Sei que você não parou para pensar, mas corrupção pode ser vista como crime impossível.

O Brasil estava na desonrosa 140ª posição do ranking mundial de liberdade econômica da Heritage Foudation, mas, como desgraça pouca é bobagem, caímos para 157ª, em 2018. Enquanto isso o MPF gasta dinheiro publico com a campanha pouco eficiente das 10 medidas – que agora já estão em mais de 50 medidas. O Brasil ainda tá na mais profunda merda, mas o Deltan Dallagnol está dando palestra por até 35 mil reais, segundo a Folha de São Paulo[1].

Os jovens do MPF querem tratar peculato com mais severidade que homicídio, a mesma lógica do código penal soviético. Para o ESTADO TOTALITÁRIO SOVIÉTICO, peculato era algo seríssimo, pois eles, o ESTADO TOTALITÁRIO, eram a vítima, mas homicídio era bobagem: a vida foi banalizada: mataram 20 milhões. 3 Milhões só na UCRÂNIA, em 1932-1933, no Holodomor. Sem perceber, os jovens do MPF replicam essa ideologia de combate ferrenho à corrupção como panaceia.

Trago más notícias: combater corrupção em um país que é o 157º no ranking da liberdade econômica é como enxugar gelo. Doutor Eugênio Aragão tinha razão quando disse que os jovens da LAVA JATO não sabem nada de economia e que corrupção é uma graxa na economia. Ele só esqueceu de falar uma coisa: isto só é verdade em países socialistas, como o Brasil, sem liberdade econômica alguma, em que impera uma simbiose parasitária entre empresas, Estado e licitações. “Licitações”, que nome curioso, significa “tornar lícito” a roubalheira? Às vezes me pergunto!

Trago boas notícias: a solução para a corrupção é a liberdade econômica.

Vejamos os 10 primeiros países do Corruption Perceptions Index 2017[2]: 1) Nova Zelândia; 2) Dinamarca; 3) Finlandia; 4) Noruega; 5) Suíça; 6) Singapura; 7) Suécia; 8) Canadá; 9) Luxemburgo e 10) Holanda. Quatro deles estão no top 10 da liberdade econômica[3], outros 4 estão no TOP 20 e os outros dois estão na posição 23 e 26. O Chile é o primeiro colocado da América Latina no Corruption Perpections Index

De brinde, além de combater a corrupção, a liberdade econômica sobe o IDH, dos 10 primeiros da corruption perception index, 5 ou 6 estão no TOP 10 do IDH[4].

Conclusão combater a corrupção num país fechado é enxugar gelo, corrupção em um país aberto é crime impossível por impropriedade absoluta do objeto: como você vai fazer um peculato se o bem não é público? É impossível. Lembre-se: peculato e corrupção são Crimes contra a Administração PÚBLICA. Cometê-los em um país livre é impossível como assassinar um defunto. Não creio em outra forma de acabar com a corrupção, enquanto houver ser humano, haverá crimes, todos os crimes, enquanto houver um grande Estado, haverá muita corrupção.


REFERÊNCIAS

[1] https://www1.folha.uol.com.br/colunas/monicabergamo/2018/08/palestra-de-deltan-dallagnol-pode-chegar-a-r-35-mil.shtml

[2] https://www.transparency.org/news/feature/corruption_perceptions_index_2017#table

[3] https://www.heritage.org/index/ranking

[4] http://www.br.undp.org/content/brazil/pt/home/idh0/rankings/idh-global.html


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

2

Livraria