O presente artigo visa analisar a sistemática da execução fiscal, bem como encontrar uma forma de sintetizar e tornar simples o entendimento da dívida ativa.

EVOLUÇÃO HISTÓRICA 

A princípio se faz necessário sintetizar a história do tributo no Brasil. Deste modo, é importante elucidar a história do Brasil Colonial (1500-1822), que é um período batizado como pré-colonial, que vai da data do descobrimento até 1530, onde a preocupação de Portugal era manter a posse das terras.  Observa-se que, a primeira atividade econômica, iniciada pelo Brasil foi a extração do Pau Brasil. Ainda nesse contexto, para arcar com os custos da exploração houveram as concessões feitas a terceiros.  Em suma, as concessionárias obrigavam-se a iniciar a colonização, construir fortificações ao longo da costa e pagar o quinto.  O quinto foi o primeiro tributo pago no Brasil, que tinha como base a legislação Portuguesa.   

Em relação ao Brasil Colônia:

O que sobrava ficava na Colônia para pagar as despesas da administração das terras “achadas”, exatamente para explorar riquezas e não para construir uma nação.

  Em 17 de Dezembro de 1938, o então presidente Getúlio Vargas, por meio do decreto 960/38 tratou da cobrança judicial da dívida da Fazenda Pública em todo o território nacional.  E, através deste decreto, estabeleceu a forma como se dava o procedimento executivo, sendo marcante não só o aspecto reduzido de garantias que o contribuinte possuía, como o poder de instruir ex officio o processo que detinha o juiz.  

Art. 6º. A citação inicial, que será requerida em petição instruída com a certidão da dívida, quando necessário, far-se-á por mandado para que o réu pague incontinenti a importância da mesma; se não o fizer, pelo mesmo mandado se procederá à penhora.  

  O meio de defesa estava previsto nos artigos 16 e 17 do referido decreto lei, ora já revogado. Os artigos já mencionados previam que, o réu poderia utilizar dos embargos no prazo de 10 (dez) dias da ocorrência da penhora, ou do retorno da citação ao juízo deprecante, caso fosse realizada por carta precatória, e o acusado através dos embargos poderia alegar toda a matéria útil para a sua defesa. O artigo 18 traz o prazo de 10 (dez) dias para a Fazenda Pública impugnar os embargos, podendo instruir a execução com as provas que melhor lhe convir.   

O Professor Roque Antônio Carrazza ensina:  

[...] digamos que um dado contribuinte devia 100, a título de tributo, e o prazo para o pagamento de seu débito vencia no dia 20 de abril. Não podendo ou não querendo saldar seu débito nesta data, ele - desde que haja lei autorizadora neste sentido - pleiteia o parcelamento do mesmo, que é deferido. Com isto, pagará o débito em, por exemplo, cinco prestações de 22 cada uma, vencendo, a primeira, no dia 20 de maio; a segunda, no dia 20 de junho; a terceira, no dia 20 de julho; a quarta, no dia 20 de agosto; e a derradeira, no dia 20 de setembro.

   Conclui-se ao analisar os dizeres do Professor acima mencionado que, o parcelamento é um fracionamento do débito que o contribuinte tem com o fisco, que deve ser pago de forma sucessiva e periódica.   

Evolução Histórica da Execução Fiscal no Brasil 

    Os países colonizados sofreram grandes influências de seus colonizadores, tanto jurídico, político e social. Em Portugal, como bem preleciona Vicente Greco Filho, no período das Ordenações, era o Estado quem regulava as atividades executivas em face do devedor.  Nesta época a execução recaia sobre o patrimônio do próprio devedor e não sobre ele próprio e o credor precisava ajuizar uma ação visando a condenação do devedor e com o título executivo judicial fazer uso da execução de ofício.

Após a Independência do Brasil, as Ordenações Filipinas e a Legislação portuguesa permaneceram sendo aplicadas no Brasil. 

Cândido Rangel Dinamarco, em sua doutrina diz que, “o primeiro dispositivo processual brasileiro foi o regulamento 737 de 25 de novembro de 1850, conhecido também como Decreto Imperial que determinava a ordem no processo comercial”. 

  Esse decreto disciplinava institutos como competência, parte legítima, além disso, a citação do devedor era necessária de modo que, implicava na nulidade absoluta e pôr fim a execução era feita apenas por mandado, conforme preleciona o art. 476 do decreto lei.     

  Evidencia-se que, o  decreto nº 738, de 25 de novembro de 1850, tinha por finalidade normatizar as situações do processo de execução coletivo do devedor comerciante, noutras palavras, teve a função de regulamentar a falência propriamente dita.               

