Análise da Lei n. 7.357/85, conhecida como Lei do Cheque, quanto os direitos do Portador/credor em reaver seu crédito, mediante Execução do título ou ação de Cobrança Judicial.

O CHEQUE, nos termos do artigo 784, inciso I, do Novo Código de Processo Civil, compreende-se como Título Executivo EXTRAJUDICIAL, pois diz respeito a obrigação certa, líquida e exigível. Assim, no caso de inadimplemento do emitente, a lei prevê algumas maneiras para o credor cobrar a dívida, seja por meio da Ação de Execução, da Ação Monitória ou da Ação de Cobrança, conforme será demonstrado.

“Ab initio”, cumpre esclarecer que o Cheque é regido pelo Princípio da Abstração, onde os direitos decorrentes do título de crédito são abstratos, não dependendo do negócio que deu origem ao título, que é um aspecto do princípio da autonomia, pois o próprio título também é desvinculado da causa, quer dizer que não é necessário nem relevante informar o Juízo quanto a origem do negócio que deu causa a emissão do título.

Isto posto, a primeira opção do credor é proceder à cobrança judicial através da AÇÃO DE EXECUÇÃO, caso o título extrajudicial esteja dentro do prazo prescricional de 06 (seis) meses após a data de apresentação do CHEQUE, conforme determina o artigo 59, Lei nº 7.357, de 2 de setembro de 1985.

Outrossim, de acordo com artigo 47, da LEI DO CHEQUE nº 7.357/1985, combinado com o artigo acima exposto, o credor poderá executar o emitente e seu avalista, além dos endossantes e/ou seus avalistas, quando o título em questão for apresentado em tempo hábil junto com a comprovação da recusa de pagamento mediante PROTESTO ou DECLARAÇÃO DO SACADO escrita e datada quanto a própria cártula de cheque.

Nesse sentido, destaca-se, em relação ao prazo para apresentação do CHEQUE, que o beneficiário terá o prazo de 30 (trinta) dias contados da data da emissão no caso de o Banco ser o mesmo do local de emissão (mesma praça). Caso sejam praças distintas, o beneficiário terá o prazo de 60 (sessenta) dias para apresentar o CHEQUE, nos termos do artigo 33 da referida lei.

 Contudo, caso ultrapassados o prazo de 06 (seis) meses para cobrá-lo, resta ao Portador e beneficiário do título a cobrança via AÇÃO MONITÓRIA, uma vez que, neste caso, estaremos diante de um título prescrito.

Assim, na AÇÃO MONITÓRIA, o credor buscará em Juízo os pressupostos legais para dar eficácia a seu título executivo extrajudicial prescrito - exigibilidade, sendo este o meio pelo qual o portador conseguirá reaver a força executiva do título, mediante sentença.

A previsão desta ação encontra-se no artigo 700 do Código de Processo Civil, na qual o Cheque - prova escrita, que perdera sua força de título executivo em razão do decurso do tempo, tornará a gozar, novamente, deste status, e possibilitará ao Portador/credor cobrar o devedor o valor da dívida e, de acordo com às Súmulas 299 e 531, ambas do Supremo Tribunal de Justiça, sem menção ao negócio jurídico.

Destaca-se, que a presente ação é célere e não prescinde da fase de conhecimento, pois somente será analisado pelo juiz a VALIDADE DO TÍTULO – CHEQUE - sem força executiva e, estando preenchidos os requisitos necessários, ensejará ao Credor título judicial mediante sentença condenatória. Desse modo, esta ação apresenta-se com uma excelente opção ao credor para cobrar o Emitente, porém, deve atentar-se para o prazo quinquenal para o ajuizamento da AÇÃO MONITÓRIA, de acordo com a Súmula 503 do Supremo Tribunal de Justiça.

Todavia, no caso de superado os 06 (seis) meses para ajuizamento da Ação de Execução e dos 05 (cinco) anos da Ação Monitória, ainda cabe ao Portador/Credor pleitear seu crédito mediante AÇÃO DE COBRANÇA, pautada pelo rito comum ordinário, onde deverá ser analisada a origem do crédito, tendo o beneficiário portador que provar a relação jurídica com o emitente/devedor e não simplesmente a dívida em si, como nos casos anteriores, para o fim de constituir o Título Executivo JUDICIAL, que nascerá com a sentença condenatória do juiz e, após alcançada a condenação do emitente e a confecção do Título Executivo JUDICIAL, o beneficiário poderá executar a dívida, de acordo com a previsão legal dos artigos 771 e seguintes e 785, todos do Novo Código de Processo Civil.

Portanto, conclui-se que o Portador do título extrajudicial – CHEQUE, não pago pelo emitente após sua apresentação, poderá mover uma das três ações distintas apresentadas para cobrá-lo, podendo, até mesmo, protestar o título em Cartório de Protesto de Títulos a fim de negativar o nome do devedor na praça, como meio de coagir o inadimplente a pagar o credor.

Por fim, é sabido e importa destacar que é sempre imprescindível que o Credor/devedor consulte um ADVOGADO ESPECIALISTA e de sua confiança para sanar quaisquer dúvidas e esclarecer os pontos confusos, bem como para instruí-lo da forma correta e mais viável e necessária para a solução de cada caso em específico.


Autor


Informações sobre o texto

Artigo elabora para o público para tomar ciência de seus direitos e medidas cabíveis para recuperação do crédito em caso de inadimplência.

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria