É claro que não, a Ética só existe no carnaval!

A Escola de Samba Paraíso do Tuiuti, na Sapucaí de 2018, fez mais pelo direito e pela dignidade humana do que os tribunais brasileiros, fiéis serventes do Executivo que aniquila os direitos fundamentais. O enredo – “Meu Deus, meu Deus, está extinta a escravidão?” – nos ensinou a não-temer.
Mesmo sem ter onde morar, a maioria dos passistas – que vivem com Bolsa Família – não tem direito à ajuda paletó e muito menos auxílio moradia. Mas deram uma lição de Ética que irá perdurar, retumbar na memória da cultura brasileira por décadas (no mínimo). No enredo do golpe, o samba desafinou o silêncio institucional que vigora desde 2016.
Quando vemos uma escola de Samba como Paraíso do Tuiuti, na Sapucaí que já imortalizou Joãozinho Trinta, desfilar toda a ironia reprimida, como quem revela a dialética de superação que está afogada no coração do povo brasileiro, esta ideia de Ética nos permite pensar que “o sonho não acabou”; que canta mais alto quem pulsa (e pula) com a verdade; que não há medo onde a criatividade reanima o desânimo da opressão e da barbárie; que a criatividade pode sim ser a marca germinativa da nossa cultura, desde que o jeitinho brasileiro não engolfe em mentira o que nos faria somente o bem.
Esta lição, que entornou o caldo do turismo econômico predatório em que se tornou o carnaval nacional, foi cantada e estilizada por Joãozinho Trinta e sua espetacular Beija Flor. “Ratos e Urubus, Larguem Minha Fantasia", de 1989, traria um Cristo-mendigo coberto pela censura do Judiciário a mando do piegismo católico.
Porém, o lixo a que o povo brasileiro sempre esteve destinado em sua história de opressão revelaria o luxo da inteligência e da criatividade popular. Tanto lá quanto cá o mesmo cenário, com algozes renitentes ou renovados, os mesmos desafios e obstáculos à concretização da condição humana.
Lá atrás, o golpe midiático que elevou Collor do pó às urnas (depois ao pó do ostracismo, de novo), no presente o golpe institucional que se prolonga na reinvenção do Mito de Vlad: a política temerária se transmuta em vampiro jocoso.
A ironia jocosa, por sua vez, talvez a mais curiosa possível, obrigou a Rede Globo exibir seus tentáculos de manipulação: nas casas dos nacionais, em 2016, e na Sapucaí em ovação, em 2018.
Nosso país é assim, eles dão um golpe soletrado em mesóclises e nós fazemos samba-enredo.
Se esse país não existisse teria de ser inventado, com urgência, até o carnaval de 2019. 
Vinício Carrilho Martinez (Pós-Doutor em Ciência Política)
Professor Associado da Universidade Federal de São Carlos – UFSCar
Departamento de Educação- Ded/CECH


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0