Os eventos causados pela Lava Jato tornaram inviáveis o “modelo de negócios” praticado entre o poder público e as empreiteiras, exigindo posturas transparentes na contratação de obras públicas, como o Performance Bond, essencial no combate à corrupção.

1 – Contexto Histórico

A Operação Lava-Jato expôs à sociedade as relações promíscuas entre a Administração Pública e as empreiteiras, que vem desde a época da ditadura militar e resultou na cartelização das obras públicas de grande porte no Brasil. Diante disso, é de fundamental importância colocarmos essa questão sob uma perspectiva história.

O império criado pelas empreiteiras surgiu por meio do Decreto nº 64.345/1969, que dispõe já em seu art. 1º:

Art. 1º: Os órgãos da Administração Federal, inclusive as entidades da Administração Indireta, só poderão contratar a prestação de serviços de consultoria técnica e de Engenharia com empresas estrangeiras, nos casos em que não houver empresa nacional devidamente capacitada e qualificada para o desempenho dos serviços a contratar.

Parágrafo único. Consideram-se empresas nacionais, para os fins deste artigo as pessoas jurídicas que regularmente constituídas no país, tenham aqui sede e foro, estejam sob o controle acionário de brasileiros natos ou naturalizados, residentes no país, e tenham pelo menos metade de seu corpo técnico integrado por brasileiros natos ou naturalizados.

Por causa desse dispositivo legal, criou-se um sistema de protecionismo no mercado da construção civil, sufocando a concorrência perante seus congêneres internacionais e permitindo que as empreiteiras brasileiras crescessem e prosperassem.

Este Decreto teve efeitos legais até 1991, quando foi revogado. Entretanto, isto não resultou na abertura do mercado, pois as empreiteiras brasileiras já tinham crescido e se estruturado o suficiente para não só impedir o desenvolvimento de construtoras fora do cartel por elas formado como barrar a entrada de concorrentes estrangeiras no país.

A Operação Lava Jato abriu os olhos da sociedade para essa situação perniciosa, tornando possível perceber que a corrupção em nosso país está alicerçada em nos contratos envolvendo a construção de obras públicas.

O eminente jurista Modesto Carvalhosa, em entrevista dada a uma revista semanal, expôs muito bem as entranhas desse terrível problema que assola nosso país:

O que é o caso investigado pela Lava-Jato senão o resultado de uma relação promíscua entre empreiteiras e o poder público, aquilo que, na literatura sociológica, denominamos crony capitalismo? Nesse “capitalismo de compadres”, tudo é estabelecido através das relações patrimonialistas e promíscuas entre empresários e o poder público. No caso das empreiteiras brasileiras, esse capitalismo de compadres é ainda mais preocupante. Isso porque há décadas existe aqui uma relação pessoal entre os políticos e os sócios controladores dessas empreiteiras, sedimentadas sobre velhas linhagens familiares. Os favores e vantagens que os políticos recebem se traduzem, em momentos certos, em contratos com o poder público. E esses acertos fundam-se sempre em uma série de ilegalidades, como superfaturamento, falsas medições, péssima qualidade de obras, atrasos e abandono.[1] 

Tal situação não poderia mais continuar, sob pena de colocar em risco até mesmo o desenvolvimento do Brasil.

2 – Seguro-Garantia

Os eventos causados pela Lava Jato tornaram obsoletos e inviáveis o “modelo de negócios” praticado entre o poder público e as empreiteiras, exigindo posturas mais transparentes na contratação de obras públicas que, se não solucionarem a questão da corrupção envolvendo esse campo, pelo menos mitiguem seus efeitos. 

Antes mesmo da Lava-Jato, houverem tentativas de dar cabo dessa situação. A principal foi o advento da Lei 8.666/1993, também conhecida como Lei de Licitações. Lá, no inciso 4º de seu art. 6º, o referido dispositivo legal trata do seguro-garantia:

Art. 6º:  Para os fins desta Lei, considera-se:

(...)

VI - Seguro-Garantia - o seguro que garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas por empresas em licitações e contratos;[2]

Esta modalidade de seguro encontra-se regulada por meio da Circular nº 232/2003, expedida pela SUSEP.[3]

O Seguro-Garantia tem por finalidade assegurar que um contrato assinado devido a participação em licitação visando a construção, fabricação, fornecimento e prestação de serviços seja devidamente cumprido.

Adaptando-se estas conceituações à situação aqui apresentada, se a empreiteira, após contratar o referido seguro, não concluir a obra no prazo devido ou de forma inadequada, a seguradora deverá promover os meios necessários para que isso ocorra, seja ela própria contratando terceiro que solucione esse problema, seja indenizando o Poder Público, aqui na qualidade de segurado, para que este contrate outra empreiteira para concluir a obra.

Tal relação gera um círculo virtuoso, pois a seguradora, de modo a evitar ter de passar pela situação acima descrita, fiscalizaria a obra com extremo rigor, cobrando da empreiteira o cumprimento dos prazos impostos, proporcionando a adequação de custos e não comprometimento dos limites de créditos bancários, além de garantir que a obra seja concluída sem falhas.

Esse sistema, além de proporcionar maior lisura na contratação e construção de obras públicas, evitaria que o Poder Público ficasse com o ônus dessa fiscalização, uma vez que seus agentes, de modo geral, têm se mostrado mais propícios a se sujeitar a interesses outros que não os da coletividade.  

Entretanto, apesar das nítidas vantagens desse tipo de seguro, ele é pouquíssimo praticado em território nacional, pois as leis brasileiras não obrigam a administração pública a exigir qualquer garantia na contratação de obra pública.

O inciso II do §1º do art. 56 da Lei de Licitações deixa registrado de forma expressa que tanto a autoridade competente é livre para exigir ou não prestação de garntia nas contratações de obras quanto o contratado para optar ou não por qualquer modalidade de garantia que seja.

Além disso, os dispositivos legais acima descritos colocam o seguro-garantia em igualdade de condições com a fiança bancária ou caução em dinheiro e da caução em títulos da dívida pública, cabendo a escolha ao contratado e não ao Poder Público. E como se isso não bastasse, o §3º do art. 56 da Lei 8.666/1993 determina que, independente da garantia escolhida, seu valor está limitado a 10% do que foi contratado.

Pela conceituação básica de seguro-garantia, a ideia tem um potencial enorme para mitigar os problemas causados pela corrupção no Brasil, havendo a necessidade urgente viabilizar a correta aplicação desses dispositivos legais.

3 – Performance Bond

Dentre as várias espécies de seguro-garantia consagradas em nosso ordenamento jurídico, destaca-se aqui o Performance Bond. Modesto Carvalhosa aponta a adoção efetiva e obrigatória desse dispositivo como requisito essencial para as obras públicas, sendo a única solução para por fim ao relacionamento entre o Governo e as construtoras, que quase nunca visam o interesse público.

Segundo Carvalhosa, Performance Bond:

É um mecanismo que acaba com a relação direta entre as empreiteiras e os agentes públicos, ao colocar uma seguradora para intermediar essa conexão. Essa estrutura tripartite cria um conflito muito salutar entre os envolvidos: feito o contrato entre a seguradora e a empreiteira, é a primeira que passa a se reportar ao ente público contratante, ou seja, o governo e seus agentes. Como o lucro da seguradora depende de que a obra seja realizada nos prazos corretos, sem aditamentos, atrasos nem problemas de qualidade, a seguradora fiscaliza o trabalho de perto e com rigor. Atua como um cão de guarda para garantir que a empreiteira cumpra os prazos e preços estabelecidos. Esse é o primeiro “conflito” que se dá entre a seguradora e a empreiteira. O outro, igualmente vantajoso para todos, acontece entre o governo e a seguradora. A seguradora, como já disse, tem todo o interesse em que a obra seja concluída no prazo previsto. Mas, se mesmo assim houver atrasos por parte da empreiteira, existem duas hipóteses: a seguradora passa a bancar a obra para termina-la, como acontece nos Estados Unidos, ou, em casos mais extremos, abandona a construção, mas, nesse caso, tem que indenizar o governo.[4]

É possível, portanto, sintetizar o Performance Bond no país como uma espécie de seguro-garantia utilizado no Direito Administrativo brasileiro como forma específica de assegurar o cumprimento de um contrato envolvendo obras públicas, cabendo à seguradora a fiscalização e o devido cumprimento dos prazos desta.

Este instituto foi criado nos Estados Unidos, em fins do século XIX, sendo obrigatória em contratação de obras por particulares com o governo federal desde o advento do Heard Act em 1893, posteriormente convertido no Miller Act em 1935. Com o tempo, vários estados e municípios estado-unidenses passaram a adotar tal medida, a ponto de exigir a garantia em 100% do valor do contrato.[5]

Carvalhosa define como elementos fundamentais do performance bond a obrigatoriedade da contratação da apólice em todos os contratos de obras públicas de valor relevante, a importância segurada em 100% do valor do contrato e a atribuição do poder de permanente fiscalização da obra e dos recebimentos/pagamentos pela seguradora. Esta passa a ser a principal interessada no cumprimento do contrato entre o poder público e a empreiteira.[6]

Como já foi aqui explicado, a ausência de obrigatoriedade deste dispositivo aliado ao fato da escolha sobre utilizá-lo ou não caber ao contratado e do valor da garantia estar limitado a 10% do seu valor o tornam pouco utilizado no Brasil. Essa realidade, no entanto, está começando a mudar.