O decreto-lei nº 1.608, de 18 de setembro de 1939, previa 2 (duas) espécies de execução para a grande maioria dos procedimentos, sendo a primeira para títulos executivos extrajudiciais e a segunda para os títulos executivos judiciais.               

A execução fiscal no Brasil é regida pela lei nº 6.830/80 e, após a vigência desta quebrou-se a ideia de unificação dos procedimentos de execução que fora instituída pelo Código Buzaid, visto que com a vigência dessa legislação específica para a execução fiscal houve uma redução de tempo para a cobrança da dívida ativa, por que houve uma condensação das fases processuais, além de que estabeleceu privilégios para os credores particulares com débitos perante a Fazenda.              

Vale ressaltar que a Lei de Execução Fiscal, foi fruto do trabalho realizado pela Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional, juntamente com os representantes do Instituto da Previdência e Assistência Social e da Procuradoria Geral da República. 


SISTEMÁTICA DA EXECUÇÃO FISCAL 

A visão geral, da sistemática da execução fiscal é a mesma vista no Código de Processo Civil, quer dizer,  a execução por quantia certa, como processo de pura atividade para realização do direito do credor. 

Constou, aliás, da própria Exposição de Motivos do anteprojeto que veio a converter-se na citada Lei que sua regulamentação contém apenas normas processuais de especialização procedimental da execução fazendária. Por isso, ressalvou-se que “também as disposições do Código que disciplinam especialmente a execução por quantia certa têm a sua aplicação mantida pelo anteprojeto” (e, afinal, consagradas pela Lei). Não se preocupou em retirar a execução fiscal do campo da execução forçada, tal como a regula o Código. As inovações introduzidas, ainda conforme a Exposição de Motivos, “como normas peculiares à cobrança da Dívida Pública, têm por objeto os privilégios inerentes ao crédito fiscal e a preferência por normas processuais preexistentes, ajustadas ao escopo de abreviar a satisfação do direito da Fazenda Pública” (item 24 da Exposição de Motivos).

  A lei de execução fiscal se destina para a expropriação de bens do devedor para satisfação do crédito tributário (NCPC, art.824). Apenas o título líquido, certo e exigível pode autorizar a execução por quantia certa, como dispõe o art. 783 do Novo Código de Processo Civil, visto que no processo executivo não há lugar para discussões de situações controvertidas ou incertas no plano jurídico.                  

A execução se consolida no título executivo com o título judicial. A equiparação do título extrajudicial à sentença condenatória transita em julgado, visando autorizar a execução por quantia certa, em caráter definitivo (NCPC, art. 523), como prevê o art.783 do referido código, não há lugar para discussões e definições de situações controvertidas ou incertas no plano jurídico.                

Sabe-se que, só o título líquido, certo e exigível pode autorizar a execução por quantia certa. Equipara-se o título executivo com a sentença condenatória transitada em julgado, com o fim de autorizar a execução por quantia certa, em caráter definitivo, como se deduz ao ler a jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça, abaixo transcrito.

PROCESSUAL CIVIL. EXECUÇÃO. TÍTULO EXTRAJUDICIAL. EMBARGOS IMPROCEDENTES. APELAÇÃO. EFEITO DEVOLUTIVO. CARÁTER DEFINITIVO DA EXECUÇÃO. CPC, ARTS. 520, V, E 587. 1. A execução fundada em título extrajudicial é definitiva, mesmo que pendente a apreciação de apelação, sem efeito suspensivo, interposta contra sentença que tenha julgado improcedentes os embargos do devedor. Precedentes. 2. Embargos de Divergência não conhecido.

   Salienta-se que, a execução fiscal conforme já explanado anteriormente está prevista na Lei 6.830/80 e, de forma subsidiária pelo Código de Processo Civil. Aplicando à execução fiscal as normas do Código de Processo Civil, com as alterações e particularidades previstas na referida lei de execução fiscal.                  

Deste modo, apenas a Dívida Ativa regularmente inscrita goza de liquidez e certeza (Lei n. 6.830, art.3º).  É a inscrição que se constitui “no ato de controle administrativo da legalidade”, sendo promovida “pelo órgão competente para verificar a liquidez e certeza do crédito” (art. 2º, §3).  

 O doutrinador Silva Pacheco, diz que a Lei n. 6.830 é abrangente, compreendendo a cobrança de toda Dívida Ativa, tributária ou não tributária. Porém seu procedimento não alcança o crédito ilíquido, sujeito à apuração e à sentença condenatória, ou seja, não abrange o procedimento ordinário, visto que o art. 1º somente se refere à execução.

   A Fazenda Pública antes de ingressar em juízo tem que promover o acerto de seu crédito, tanto objetiva como subjetivamente, mediante o procedimento da inscrição, para atribuir-lhe liquidez e certeza, ou seja, para determinar, de forma válida, a existência do crédito tributário, a quantia dele e a responsabilidade principal e subsidiária por seu resgate. Nesse sentindo, entende-se que, é necessário apurar-se da execução a existência da dívida, o que se deve e quem deve.  

Após a inscrição, essa celeuma da apuração objetiva e subjetiva do procedimento da inscrição é resolvida, surge com isto a extração da Certidão de Dívida Ativa, que nada mais é, que um título executivo fiscal que habilita a Fazenda a ingressar com a execução fiscal.                  

De certo, que o procedimento da execução fiscal está disciplinado em legislação especial, porém é admissível utilizar de forma subsidiária à Legislação Processual Civil. Lembrando que, sempre que houver conflitos entre as disposições das legislações acima mencionadas, prevalecerá sempre a lei de execução fiscal, por ser a legislação especifica. Vale dizer que, as regras expostas no Código de Processo Civil serão utilizadas nas execuções fiscais apenas nas hipóteses em que a solução não possa decorrer da interpretação e aplicação da legislação especial. 


CONFISSÃO E LIQUIDEZ DA DÍVIDA

A Fazenda Pública é competente para inscrever o contribuinte em divida ativa, observando o disposto nos artigos 201 e 202 ambos do Código Tributário Nacional.  Esses requisitos são essenciais para a inscrição e qualquer omissão acarreta a nulidade, se a nulidade puder ser sanada até a decisão de primeira instância, mediante a substituição da certidão nula, então não será preciso a anular tudo.   

O artigo abaixo trata especificamente de dívida tributária.  

Art. 201. Constitui dívida ativa tributária a proveniente de crédito dessa natureza, regularmente inscrita na repartição administrativa competente, depois de esgotado o prazo fixado, para pagamento, pela lei ou por decisão final proferida em processo regular.  Parágrafo único. A fluência de juros de mora não exclui, para os efeitos deste artigo, a liquidez do crédito. 

 O único objetivo da inscrição é possibilitar a futura execução fiscal, inscrever em divida ativa é incluir o devedor num cadastro de inadimplentes.  Na esfera federal quem realiza a inscrição é a Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional, órgão do Ministério da Fazenda.  Nas esferas estaduais e municipais, a regra é que a competência seja das procuradorias judiciais.  

A declaração em cumprimento de obrigação acessória ou a confissão para fins de parcelamento, não impedem a discussão em juízo acerca da existência do crédito, fundada, por exemplo, em inconstitucionalidade, não incidência ou isenção. As eventuais cláusulas de irretroatividade, irretratabilidade ou renúncia a direito constantes de parcelamentos tributários não podem obstar o acesso ao Judiciário, sob pena de inconstitucionalidade.

A Lei n. 4.320/64 divide a divida ativa em tributária e não tributária, porém a Lei de Execuções Fiscais retira qualquer efeito prático da distinção, ao tratar da mesma forma a execução de ambas as modalidades. Para que a Fazenda Pública esteja autorizada a promover a execução fiscal, basta apurar a liquidez e realizar a devida inscrição em Divida Ativa.          O regime legal vigente prevê que o ingresso no programa de parcelamento importa em confissão irrevogável e irretratável dos débitos parcelados. Nos termos do Código de Processo Civil, a confissão é mesmo irrevogável, porém pode ser anulada se decorreu de erro de fato ou de coação, conforme transcrição da norma abaixo.  

Art. 393.  A confissão é irrevogável, mas pode ser anulada se decorreu de erro de fato ou de coação.

Parágrafo único. A legitimidade para a ação prevista no caput é exclusiva do confitente e pode ser transferida a seus herdeiros se ele falecer após a propositura. 

Algumas decisões administrativas e judiciais consideram que a confissão feita no momento da adesão ao programa de parcelamento gera o reconhecimento da legitimidade do débito parcelado. Com isso, pôr-se-ia “fim ao litígio nos exatos limites dos valores parcelados”29 e não se poderia mais discutir em juízo a legalidade da cobrança, por falto ao contribuinte interesse jurídico na ação. 

Porém a confissão não torna o débito incontestável, os efeitos da confissão são pequenos, visto que ela diz respeito apenas a fatos. A eficácia da confissão é a comprovação dos fatos a que se refere.

Nessa linha, seguiu o Supremo Tribunal Federal, no julgamento do AIAgR 850506 o relator Luiz Fux, entendeu o quanto disposto na seguinte ementa: 

Ementa: AGRAVO REGIMENTAL NO AGRAVO DE INSTRUMENTO. TRIBUTÁRIO. ISSQN. DISCUSSÃO JUDICIAL DO VALOR DO TRIBUTO. RENÚNCIA AO DIREITO EM QUE SE FUNDA A AÇÃO. ALEGAÇÃO DE VIOLAÇÃO DO ACESSO DO CONTRIBUINTE AO PODER JUDICIÁRIO. INOCORRÊNCIA. MATÉRIA FÁTICOPROBATÓRIA. SÚMULA 279. 1. A violação reflexa e oblíqua da Constituição Federal decorrente da necessidade de análise de malferimento de dispositivo infraconstitucional torna inadmissível o recurso extraordinário. 2. A Súmula 279/STF dispõe, verbis: “Para simples reexame de prova não cabe recurso extraordinário”. 3. É que o recurso extraordinário não se presta ao exame de questões que demandam revolvimento do contexto fático-probatório dos autos, adstringindo-se à análise da violação direta da ordem constitucional. 4. In casu, o acórdão recorrido assentou: “ANULATÓRIA DE DÉBITO FISCAL – ADESÃO AO PLANO DE PARCELAMENTO – CONFISSÃO DE DÍVIDA – NATUREZA – MATÉRIA DISCUTIDA – RENÚNCIA AO DIREITO EM QUE SE FUNDA A AÇÃO – EXTINÇÃO DO FEITO COM RESOLUÇÃO DO MÉRITO. Apesar de a relação jurídico-tributária não possuir natureza contratual e, por isso, não se passível de simples reconhecimento pelo sujeito passivo, mas de adequação à norma instituidora do tributo, in casu, a impugnação da contribuinte trouxe apenas matéria fática, abrangida pela confissão de dívida decorrente do parcelamento do crédito tributário, configurando a renúncia ao direito em que se funda a ação”. 5. Agravo regimental desprovido.

   O tema confissão é explanado no Código de Processo Civil no Capítulo XII, seção V, o qual no art. 391 trata a respeito da confissão judicial ao dizer que esta faz prova contra o confidente. 

O artigo 389, traz a hipótese de confissão judicial ou extrajudicial: 

Art. 389.  Há confissão, judicial ou extrajudicial, quando a parte admite a verdade de fato contrário ao seu interesse e favorável ao do adversário. 

Para Pontes de Miranda na confissão não há uma manifestação de vontade daquele que confessa, mas uma declaração de conhecimento dos fatos.

Nesse sentido, o artigo. 394 do CPC dispõe que:  

 Art. 394.  A confissão extrajudicial, quando feita oralmente, só terá eficácia nos casos em que a lei não exija prova literal. 

Seguindo essa classificação Pontes de Miranda afirma que, a confissão entra na classe de atos jurídicos stricto sensu e não dos negócios Jurídicos.

Ao confessar o sujeito declara fatos, mas não reconhece o direito alegado pela outra parte, assim como não confessa a incidência de normas jurídicas. A pretensão e a resistência permanecem, porque da confissão não se conclui que o direito objeto do litígio deva ser atribuído à parte contrária.

  Destaca-se que, mesmo diante da confissão o juiz deve verificar se o fato confessado decorre o efeito jurídico pretendido.              

O sujeito passivo confessa os fatos e não a incidência da norma sobre o fato, por que a incidência é matéria de direito, o qual não é objeto da confissão. 

Humberto Ávila, ressalta que a confissão, embora ateste a ocorrência de fatos, não serve como meio de prova da ocorrência de qualquer fato.  

Presume-se que a inscrição tem o efeito de conferir a divida a presunção relativa de liquidez e certeza, passando a ter o efeito de prova pré-constituída. Nessa linha, o STJ tem entendimento firmado no sentido de que as planilhas elaboradas pela Fazenda Pública constituem prova idônea, noutras palavras goza de presunção de veracidade e legitimidade, não se comparando com as declarações feitas por particulares.              

No tocante a liquidez da dívida a inscrição irá apurar essa liquidez permitindo a expedição do título executivo fiscal, que depende de um ato da autoridade administrativa, mas muitas vezes a obrigação tributária foi reconhecida de forma previa pelo próprio sujeito passivo.  E há também aqueles casos em que a cobrança se da periodicamente, mediante simples notificação.            

Líquido é o crédito que contêm indicação do valor, sendo que sua inscrição não anula a fluência de juros de mora, de modo que, após algum tempo, o valor inscrito originalmente não mais corresponde com precisão, ao montante devido pelo sujeito passivo. Entretanto não há dúvida sobre as taxas de juros oficiais, pode-se chegar ao exato valor atual do crédito por meio de uma operação aritmética, de forma que a liquidez é indiscutivelmente mantida.  

A Procuradoria da Fazenda Nacional explica que, a divida ativa da União como: “É composta por todos os créditos desse ente, sejam eles de natureza tributária ou não-tributária, regularmente inscritos pela Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional, depois de esgotado o prazo fixado para pagamento, pela lei ou por decisão proferida em processo regular.

A propósito da liquidez e certeza que devem restar certificadas na inscrição do crédito fazendário em Dívida Ativa, devem-se ter em conta os seguintes conceitos, lembrados por Martins da Silva:    

a) A certeza está ligada à existência regular da dívida, com origem, desenvolvimento e perfazimento conhecidos, com natureza determinada e fundamento legal ou contratual induvidoso.       “b) A liquidez está ligada ao valor original do principal, juros, multa e demais encargos legais e correção monetária, devidamente fundamentados em lei.


CONCLUSÃO

    De acordo com o estudo realizado, é possível concluir que a execução fiscal é o meio utilizado para a cobrança da divida ativa devidamente constituída pelo lançamento do crédito tributário, observando os requisitos previstos no Código Tributário Nacional. E que, o parcelamento é um instrumento que tem por finalidade garantir o cumprimento da obrigação pelo sujeito passivo, fazendo jus a este, o mesmo terá a execução do crédito suspensa, bem como o direito a certidão positiva com efeito de negativa.  É importante a existência desse instituto, pois evita injustiças que surgem das mudanças sociais e econômicas que causam o excessivo desequilíbrio contratual.     

Como se vê, o referido instituto constitui medida de justiça, uma vez que possibilita o contribuinte nos termos da lei quitar seus débitos.   


BIBLIOGRAFIA:

AMED, Fernando José; NEGREIROS, Plínio José Labriola de Campos. História dos Tributos no Brasil. São Paulo: Ed. SINAFRAESP, 2000.

Disponível em: < http://bdjur.stj.jus.br/jspui/handle/2011/22968> Acesso em: 15 janeiro 2017

GREGO, Filho Vicente. Uma visão atual do sistema processual e da classificação das ações. Revista de Direito Processual Civil, v.1, 2006, p. 12.

DINAMARCO, Cândido Rangel. Instituições de Direito Processual Civil. São Paulo: Malheiros,1998.

Disponível em: http://www.stj.jus.br/SCON/jurisprudencia/toc.jsp?i=1&b=ACOR&livre=((%27ERESP%27.clas.+e+@num=27195742%27)+ou+(%27ERESP%27+adj+%27195742%27.suce.))&thesaurus=JURIDICO. Acesso em 04 de fevereiro de 2018.

PACHECO, José da Silva. Comentários à Nova Lei de Execução Fiscal: Lei n. 6.830, de 22-9-1980. São Paulo: Saraiva, 1981. n. 4, p. 10

PAULSEN, Leandro. Curso de Direito Tributário: Completo. 4. ed. rev. atual. e Ampl. – Porto Alegre: Livraria do Advogado Editora, 2012, pág.120.

Recurso Especial nº 1218835/RS, STJ, Segunda Turma, Relatora: Desembargadora convocada Diva Malerbi, julgado em 21.02.2013, Dje 27.02.2013. 

PONTES DE MIRANDA, Francisco Cavalcanti, Tratado de Direito Privado. Tomo III. 4. Ed. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 1983, p.425.

Disponível em < http://www.cjf.jus.br/juris/unificada/Resposta> Acesso em 08 de fevereiro de 2018.

PONTES DE MIRANDA,  Francisco Cavalcanti. Comentários ao Código de Processo Civil. Rio de Janeiro: Forense, 1974, p. 281. Na mesma linha: Dinamarco, Cândido Rangel. Instituições de Direito Processual Civil. v. III.4.ed. São Paulo: Malheiros, 2004, p.623. No sentido de que a confissão é tanto um meio de prova como um ato de vontade, ver: MARINONI, Luiz Guilherme; ARENHART, Sergio Cruz. Prova. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2009, pág. 444-453

PONTES DE MIRANDA, Francisco Cavalcanti. Tratado de Direito Privado. Tomo II, pág.  455-456.

MARINONI, Luiz Guilherme; ARENHART, Sérgio Cruz. Prova, p. 432. 


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0