A previdência não precisa de reforma.

O pacote de maldades está bem embalado. Seria dado agora às vésperas do Natal, para todos os trabalhadores brasileiros. Não foi porque muitos parlamentares ficaram com medo de perder a ceia. Mas, como está guardado, virá no ano que vem.
 Não bastasse o fato óbvio (ululante) de que a reforma capitalista de direitos trabalhistas afundaria a previdência, agora o culpado será o serviço público. Não bastasse desinformar, quer dizer, contar pela metade, omitindo-se o essencial, agora a mídia oficial do Planalto conta exatamente mentiras.
 A primeira já foi dita e agora pagaremos o pato (meio amarelado) pelo subemprego, pelo desmantelamento da segurança dos contratos de trabalho e, igualmente óbvio, pelo sucateamento definitivo das condições de trabalho. A Argentina enfrenta seu calvário – porém, ao que tudo indica, com mais galhardia do que aqui.
 A segunda mentira pavorosa que nos contam e que a maioria acredita, pelo fato de se informar só vendo TV, é que a previdência está quebrada. Para os reticentes ou que nutrem verdadeiro ódio aos servidores públicos (talvez terapia ajude), recomenda-se informar minimamente do relatório da CPI da Previdência. Antes de mais nada, o(a) curioso(a) verá que todos os membros assinaram, sem óbice. Inclusive ou especialmente o representante do Planalto, vale dizer, do PMDB.
 Sem considerar a teoria conspiratória de que a Rede Globo – a maior interessada na tal reforma previdenciária – seria proprietária da maior vendedora de previdência privada, dois fatos são notórios, isto é, são contados por números do próprio governo. E se são do governo, o mesmo governo não desmente.
 Quais sejam: descontando-se os desvios que já prescreveram e não resultaram em penalidades judiciais, quem “quebrou” a previdência são os mesmos que pagaram pelos votos da reforma capitalista de direitos trabalhistas; os que hoje se preparam para demitir milhares e recontratar com “trabalhos intermitentes” são os maiores sonegadores e desviantes de recursos que deveriam abastecer as contas da previdência.
 As maiores empresas e fortunas do país, atreladas aos grandes bancos, simplesmente não recolhem à previdência todo o dinheiro descontado na folha de pagamento dos trabalhadores. A conta já ultrapassa uma centena de bilhão de reais.
 Além de não recolherem, ou seja, de praticarem o crime de apropriação indébita – um crime bastante grave para o cidadão comum –, os mesmos que destruíram a obrigatoriedade da carteira de trabalho, ao final da suposta apuração dos fatos, são perdoados pela malversação do dinheiro (e do direito) dos trabalhadores. A palavra mágica que abole este crime grave se chama Refis: simplesmente o perdão.
O que acontece se não pagarmos as prestações do carro ou da casa por um ano? Para os piores e maiores apropriadores (indébitos) não acontece nada. Ou melhor, acontece tudo de bom. Quem ainda duvida, consulte no Google (o mais novo “pai dos burros”) o valor não-cobrado da Bancada Ruralista, exclusivamente este ano. É um exemplo mínimo.
Quem ganha afinal com a tal reforma da previdência? Sonegadores, Bancos e agências do mercado que, futuramente, poderão alegar falência para não pagar quem ali depositou por 20 ou 30 anos. Na verdade, são os mesmos que contaram a carochinha do impeachment e a maioria acreditou. Se você ainda duvida, repita-se, leia ao menos o resumo do relatório da CPI da Previdência, com a assinatura do partido do presidente.
Boas festas??
Vinício Carrilho Martinez
Professor Associado da Universidade Federal de São Carlos – UFSCar
Marcos Del Roio
Professor Titular de Ciências Políticas da UNESP/Marília


Autores


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelos autores. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0