ato infra legal não podem sobrepor-se às disposições da Lei Federal nº. 9.656/98 e às do Código de Defesa do Consumidor, como assevera parte da decisão liminar em processo sob patrocinado por nós:

“...O procedimento em questão não é estético e está indicado para problemas de saúde reais, conforme minuciosamente descrito no relatório médico de fls. 23 e seguintes. O tratamento indicado para o bruxismo, assim como para a hiper-hidrose das axilas e crânio, é a aplicação da toxina botulica, na forma como descrito no relatório. Havendo expressa indicação médica desta modalidade de tratamento, a recusa por parte da operadora é abusiva...Nestes termos, nesta fase sumária de cognição, defiro a antecipação da tutela para que a ré arque com as despesas relativas a todos os procedimentos relativos à aplicação da toxina Botulínica, pelo método indicado pelo médico que assiste a autora, incluindo as despesas médicas, hospitalares, laboratoriais e materiais necessárias à sua realização. Arbitro multa de R$ 5.000,00 (cinco mil reais) por dia de descumprimento desta ordem, até o limite de 60 dias, valendo a cópia desta decisão como ofício deste juízo, cientificando-se o réu para todos os efeitos”. Processo 1045709-00.XXXX.8.26.0002. 9º Vara Cível do Foro Regional de Santo Amaro, Comarca de São Paulo. Bradesco Saúde X NC.

A listagem de procedimentos constitui referência básica para as operadoras de planos de saúde e não enumeração taxativa de tratamentos incluídos no regime securitário, mesmo porque a atualização da legislação não é capaz de acompanhar a rápida evolução da ciência médica e a criação de novos tratamentos.
            Com efeito, o não preenchimento dos requisitos estabelecidos em diretrizes da ANS não é justificativa suficiente para a negativa da cobertura de um procedimento médico, sendo que a escolha do melhor tratamento incumbe exclusivamente ao médico e não ao plano de saúde.
             Além disso, compete ao médico responsável pelo tratamento do paciente definir e prescrever os exames e procedimentos adequados, afrontando a boa-fé contratual cobrir a doença, mas não os demais procedimentos necessários ao tratamento prescrito para sua cura.
             Portanto, a negativa de cobertura do tratamento comprovadamente essencial para garantir a saúde do paciente vulnera a finalidade básica do contrato, que é de assistência à saúde, sendo nula de pleno direito, nos termos do artigo 51 do Código de Defesa do Consumidor, inúmeros julgamentos favoráveis ao paciente, assim como Súmulas e entendimentos consolidados na aplicação da ação judicial como meio do efetivo tratamento médico com BOTOX.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Tratamento de Dados do Jus.

Regras de uso