Símbolo do Jus.com.br Jus.com.br

Capa da publicação Prorrogação de contrato administrativo no fornecimento contínuo de medicamentos
Artigo Destaque dos editores

Contrato administrativo. Fornecimento contínuo de medicamentos. Possibilidade de prorrogação nos termos do inciso II do art. 57 da Lei n. 8.666/93

Exibindo página 2 de 2
12/09/2018 às 14:20

5. A ESSENCIALIDADE SOBREPÕE-SE À CONTINUIDADE?

É imperioso esclarecer que a essencialidade da garantia à saúde tem previsão na CR/88, arts. 6º e 196, os quais integram os direitos fundamentais. Também está disposto na Declaração Universal dos Direitos Humanos, de 10 de dezembro de 1948, em seu art. 25-1: “Todo ser humano tem direito a um padrão de vida capaz de assegurar a si e à sua família saúde [...]” (ONU, 1948).

Nas brilhantes palavras de José Joaquim Gomes Canotilho:

[...] as normas consagradoras de direitos sociais, como direito à saúde, individualizam e impõem políticas públicas socialmente ativas. Os poderes públicos têm uma significativa quota de responsabilidade no desempenho de tarefas econômicas, sociais e culturais, incumbindo-lhes pôr à disposição dos cidadãos prestações de vária espécie, como instituições de ensino, saúde, segurança, transportes, telecomunicações, etc. (CANOTILHO, 2003, p. 478).

Vale dizer que os significados da palavra essencial são: a) imprescindível; b) necessário; c) que não pode ser deixado de lado ou ignorado; d) fundamental. Por outro lado, os significados do vocábulo contínuo são: a) ininterrupção; b) consecutiva; c) continuada; d) seguida; d) sucessiva. Cabe lembrar que no inciso II do art. 57 da Lei nº 8.666/93 não consta o adjetivo “essencial”.  

Cabe ressaltar que o intérprete deve aplicar as normas infraconstitucionais à luz da Constituição Federal. Portanto, a essencialidade sobrepõe-se à continuidade, uma vez que o legislador constitucional, ao redigir o art. 196 – “A saúde é direito de todos e dever do Estado [...]” – e obrigar os entes da Federação nos termos do inciso II –  “atendimento integral, com prioridade para as atividades preventivas, sem prejuízo dos serviços assistenciais” –, implicitamente traz o conceito de essencialidade e, mais, coaduna com o princípio da eficiência, o qual requer do gestor público a satisfação do interesse público.

Nesse sentido, leciona Hely Lopes Meirelles:

A Eficiência e o mais moderno princípio da função administrativa, que já não se contenta em ser desempenhada apenas com legalidade, exigindo resultados positivos para o serviço público e satisfatório atendimento das necessidades da comunidade e de seus membros (MEIRELLES, 1988, p. 90).

Com efeito, conforme os respectivos significados, o adjetivo “essencial” sobrepõe-se ao adjetivo “contínua”, seja pelo fato de que o legislador constitucional consignou como norma constitucional o caráter da essencialidade, seja pela circunstância de que os significados de essencial são mais amplos, abrangendo com maior clareza o interesse público, a garantia à saúde pública.

 Segundo Alvaro Luis de Araujo Ciarlini:

[...] na jurisprudência do Supremo Tribunal Federal e do Superior Tribunal de Justiça, o direito à saúde figura como algo dotado de um grau de fundamentalidade que o colocaria acima de qualquer outra regra ou princípio constitucional. Esse direito é percebido como absoluto, podendo ser afirmado em detrimento de quaisquer outros interesses do Estado (CIARLINI, 2008, p. 4).

