PROCEDIMENTOS JUNTO A DELEGACIA DA MULHER.

Hoje vou falar um pouco a respeito da minha atuação junto a delegacia da mulher, atuando tanto pelas vítimas como pelos acusados.

 Inicialmente, cumpre esclarecer que todas as situações que envolvam violência contra a mulher serão tratadas no âmbito da Delegacia da Mulher, por intermédio de comunicação a autoridade policial, vez que existe lei específica (Lei Maria da Penha) prevendo os casos em que essas condutas configuram crimes.

DA COMUNICAÇÃO DA VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER:

A comunicação deverá ser feita junto a uma delegacia da mulher, narrando os fatos que demonstrem a violência, o tipo de violência (física e/ou mental ou ambas), se há testemunha que presenciou os fatos e o nome do acusado.

Essa comunicação será ouvida pelo escrivão ou escrivã de polícia, sendo caracterizado como crime contra a mulher e previsto na Lei Maria da Penha, os fatos narrados serão reduzidos à termo e receberão o nome de Boletim de Ocorrência.

Importante destacar, que caso a vítima já tenha registrado um boletim de ocorrência envolvendo violência contra a mulher, seja em razão do mesmo acusado ou de outro, que informe ao advogado que irá acompanha-la, antes de se apresentar na delegacia para registrar o Boletim de Ocorrência, para evitar que a vítima se sinta constrangida no momento em que a autoridade policial mencionar a existência de outros boletim de ocorrência baseados na Lei Maria da Penha.

Caso trate-se de violência física, por ocasião do registro do Boletim de Ocorrência, a autoridade policial requisitará que a vítima realize o exame de corpo de delito (para demonstrar a extensão dos danos físicos sofridos pela vítima).

Na hipótese da vítima residir com ofensor, a autoridade policial orientará a vítima quanto ás medidas protetivas para resguardar a integridade física da vítima, variando entre a proibição do ofensor de se aproximar da vítima e dos filhos dessa, a retirada do ofensor do lar comum pela autoridade policial ou caso a vítima necessite, as autoridades policiais intermediarão, a saída da residência comum para um abrigo temporário.

A medida protetiva de urgência visando à retirada do ofensor da residência comum e a proibição do ofensor de se aproximar da vítima e/ou dos filhos da vítima, será requisitada no momento do registro da ocorrência, sendo formalizada pela autoridade policial, encaminhada ao fórum para as varas especializadas em violência doméstica até 48 horas e o juiz decidirá o pedido no prazo de 48 horas, após o deferimento do pedido o agressor será intimado da existência da medida protetiva e seu teor.

Lavrado o Boletim de Ocorrência pela Lei Maria da Penha, o escrivão ou escrivã a pedido da delegada de polícia intimará o ofensor para prestar esclarecimentos no dia e no horário determinado pela autoridade policial, sendo que apenas terá conhecimento do teor do Boletim de Ocorrência ao comparecer para prestar esclarecimentos.

 

DA INTIMAÇÃO DO OFENSOR:

A autoridade policial intimará o acusado para comparecer na delegacia de polícia da mulher, para prestar esclarecimentos em razão de um inquérito policial onde foi acusado de praticar violência contra mulher.

 Nessa ocasião o ofensor terá conhecimento de todas as acusações feitas contra ele, lhe será concedido o direito de defesa (contraditório), deverá estar acompanhado de advogado que apresentará sua procuração a ser juntada aos autos e terá a oportunidade de esclarecer se os fatos narrados são verídicos ou não.

Cumpre ressaltar que é imprescindível que o acusado compareça a delegacia, no dia e horário estabelecido para ter conhecimento das situações que envolvam a acusação feita contra ele.

Antes do comparecimento do ofensor a delegacia, o advogado precisa ter uma conversa franca e clara com o cliente, para saber se este tem mandado de prisão expedido contra ele, quer seja em razão de dívida alimentar, quer seja em razão de algum crime.

De suma importância que o advogado tenha conhecimento da existência de mandado de prisão contra o cliente, vez que por ocasião do comparecimento deste na delegacia, o escrivão ou escrivã solicitará o documento pessoal do ofensor para colher o depoimento e caso haja mandado de prisão expedido contra o cliente, será detido, preso na delegacia e encaminhado à autoridade de emitiu a prisão.

IMPOSSIBILIDADE DE COMPARECER PARA PRESTAR ESCLARECIMENTOS:

Quanto à impossibilidade de comparecer do acusado, na data e horário determinados, importante que apresente justificativa a autoridade policial por intermédio de advogado, através de petição encaminhada à delegacia da mulher juntando a cópia da intimação, documento que comprove a impossibilidade e juntando a procuração do advogado.

Dessa forma, a autoridade policial marcará nova data para que os esclarecimentos sejam prestados.

 

APÓS O ACUSADO SER OUVIDO:

A autoridade policial, na pessoa da delegada de polícia, avaliará as explicações apresentadas pelo acusado e decidirá se o boletim de ocorrência prosseguirá e se transformará em Inquérito policial ou se será arquivado.

Caso prossiga, a autoridade policial encaminhará o inquérito policial para o promotor que oferecerá a denúncia contra o acusado declarando qual a conduta que o ofensor praticou e informando o artigo da lei Maria da Penha que este violou.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria