Tanto o ICMS e PIS/COFINS possuem natureza semelhante e não se confundem com o conceito de faturamento, dai não são base de cálculo para a apuração de tributo. A base de cálculo é única e diz respeito ao faturamento.

                                               Marco Aurélio Bicalho de Abreu Chagas

                                                O STF – Supremo Tribunal Federal decidiu que o ICMS – Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços não deve compor a base de cálculo do PIS e da COFINS no regime da não cumulatividade. (RE 574706, de 2017).

                                               Essa decisão do STF ao determinar a exclusão do ICMS da base de cálculo do PIS/COFINS determinou, por conseguinte, o próprio conceito de faturamento, posto que quando as empresas formam seus preços e depois faturam tais valores, elas já contabilizam os tributos pagos.

                                               Os tributos ICMS e PIS/COFINS são estranhos ao conceito de faturamento, visto que este se restringe à quantia que tem ingresso nos cofres de quem procede à venda de mercadorias ou à prestação dos serviços.

                                                Em trabalho publicado sob o título SUPREMO EXCLUI ICMS DA BASE DE CÁLCULO DA COFINS: A BASE DE CÁLCULO DA COFINS É O FATURAMENTO MENSAL DA EMPRESA, expressamos naquela ocasião o seguinte:

                                               Na realidade, o ICMS representa uma receita do Estado, configurando-se uma entrada de dinheiro. Não se constitui, portanto, como até agora se sustentou, principalmente, pelo Fisco, receita da empresa-contribuinte.

                                               É salutar, por conseguinte, o posicionamento que está sendo alcançado pelo STF, consolidado na assertiva de que o valor do ICMS não pode configurar faturamento.

                                              Desse modo, “o valor do ICMS, destacado na nota fiscal, para simples registro contábil-fiscal, não deve ser incluído na base de cálculo da COFINS”.

                                             Ficando, portanto, sacramentado que o ICMS deverá se excluído da base de cálculo da COFINS, há de se apurar o exato valor da mercadoria antes da incidência do imposto.

                                            O Ministro-Relator, MARCO AURÉLIO, em seu voto, assentou que “não se inclui na base de cálculo da contribuição, considerado o faturamento, o valor correspondente ao ICMS”, sob o seguinte fundamento:

“Da mesma forma que esta Corte excluiu a possibilidade de ter-se, na expressão “folha de salários", a inclusão do que satisfeito a administradores, autônomos e avulsos, não pode, com razão maior, entender que a expressão "faturamento" envolve, em si, ônus fiscal, como é o relativo ao ICMS, sob pena de desprezar-se o modelo constitucional, adentrando-se a seara imprópria da exigência da contribuição, relativamente a valor que não passa a integrar o patrimônio do alienante quer de mercadoria, quer de serviço, como é o relativo ao ICMS. Se alguém fatura ICMS, esse alguém é o Estado e não o vendedor da mercadoria. Admitir o contrário é querer, como salientado por Hugo de Brito Machado em artigo publicado sob o título "Cofins - Ampliação da base de cálculo e compensação do aumento de alíquota", em "CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS – PROBLEMAS JURÍDICOS", que a lei ordinária redefina conceitos utilizados por norma constitucional, alterando, assim, a Lei Maior e com isso afastando a supremacia que lhe é própria. Conforme previsto no preceito constitucional em comento, a base de cálculo é única e diz respeito ao que faturado, ao valor da mercadoria ou do serviço, não englobando, por isso mesmo, parcela diversa. Olvidar os parâmetros próprios ao instituto, que é o faturamento, implica manipulação geradora de insegurança e, mais do que isso, a duplicidade de ônus fiscal a um só título, a cobrança da contribuição sem ingresso efetivo de qualquer valor, a cobrança considerado, isso sim, um desembolso.” (in Recurso Extraordinário n° 240.785-2-MG. Min. Marco Aurélio – Relator).

FONTE:https://www.boletimjuridico.com.br/doutrina/artigo/1611/supremo-exclui-icms-base-calculo-cofins-base-calculo-cofins-faturamento-mensal-empresa

                                               Agora, essa questão volta à baila e recentemente o Juiz da 1ª Vara Federal de Novo Hamburgo (RS) decidiu que o contribuinte exclua o PIS e a COFINS de suas próprias bases de cálculo (23/05/2018).

                                              Aquele magistrado de 1ª Instância se valeu do decidido pelo STF no citado RE 574706 ao fundamento de que nesses autos as rubricas (PIS e COFINS) possuem naturezas semelhantes, “qual seja a de tributos que apenas transitam na contabilidade da empresa, sem configurar acréscimo patrimonial”.

                                           Aquele magistrado, então, decretou a inconstitucionalidade dos dispositivos do Decreto-Lei nº 1.598/1997 constituídos pelos parágrafos 1º, inciso III e 5º do artigo 12, ao definir que “na receita bruta incluem-se os tributos sobre ela incidentes”.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

1

Livraria