Questiona-se sobre a realização do procedimento de transfusão de sangue pelo médico sem autorização do paciente ou de seu representante por motivos religiosos, em casos de risco, ponderando os princípios em colisão, salvaguardando o direito à vida.

1. INTRODUÇÃO

A denominação cristã Testemunha de Jeová, reúne simpatizantes em vários países, sendo que os membros da referida crença não admitem que seus adeptos se submetam a transfusão de sangue, mesmo nos casos de risco de vida, causando polêmica na medicina, no judiciário, como também, no ordenamento jurídico. Desse modo, questiona-se sobre a realização do procedimento de transfusão de sangue pelo médico sem autorização do paciente ou de seu representante por motivos religiosos, em casos de risco, ponderando os princípios em colisão, salvaguardando o direito à vida.

2. OBJETIVO

Explanar quanto à transfusão de sangue em Testemunhas de Jeová e a possibilidade da intervenção médica sem autorização do paciente ou representantes deste.

3. DESENVOLVIMENTO:

A liberdade de crença é declarada como um Direito Fundamental expresso no art. 5º, VI, CF/1988, visto que a República Federativa do Brasil é um Estado Laico, não se opondo a qualquer forma de religião. Nesse sentido, a polêmica causada pela recusa da realização de Hemoterapia pelos adeptos da religião de Testemunhas de Jeová, é justificada juridicamente por seus aderentes pela liberdade dos indivíduos, protegida no art. 5º da CF/1988.

De igual modo, o Código Penal criminaliza a conduta do sujeito que obriga outra pessoa a fazer algo que a lei não determina, caracterizando crime de Constrangimento Ilegal, tipificado no art. 146 do mesmo diploma.

O mesmo tipo penal acima citado, prevê no §3º, uma causa de exclusão de tipicidade para que o médico realize os procedimentos no paciente sem autorização, em casos de risco de morte. Segundo Nucci (2017, p. 500) “Já que a vida é bem indisponível, a lei fornece autorização para que o médico promova a operação ainda que a contragosto. Não se trata de constrangimento ilegal, tendo em vista a ausência de tipicidade”.

Além disso, o art. 31 do Código de Ética Médica (2009) estabelece que em casos de iminente risco de morte, o médico deve desrespeitar a vontade do paciente ou de seu representante legal e decidir o procedimento necessário a ser adotado. No mesmo sentido, entende Masson (2015, p. 255) que “pouco importa o motivo que leva o paciente em iminente perigo de vida, a discordar da intervenção. Ainda que de cunho religioso (...) pode agir o profissional da medicina contra a vontade do paciente, a fim de salvar sua vida”. Destarte, verifica-se uma colisão de direitos fundamentais, ou seja, entre a liberdade religiosa e o direito à vida do indivíduo.

Para resolver essa colisão de princípios fundamentais, far-se-á necessária a ponderação destes, utilizando os princípios da razoabilidade e proporcionalidade. Não sendo possível a harmonização, um deverá prevalecer. Diante disso, a liberdade religiosa não pode ser vista como absoluta, pois o direito à vida não pode ser superado, visto que afronta a Constituição.

Ademais, “importa considerar que atitudes de repúdio ao direito à própria vida vão de encontro à ordem constitucional. Como exemplos da legislação que não admite a prática de eutanásia e reprime o induzimento ou auxílio ao suicídio” (LENZA, 2015, p. 1177). Ainda, a vida é um bem jurídico indisponível, o que justifica a causa de exclusão de constrangimento ilegal do art. 146 §3º, do CP para o médico evitar a morte do paciente. Assim, “essa previsão afasta, definitivamente, a controvérsia acerca do direito de pôr fim à própria vida, que é um bem jurídico indisponível, e essa indisponibilidade justifica a intervenção do Estado” (BITENCOURT, 2012, p. 1005).

Por fim, há pesquisas sendo realizadas em busca de tratamentos alternativos, porém, o acesso ainda não é fácil, não solucionando a questão de imediato.

4. CONCLUSÃO

Diante do exposto, conclui-se que é possível a aplicação do art. 146, §3º, do CP, para eximir o médico de responsabilidade criminal. Caso ele se depare com a situação de realizar transfusão de sangue em adepto da religião Testemunha de Jeová para salvar sua vida, o médico deve seguir com o procedimento. Assim, o médico deve optar em salvar a vida do paciente, que é um bem jurídico indisponível, já que o profissional pode ser responsabilizado administrativamente de acordo com o Código de Ética Médica, como também, criminalmente, caso não realize os procedimentos para evitar a morte do paciente.


5. REFERÊNCIAS:

BITENCOURT, C. R. Tratado de Direito Penal: Parte especial. 8. ed. São Paulo: Saraiva, 2012, v. 3.

BRASIL. Código Penal e Constituição Federal. 52. ed. São Paulo: Saraiva, 2014.

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA. Resolução nº 1.931 de 17 de setembro de 2009. Brasília: Conselho Federal de Medicina, 2009.

LENZA, P. Direito Constitucional esquematizado. 19. ed. São Paulo: Saraiva, 2015.

MASSON, C. Direito Penal esquematizado: Parte Especial. São Paulo: Método, 2016, v. 2.

NUCCI, G. de S. Código Penal Comentado. 17. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2017.


Autores


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelos autores. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria