É possível realizar divórcio no Brasil e partilhar valores depositados em conta no exterior?

Diversas dúvidas surgem quando o assunto é a divisão de valores depositados fora do Brasil, seja por inventário, herança ou divórcio.

O entendimento da Quarta Turma do STJ ao julgar recurso especial interposto por ex-esposa requerendo a divisão de bens situados no exterior, adquiridos na constância de sociedade conjugal dissolvida, fixou a competência a justiça brasileira para processar e julgar esses litígios.

Isso que dizer que Justiça Brasileira poderá julgar ações que debatam sobre a partilha de dinheiro depositado em conta de instituição financeira situada em outro país, em caso de ação de divórcio.

No caso concreto, a ação de divórcio foi ajuizada no Brasil (RJ), pelo ex-cônjuge americano, e que, na época do divórcio, tinham em torno de US$ 208 mil depositados em conta nos Estados Unidos.

Porém, o Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro entendeu que a justiça brasileira não poderia executar sentenças que envolvessem bens situados fora do território brasileiro, apesar de reconhecer o direito à divisão do patrimônio.

Já em recurso ao STJ, a ex-esposa alegou que não se trata de um bem situado no exterior, pois dinheiro é bem fungível e consumível, não importando onde esteja depositado.

Defendeu também que a justiça brasileira não tem exclusividade para inventário e partilha de bens situados no Brasil em decorrência de divórcio.

A ministra Isabel Gallotti reconheceu o direito de crédito à ex-esposa, mesmo que a execução e levantamento de valores dependa de posterior solicitação e que ocorra sob os parâmetros do direito internacional e seus tratados.

No Acórdão, frisou que: “em tese, é possível que o Poder Judiciário brasileiro reconheça direito decorrente de dissolução de sociedade conjugal relativo a bem do casal localizado no exterior, mesmo que sua eficácia executiva esteja limitada pela soberania”.

A relatora concordou com a afirmação de que não tem relevância o local onde o dinheiro está depositado, ou até se já foi gasto, porque o que se garante é o direito de crédito, a ser executado posteriormente, de acordo com as regras do país de execução da sentença.

Com base nesse precedente, é perfeitamente possível realizar o divórcio no Brasil e partilhar (dividir) valores depositados em bancos no Exterior. 

O recebimento dos valores dependerá de qual país é responsável pela movimentação, para alinhar qual Tratado, Convenção ou Normativa Internacional regirá o procedimento. 


Autor

  • Sofia Jacob

    Formada pela Faculdade de Direito de Curitiba em 2006, pós graduação em Direito Internacional e MBA Internacional em Gestão Ambiental pela UFPR. Formação em Life Coach. Idiomas inglês e francês.

    Leitora compulsiva, sempre busco atualizações jurídicas que se encaixam ao cotidiano.

    Isso é advogar, estar diariamente antenada com as novas jurisprudências, novos entendimentos e novas leis. Mas advogar não é apenas estudar as leis e a jurisprudência, para isso bastaria um tablet e o Google.

    Advogar é transmitir de maneira convincente a verdade sobre fatos concretos, buscando dar equilíbrio às relações jurídicas e processuais.

    Acredito que uma das maiores artes do advogado seja a transposição dos obstáculos relativos às diversas relações jurídicas, bem como na tramitação processual dos casos que lhes foram confiados pelo cliente, a quem devem transmitir confiança apresentando com profunda honestidade todos os ângulos e situações do seu processo, merecendo muita dedicação.

    É inerente a profissão buscar a superação de limites. Advogar é essencialmente nunca esmorecer e obter a satisfação dos legítimos direitos daqueles que lhes confiaram o trabalho e a arte da defesa jurídica.

    Textos publicados pela autora

    Fale com a autora

    Site(s):

Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0