 


6. CONCLUSÃO

Posto isso, entendo ser possível que a Administração Pública prorrogue o contrato administrativo, cujo objeto consiste no fornecimento contínuo de medicamentos por iguais e sucessivos períodos até o limite de sessenta meses, com fundamento no inciso III do art. 1º (a dignidade da pessoa humana) e nos arts. 6º, 196 e 198 da Constituição Federal de 1988, bem como na Declaração Universal dos Direitos Humanos, de 10 de dezembro de 1948, em seu art. 25-1: “Todo ser humano tem direito a um padrão de vida capaz de assegurar a si e à sua família saúde [...]” (ONU, 1948).

É imperioso dizer que o fornecimento de medicamentos tem respaldo constitucional, devendo ser disponibilizado aos usuários dessas substâncias até mesmo em detrimento de outras ações quaisquer. Portanto, o gestor deve fazer remanejamento de recursos e buscar mecanismos para atingir esse objetivo.

Assim, fica claro que o fornecimento de medicamentos tem natureza contínua e, sobretudo, essencial, pois a falta ou até mesmo atrasos na disponibilidade deles causam prejuízos à saúde dos usuários e, conforme o caso, podem levá-los à morte.

Diante da observância da continuidade de serviços públicos no caso de fornecimento de medicamentos, que possui caráter de essencialidade e, por conseguinte, continuidade, e na busca de atendimento dos princípios da dignidade da pessoa humana, da economicidade na gestão dos recursos públicos, aplica-se a interpretação extensiva do art. 57 da Lei nº 8.666/93. 

Enfatizo que essa condição, inclusive na eficácia dos direitos fundamentais, e requer anualmente do gestor público adequação do planejamento orçamentário referente à aplicação em ações e serviços públicos de saúde

Todavia, a meu juízo, o gestor público deve demonstrar na execução contratual que a empresa contratada atende aos objetivos da administração pública, procedendo da seguinte forma nos autos da comprovação técnica: a) comprovar a economicidade por meio de realização de ampla pesquisa de preços no mercado; b) consignar no edital de licitação a possibilidade de prorrogação por iguais e sucessivos períodos, até o limite de sessenta meses; c) consignar que o quantitativo é estimado e, por isso, não gera a obrigação de pedir sua totalidade; d) apresentar cronograma de desembolso, além de demonstrar o critério de continuidade. Desse modo, o gestor estará adequando o planejamento do fornecimento de medicamentos, e, desse modo, não mais comprará sob demanda, mas, sim, com critérios objetivos, com base nos gastos dos últimos meses e ano; e) deve efetuar a compra mediante estas modalidades: pregão, tomada de preços e concorrência.

Por fim, se a administração pública licitar por meio da modalidade Sistema de Registro de Preços, não poderá prorrogar o contrato administrativo, visto que essa modalidade tem validade por um ano nos termos do inciso III do parágrafo 3º do art. 15 da Lei nº 8.666/93. Nesse sentido, o Tribunal de Contas do Estado de São Paulo firmou o entendimento de que não se pode prorrogar Ata de Registro de Preços, pois as características essenciais desta são a eventualidade do fornecimento e a imprevisibilidade da demanda, o que é incompatível com os contratos nos quais o objeto seja quantificado, e a entrega, feita em período certo ou previsível. 

 


Referências

ALEXY, Robert. Teoria dos direitos fundamentais. Trad. de Virgílio Afonso da Silva. São Paulo: Malheiros, 2008.

ALMEIDA, Gregório Assagra de. Manual das Ações Constitucionais. São Paulo: Del Rey, 2007.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil, de 5 de outubro de 1988. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao.htm>. Acesso em: 15 ago. 2018.

BRASIL. Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993. Regulamenta o art. 37, inciso XXI, da Constituição Federal, institui normas para licitações e contratos da Administração Pública e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L8666cons.htm>. Acesso em: 10 ago. 2018.

BRASIL. Tribunal de Contas do Distrito Federal. Decisão Normativa nº 3, de 10 de novembro de 1999. Disponível em: <http://www.tc.df.gov.br/SINJ/Norma/69734/Decis_o_Normativa_3_10_11_1999.htm>. Acesso em: 26 jul. 2018.

