Estabelece os efeitos e características da exclusão do sucessor através da deserdação prevista nos artigos 1.961 ao 1.965 do Código Civil.

1 - INTRODUÇÃO

O presente artigo tem o objetivo de apontar as principais características e hipóteses referentesa à modalidade de exclusão dos herdeiros necessários por deserdação da herança, sendo indispensável destacar as causas e os princípios que regem tal artifício jurídico presente nos artigos 1.961 ao 1.965 do Código Civil.

Valendo ainda salientar que os motivos ou causas que geram efeitos jurídicos para que ocorra a possibilidade de deserdação dos herdeiros necessários podem ser os mesmos motivos que geram a exclusão do herdeiro através da indignidade, ou seja, nem todos os motivos da deserdação são motivos da indignidade, mas todos os motivos da indignidade são motivos da deserdação.

2 - DESERDAÇÃO

Essa forma de exclusão atinge diretamente os herdeiros necessários do autor da herança, que, com a sua manifestação de vontade, afasta o sucessor da sucessão que este vinha a ter por direito. É indispensável a existência de manifestação de vontade do autor da herança, de forma que, este, deve imputar ao sucessor a prática do ato considerado reprovável pelo nosso direito sucessório. A manifestação de vontade atinge diretamente o principio da liberdade limitada para testar, devendo esta ser feita única e exclusivamente na forma expressa e através de cédulas testamentárias.

A tipificação dos atos que acarretam na exclusão dos sucessores deve estar dentro do rol taxativo dos artigos 1.962 e 1.963 do Código Civil.

1.962. Além das causas mencionadas no art. 1.814, autorizam a deserdação dos descendentes por seus ascendentes:

- Ofensa física;

II - Injúria grave;

III - relações ilícitas com a madrasta ou com o padrasto;

IV - Desamparo do ascendente em alienação mental ou grave enfermidade.


Art. 1.963. Além das causas enumeradas no art. 1.814, autorizam a deserdação dos ascendentes pelos descendentes:

- Ofensa física;

II - Injúria grave;

III - relações ilícitas com a mulher ou companheira do filho ou a do neto, ou com o marido ou companheiro da filha ou o da neta;

IV - Desamparo do filho ou neto com deficiência mental ou grave enfermidade.

2.1 – CAUSAS PRÓPRIAS DA DESERDAÇÃO

No tocante as causas próprias da deserdação, assim denominadas pelo Código Civil, podemos dizer que elas se dividem em dois grupos. O primeiro grupo fala sobre as causas próprias da deserdação para os descendentes, e o segundo grupo, diz a respeito das causas próprias de deserdação para os ascendentes.

O artigo 1.962 estabelece o rol taxativo dos atos cometidos pelo descendente do autor da herança, que podem dar causa a sua deserdação.

São eles:

a) Ofensa Física: É a lesão corporal. Ocorre toda vez em que o filho pratica ofensas ficas contra o pai. Não há aqui necessidade de dolo ou culpa e é admitida qualquer tipo de lesão.

b) Injúria Grave: Nesta modalidade, a injuria praticada deve ser na forma grave. Não há aqui necessidade de ação penal, o que difere da indignidade.

c) Relações Ilícitas com a madrasta ou com o Padrasto: O filho pode ser deserdado caso venha a ter relações sexuais com a mulher de seu pai.

d) Desamparo do ascendente em alienação mental ou em grave enfermidade: caso o filho ou neto venha a desamparar o seu pai ou avô nos casos de alienação mental ou grave enfermidade, este poderá ser deserdado.

Já o artigo 1.963, diz a respeito das causas de deserdação dos ascendentes para os descendentes.

a) Ofensa Física

b) Injúria Grave

c) Relações Ilícitas com a mulher ou companheira do filho ou neto, ou com o marido ou companheiro da filha ou da neta.

d) desamparo em grave enfermidade ou deficiência mental.

Ao cônjuge apenas se aplica as causas de indignidade.

Por fim, deve-se destacar que a deserdação deve ser feita sempre por testamento, de forma que deve haver a manifestação de vontade do autor da herança na forma expressa, que ocorrerá através da ação declaratória de deserdação. Após a abertura do testamento em que o herdeiro foi declarado deserdado, no prazo de quatro anos a contar da abertura do testamento, caberá ao herdeiro instituído, ou aquele em que se aproveitar da deserdação, provar a veracidade da causa alegada pelo testador. Sendo indispensável apontar que na modalidade de deserdação, não há perdão ao deserdado, conforme acontece na indignidade através da reabilitação do indigno.

3 - REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

GONÇALVES, CARLOS ROBERTO. DIREITO CIVIL BRASILEIRO - VOL. 7 - DIREITO DAS SUCESSÕES - 11ª ED. 2017



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0