E, finalmente, depois de 580 dias, refez-se uma parte da verdade constitucional.

Depois de 580 dias, refez-se uma parte da verdade histórica. A soltura do ex-presidente Lula, do cárcere fascista de Curitiba-PR, aparou um pouco da vergonha nacional, especialmente depois que a Idiocracia se apossou do poder. Chamaremos de Obviedade Constitucional a “leitura”, “interpretação” lógica e textual da Carta Política, no seu art. 5º, LVII: “ninguém será considerado culpado até o trânsito em julgado de sentença penal condenatória”. Pois bem, para os incautos, leia-se “trânsito em julgado” quando NÃO mais se abater recurso sobre o processo. Leitura diversa, como a que manteve o aprisionamento de Lula, é tão-somente resultado do livre trânsito pela ignomínia inconstitucional.

Ou seja, somente na Idiocracia, alimentada pelo analfabetismo disfuncional e fascista, de quem mal lê, mas se arvora de legitimado para a hermenêutica constitucional, é que a proibição da prisão antes do trânsito em julgado vira um “sim” fajuto. E foi assim que se tergiversou a constitucionalidade da democracia, do Estado de Direito e da verdade constitucional e política da Polis. E só agora reposta parcialmente quase dois anos depois. Pior ainda se considerarmos o inciso LVI, do mesmo artigo 5º da CF88: “são inadmissíveis, no processo, as provas obtidas por meios ilícitos”. Neste caso, o processo contra o ex-presidente Lula deve ser abatido por nulidades e, com crédito republicano obtido junto ao Princípio da Honestidade, que se dê partida a outro procedimento judicial, no entanto, que venha sob a guarda da Justiça Constitucional, essa mesma que se guia pela Obviedade Constitucional – em que o “NÃO é não” e o sim, se houver e se couber ao caso subsumido, que não seja aplicado em tortuosidade inconstitucional.

De certo modo, essa mesma tortuosidade inconstitucional permitiu o surgimento de uma Idiotia Política defensora de uma “intervenção militar”, como se o art. 142 da CF88 pudesse abrigar uma aberração dessas, especialmente quando a Idiotia Política NÃO LÊ que o poder é submetido “sob a autoridade suprema do Presidente da República”; e, sem querer SABER que as mesmas forças armadas obedecem, ainda que sob a forma mais gravosa do Estado de Exceção (Estado de Sítio), ao que dispôs a Constituição no artigo 137, no Parágrafo único: “O Presidente da República, ao solicitar autorização para decretar o estado de sítio ou sua prorrogação, relatará os motivos determinantes do pedido, devendo o Congresso Nacional decidir por maioria absoluta”.

E, mais ainda, na guarda constitucional do art. 138 da CF88: “§ 1º - O estado de sítio, no caso do art. 137, I, não poderá ser decretado por mais de trinta dias, nem prorrogado, de cada vez, por prazo superior; no do inciso II, poderá ser decretado por todo o tempo que perdurar a guerra ou a agressão armada estrangeira...§ 3º - O Congresso Nacional permanecerá em funcionamento até o término das medidas coercitivas”. Também o art. 140, da CF88, prevê o controle do poder civil: “A Mesa do Congresso Nacional, ouvidos os líderes partidários, designará Comissão composta de cinco de seus membros para acompanhar e fiscalizar a execução das medidas referentes ao estado de defesa e ao estado de sítio”. Ou se consegue ler a disposição com a mínima cognição textual ou se trata, efetivamente, de uma abdução inconstitucional.

Pois bem, ao seguirmos a Obviedade Constitucional, livre do oportunismo jurídico provido pela Idiocracia, lê-se com facilidade que NÃO há suposta “intervenção militar” (só Intervenção Federal, art. 21, V, da CF88) e que, ainda que se decrete o Estado de Sítio, os direitos fundamentais não são abolidos. Mais ainda, os abusos e crimes serão responsabilizados, afinal, não se trata de uma “licença para matar” e barbarizar: “Art. 141. Cessado o estado de defesa ou o estado de sítio, cessarão também seus efeitos, sem prejuízo da responsabilidade pelos ilícitos cometidos por seus executores ou agentes”. A Obviedade Constitucional ainda precisa caminhar uma longa jornada de reconhecimento público, no entanto, a Fake News inconstitucional já começou a cair por terra.

Como ensina Häberle (2008b), NÃO existe Mentira Inconstitucional, posto que é preciso ler a Constituição e o Direito como fomento cultural. Assim, pode-se ter o pluralismo como uma ideia luminar e a cultura como um conceito aberto. Também seria terreno fértil à elaboração teórica e prática do que se convencionou chamar de Estado Social na Sociedade Aberta. Este conjunto de defesas constitucionais alicerçado pela ordem da cultura ainda serviria ao combate das formas fascistas e totalitárias de Estado que se tem anunciado. FRISE-SE que, para o seminal jurista alemão, o culturalismo está irrevogavelmente contra qualquer tergiversação constitucional fascista.

Enfim, não cabe Liberdade Constitucional, aprisionada pela Idiocracia, em combate à Verdade Constitucional: respeito integral aos Direitos Humanos, à Democracia Inclusiva, ao Estado de Direito Democrático, à cidadania ativa que se revigora sob o condão da isonomia e da equidade. No mais, leituras oportunistas da Constituição, como verdadeira Transmutação Constitucional, configuram Mentiras Constitucionais jogadas para saciar as hienas e os cães de guerra desumanizados.


Bibliografia

_____ Os problemas da verdade no Estado Constitucional. Porto Alegre : Sergio Antonio Fabris, 2008.


Autores


Informações sobre o texto

Como citar este texto (NBR 6023:2018 ABNT)

CARDOSO, Waldileia; SANTOS, Sueli Cristina Franco dos et al. Lula livre: sem recurso para a idiocracia. Revista Jus Navigandi, ISSN 1518-4862, Teresina, ano 24, n. 5977, 12 nov. 2019. Disponível em: https://jus.com.br/artigos/77734. Acesso em: 3 ago. 2020.

Comentários

2

Regras de uso
  • 0

    Silva Wellington Mendes Mendes

    Muitas pessoas, assinam o artigo como participes, no entanto o que ser ver é totalmente partidária, e devotos de um ex- presidente, a decisão do STF de 2016 não foi colocado em evidencia, apenas o que se pensa do ponto de vista, partidária e ideológica, muito ruim este artigo... como já observado, a citações, confusas... minha opinião...

  • 0

    Manoel Melo

    Seria interessante, primeiramente corrigir sua parte bibliográfica, afinal foi informado apenas uma das diversas citações, não constando sequer os textos legais como a Constituição Federal, contrariando a NBR
    Em segundo lugar eu recomendaria a alteração de vários termos. Entendo que é uma expressão de seu pensamento politico-partidário, entretanto, por este fórum se tratar de artigos juridicos, seria interessante evitar termos ou posturas agressivas.
    Com relação ao texto do artigo, obviamente existe uma diferença entre culpabilidade e possibilidade de prisão (exemplo prisão temporária), entretanto, segundo a postura garantista, de fato, não deveria ter prisão excetuado a ultima instância. Entretanto em momento algum do seu artigo tratou-se do entendimento do STF de 2016, que acho interessante ser colocado, afinal existem algumas lacunas de argumentação. Recomendaria uma edição adicionando mais a este artigo, tendo em vista a quantidade de pessoas atribuídas ao presente artigo