BRASIL. Tribunal de Contas da União. Acórdão nº 766 – Relatório de auditoria. Interessado: Tribunal de Contas da União. Relator: José Jorge. Brasília, DF, 14 de abril de 2010. Disponível em: <https://contas.tcu.gov.br/pesquisaJurisprudencia/#/detalhamento/11/%252a/NUMACORDAO%253A766%2520ANOACORDAO%253A2010/DTRELEVANCIA%2520desc%252C%2520NUMACORDAOINT%2520desc/false/1/false>. Acesso em: 26 julho de 2018.

CANOTILHO, José Joaquim Gomes. Direito Constitucional e Teoria da Constituição.  7. ed. São Paulo: Almedina, 2003.

CIARLINI, Alvaro Luis de Araujo. O direito à saúde entre os paradigmas substanciais e procedimentais da Constituição: para uma compreensão agonística dos direitos fundamentais sociais, na busca do equilíbrio entre autonomia e bem-estar. 2008. Tese (Doutorado em Direito)–Universidade de Brasília, Brasília, 2008.  Disponível em: <http://repositorio.unb.br/bitstream/10482/1069/3/2008_AlvaroLuisAraujoCiarlini.pdf>. Acesso em: 10 ago. 2018.

DWORKIN, Ronald. Levando os direitos a sério. Trad. de Nelson Boeira. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

HELY, Lopes Meirelles. Direito administrativo brasileiro. 13. ed. São Paulo: Saraiva, 1988.

JUSTEN FILHO, Marçal. Comentário à lei de licitações e contratos administrativos. 15. ed. São Paulo: Dialética, 2012.

ONU – Organização das Nações Unidas. Declaração Universal dos Direitos Humanos. 10 dez. 1948. Disponível em: <http://www.onu.org.br/img/2014/09/DUDH.pdf>. Acesso em: 30 jul. 2018.

RIGOLIN, Ivan Barbosa. Publicidade institucional e serviço contínuo. Boletim de Licitações e Contratos Administrativos, v. 12, n. 12, p. 593–595, dez.1999.

ROSA, Márcio Fernando Elias. Direito Administrativo. 3. ed. São Paulo: Saraiva, 2002.

SARLET, Ingo Wolfgang. Dignidade da pessoa humana e direitos fundamentais na Constituição de 1988. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2001.

SÃO PAULO. Tribunal de Contas do Estado de São Paulo. Processo TC-000178/026/06. Interessado: Luiz Elias Tambara. Relator: Sidney Estanislau Beraldo. São Paulo, SP, 9 de janeiro de 2006. Disponível em: <https://www.tce.sp.gov.br/processos>. Acesso em: 25 julho de 2018.

 

 

Assuntos relacionados
Sobre o autor
David Luiz Pereira Berlandi

Advogado, -Pós Graduado em Direito Penal Econômico e Corporativo (IDP); -Pós Graduado em Direito Constitucional (ESDC); -Ex Secretário de Administração; -Ex Superintendente de Autarquia Saneamento; -Presta Assessoria em Licitações e Contratos Administrativos; -Atua na defesa de Ações decorrentes de Crimes praticados em Licitações e nas Ações de Improbidade Administrativa.

Como citar este texto (NBR 6023:2018 ABNT)

BERLANDI, David Luiz Pereira . Contrato administrativo. Fornecimento contínuo de medicamentos. Possibilidade de prorrogação nos termos do inciso II do art. 57 da Lei n. 8.666/93. Revista Jus Navigandi, ISSN 1518-4862, Teresina, ano 23 , n. 5551, 12 set. 2018 . Disponível em: https://jus.com.br/artigos/68908. Acesso em: 1 jul. 2022.

Publique seus artigos Compartilhe conhecimento e ganhe reconhecimento. É fácil e rápido!