Em âmbito nacional, o Projeto de Lei nº 274/2017, de autoria do senador Cassio Cunha Lima, pretende tornar o Performance Bond obrigatório em contratos com valores iguais ou superiores a dez milhões de reais, com a cobertura do contrato abrangendo sua totalidade.[7]

Essa iniciativa tem gerado frutos. Está em trâmite na Câmara Municipal de São José do Rio Preto-SP o Projeto de Lei nº 22/2017, que obriga a utilização do seguro-garantia de execução de contratos públicos de obras e de fornecimento de bens ou de serviços, dando a esse seguro-garantia inclusive o nome de Seguro Anti-Corrupção.[8]

Ardoroso defensor da obrigatoriedade do Performance Bond nos contratos de obras públicas, Carvalhosa ainda defende que o limite de cobertura não deveria ser em 100%, mas em 120% do valor do contrato, de modo que, além do valor da obra se inclua eventuais gastos extras.[9]

Entretanto, engenheiros tem uma posição mais reticente sobre o tema. Para Maçahico Tisaka, a obrigatoriedade do Performance Bond sobre 100% do contrato não é suficiente por si só para acabar com a corrupção, devido a existência de outros fatores que precisam ser ponderados. Segundo ele, quase todas as teses comentadas a favor desse instituto consideram apenas o inadimplemento da contratada e não levam em conta as causas de desequilíbrio contratual provocadas pela contratante governamental, que é o que acontece na maioria dos casos.[10]

Para Tisaka, o pressuposto de que todas as empreiteiras são venais é uma consequência de um sem-número de medidas, leis, decretos, regulamentos etc., que foram baixadas pela Administração Pública ao longo dos anos, que contrariam e restringem o princípio da livre iniciativa dos empresários.”[11]

Umas das causas para esse estado de coisas apontada pelo eminente engenheiro é o fato da Lei n 8.666/1993, estar desatualizada e completamente alienada das reais necessidades do país, dando vazão a todas as irregularidades aqui apontadas.

Tisaka arremata sua linha de raciocínio da seguinte forma:

Pode-se perceber, dessa rápida análise realizada, que a eventual introdução da obrigatoriedade dessa modalidade de seguro garantia é complexa e está longe de ser de fácil adoção, pois as principais irregularidades que acontecem na execução de um contrato com a Administração são decorrentes das excessivas limitações que as leis e os regulamentos vigentes impõem sobre a contratada, propiciando condições para a prática de condutas ilegais entre os agentes diretamente envolvidos.

Diante dessa caótica situação da nossa legislação, não limitada a algumas cláusulas da Lei nº 8666/93, a pergunta é se haverá seguradoras capazes de assumir riscos tão grandes e incertos, que podem comprometer os limites do seu próprio patrimônio, mesmo havendo a contrapartida dos tomadores da garantia.

Paulo Leão de Moura Júnior corrobora com esse questionamento ao salientar que “atualmente inexiste lei clara e específica regulando como uma seguradora poderá assumir o prosseguimento da obra, o que prejudica e inviabiliza o chamado ‘step in’ (entrada da seguradora) no projeto.”[12]

Percebe-se, portanto, a pertinência desses questionamentos á aplicação do Performance Bond no Brasil.

4 – Considerações Finais

O país deve muito á Operação Lava Jato. Por meio dela, a sociedade tomou conhecimento dos meandros envolvendo as relações promiscuas entre as empreiteiras e o Poder Público, forçando uma revisão total dessa relação, de forma a dar mais transparência e lisura à mesma.

A despeito da criação do seguro-garantia, por ocasião do advento da lei de Licitações e da extrema utilidade desse dispositivo, o mesmo não tem como ser colocado em prática, devido a circunstâncias na legislação que impedem seu uso.

Uma das principais mudanças causadas pela Lava Jato foi a necessidade de dar caráter obrigatório ao performance bond, de modo a moralizar a contratação de obras públicas, contribuindo sensivelmente para amenizar os fatores causadores da corrupção no país.

De fato, é muito tentador aniquilar um foco grave de corrupção obrigando as empreiteiras a fazerem um seguro sobre a conclusão de uma obra, impondo que o limite de cobertura seja 100% sobre o valor contratado e colocando o Poder Público como beneficiário, cabendo às seguradoras cobrarem daquelas que os prazos sejam cumpridos, que o orçamento não seja estourado e que o processo de construção e acabamento seja impecável.

Todavia, tal sequência de eventos, por si só, não é suficiente para que o performance bond funcione de fato no Brasil. Além de dispositivos legais regulando com eficiência este instituto, há também que se providenciar os meios e incentivos necessários para que esse tipo de seguro seja atrativo para as seguradoras, evitando que estas, ao ofertarem esse seguro, não coloquem em risco seu patrimônio.

Aparadas essas arestas, a adoção da obrigatoriedade performance bond com cobertura de 100% sobre o valor contratado tem todas as condições de encerrar de vez o histórico relacionamento pernicioso entre as construtoras e a Administração Pública, encerrando de vem a corrupção entranhada nesse setor e pondo fim a um triste capítulo de nossa história.

[1] CARVALHOSA. Modesto. Fórmula Anticorrupção. Veja, São Paulo, edição 2.467, n. 9, p. 16, 02 mar. 2016.

[2]   BRASIL. Lei de licitações. Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993. Regulamenta o art. 37, inciso XXI, da Constituição Federal, institui normas para licitações e contratos da Administração Pública e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8666cons.htm>. Acesso em: 28 mar. 2018.

[3] SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS (SUSEP). História do Seguro. Rio de Janeiro, 1997. Disponível em: <http://www2.susep.gov.br/bibliotecaweb/docOriginal.aspx?tipo=1&codigo=13041>. Acesso em: 28 mar. 2018.

[4] Op. Cit. p. 15/16.

[5] MARCONDES, João Cláudio Monteiro. Performance Bond e os contratos de obras públicas, 2016. Disponível em:< https://www.jota.info/opiniao-e-analise/artigos/performance-bond-e-os-contratos-de-obras-publicas-uma-solucao-para-um-antigo-problema-20042016>. Acesso em: 29 de mar. 2018.

[6] CARVALHOSA, Modesto. Corrupção nas obras públicas, 2016. Disponível em:< http://opiniao.estadao.com.br/noticias/geral,corrupcao-nas-obras-publicas,10000070762>. Acesso em: 04 de abr. 20148.

[7] BRASIL. Senado Federal. Projeto de Lei do Senado PLS 274/2016. Dispõe sobre o seguro garantia de execução de contrato na modalidade segurado setor público, determinando sua obrigatoriedade em todos os contratos públicos de obras e de fornecimento de bens ou de serviços, de valor igual ou superior a R$ 10.000.000,00 (dez milhões de reais), alterando a Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993 para estabelecer o limite de cobertura do seguro garantia em 100% (cem por cento) do valor do contrato, além de prever outras providências. Disponível em: < https://legis.senado.leg.br/sdleg-getter/documento?dm=568200&disposition=inline> . Acesso em: 29 mar. 2018. Texto Original.

[8] SÃO PAULO. Câmara Municipal de São José do Rio Preto. Projeto de Lei PL 22/2017. Regula no âmbito municipal a aplicação do artigo 55, inciso VI e artigo 56, inciso II da Lei Federal 8.666/93, obrigando a utilização do seguro-garantia de execução de contratos públicos de obras e de fornecimento de bens ou de serviços, denominando essa modalidade e aplicação da Lei, como Seguro Anti Corrupção – SAC; e dá outras providências. Disponível em: < proposicoes.saojosedoriopreto.sp.leg.br/arquivo?id=345822> . Acesso em: 29 mar. 2018. Texto Original.

[9] Op. Cit. p. 16/17.

[10] TISAKA, Maçahico. Seguro Performance Bond para obras públicas, Revista Engenharia, São Paulo, nº 631, ano 74, p. 86-87, out./dez. 2016.

[11] Op. Cit.

[12] MOURA JÚNIOR, Paulo Leão de. O Performance Bond e a Corrupção, 2016. Disponível em:< https://www.editoraroncarati.com.br/v2/Artigos-e-Noticias/Artigos-e-Noticias/O-Performance-Bond-e-a-Corrupcao.html>. Acesso em: 04 de abr. 2018.


Autor

  • Rui Licinio de Castro Paixão Filho

    Advogado-Sócio da Licinio Filho Advocacia, atuante nas áreas Cível, Consumerista, Empresarial e Securitário. Pós-graduado em Metodologia do Ensino Superior pela FGV e Especialista em Direito Civil e Direito do Consumidor pela Faculdade de Direito da Bahia. Pós-Graduado em Direito Empresarial pela PUC-Minas. Mestrando em Direito da saúde pela Universidade Santa Cecília. Membro da Comissão de Defesa do Consumidor da OAB/Santos.

    Textos publicados pelo autor

    Fale com o autor

    Site(s):

Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0