Está em vigor, desde o dia 29 de março de 2005, a Lei nº 11.106/05, que alterou diversos dispositivos do Código Penal Brasileiro. Dentre as alterações, importa discutir aquela que não mais considera o "adultério" como fato criminoso.

Entenda-se que não se trata de render uma homenagem ao adultério, mas de reconhecer que a família e o matrimônio são hoje perfeitamente protegidos pelo ordenamento jurídico de outra forma, em outra seara.

Inicialmente, faz-se uma singela reflexão acerca do que seja crime. "Crime é um fato definido em lei como tal". Para que uma conduta seja tida como criminosa o legislador haverá de se perguntar qual seria seu reflexo em dado momento histórico de determinada sociedade. Tal fato ainda é considerado uma ofensa grave à sociedade? Essa ofensa atinge a interesses relevantes? A resposta a esses questionamentos é que haverá de nortear o legislador.

Dessa forma, o direito penal apenas se preocupa com aqueles fatos que ofendam mais gravemente a sociedade. Conveniente que apenas fatos graves sejam considerados crimes e, como tal, sejam reprimidos com sanções severas, a exemplo da pena de prisão. Não que o adultério não seja um fato ofensivo. Ocorre que essa ofensa permeia a esfera da MORAL, saindo da objetividade do direito penal.

Mas o que é "adultério"? o Dicionário Aurélio o define com "infidelidade conjugal; amantismo, prevaricação". Para os estudiosos do Direito Penal o extinto crime de adultério se consumaria com a prática do inequívoco ato sexual. E traição, o que é? Esse é ato muito mais amplo que o adultério.Traição é deslealdade, infidelidade no amor.

Apesar de não mais ser tido como crime o fato "adultério", o cônjuge traído pode ainda se ver, de certa forma, compensado pelo dano moral sofrido. Não mais com a prisão do cônjuge ofensor, mas com a diminuição no seu patrimônio (o que pode configurar uma sanção ainda mais eficaz). Ora, o "crime de adultério" tinha uma pena simbólica prevista para o culpado que variava de 15 (quinze) dias a 6 (seis) meses de detenção. Essa pena não surtia efeito algum e nunca se via alguém efetivamente condenado. Agora, se o cônjuge infiel se ver compelido a pagar indenização ao traído, isso com certeza será mais eficaz.

A possibilidade de haver indenização deriva de mandamento constitucional que diz ser inviolável a honra das pessoas, sendo assegurado o direito à indenização pelo dano moral decorrente de sua violação (art. 5º, X, CF). Assim, considerando que a traição gera dor e sofrimento, sentimentos que abalam a pessoa traída, é perfeitamente cabível que o judiciário seja acionado, assegurado-lhe o direito à indenização.

A traição configura violação dos deveres do casamento (dever de fidelidade recíproca, dever de respeito e consideração mútuos etc – art. 1.566, CC) e, como tal, dá fundamento ao pedido de separação judicial por culpa, desde que a violação desses deveres torne a vida conjugal insuportável (art. 1.572, CC). Entretanto, para essa breve exposição, importa apenas observar que o cônjuge traído tem pleno direito ao ressarcimento por dano moral. Esse pedido é juridicamente possível: responde pela indenização o cônjuge responsável exclusivo pela separação, porque viola a honra do cônjuge inocente quando o trai.

Para se ver indenizado, o cônjuge inocente deverá ingressar com ação de separação judicial litigiosa e, de conformidade com essa, pedir a indenização (pedido cumulado com o de separação ou pedido posterior de indenização). Não se vislumbra um pedido de indenização sem a separação! Ora, se o cônjuge ofendido deseja manter o casamento com o ofensor, isso, por imperativo lógico, não revelaria um dano moral suscetível de reparação. Nessa hipótese teria havido perdão e, perdoado o ofensor, não se mostraria adequado o pedido de indenização.

Feito o pedido, o juiz fixará o valor da indenização, levando em conta extensão do dano, considerado diante do caso concreto. Veja que a indenização por dano moral tem, além de uma função reparatória, um caráter pedagógico (de maneira a impedir a prática reiterada do ato socialmente reprovável), e, tal como entende o Superior Tribunal de Justiça, o valor da indenização por dano moral não pode contrariar o bom senso, mostrando-se exagerado ou irrisório, distanciando das finalidades da lei.

Não se trata de reparar a dor, a mágoa, o sofrimento, posto que esses não têm valor patrimonial. O que se objetiva com a reparação patrimonial é apenas o abrandamento da dor, já que o produto da indenização poderia propiciar alguma distração ou bem-estar, mesmo que passageiro, ao ofendido (função reparadora da indenização). Ademais, como já explanado, compelir o culpado a reparar dano moral causado representa para a sociedade uma demonstração de que o Estado não tolerará ofensa à honra de outrem (função pedagógica da indenização).

Finalmente, não se quer aqui dar à indenização caráter de instrumento de vingança chancelado pelo poder judiciário. O que se buscou esclarecer é que a mesma é um direito constitucionalmente assegurado àquele que sofreu dano moral.



Informações sobre o texto

Como citar este texto (NBR 6023:2002 ABNT)

SANTOS, Simone Moraes dos. Adultério, traição e dano moral. Revista Jus Navigandi, Teresina, ano 11, n. 936, 25 jan. 2006. Disponível em: <https://jus.com.br/artigos/7871>. Acesso em: 23 ago. 2016.


Comentários

11

  • 0

    Tonho

    Acho que todos nos devíamos era encontrar uma outra forma de ganhar dinheiro, pois é simplesmente para isto que o "ato de processar serve", de que adianta processar, ganhar indenizações, sendo que se realmente a pessoa que a gente ama ou amava não nos quer e ainda está pagando dinheiro para não ter que ficar com a gente. Na realidade que ganha com isto são somete os advogados e mais ninguém.
    Acho que nós seres humanos somos muito mais do que simplesmente isso, se a pessoa não nos quer fazer o que? de que adianta tudo isto!!!!!!!!!!!!!!!!!!

  • 0

    Aparecida

    Boa tarde descobri que meu esposo me trai.
    Sou pessoa com deficiencia e ele sempre vem me colocando em ridiculo.
    A amante dele chegou a passar mensagens pra mim dizendo sobre o caso e tenho tudo registrado. Estou muito abalada com a situaçao. Moramos no lote da minha sogra e ele disse que é melhor eu ir embora. Acontece que ele me sugou de tudo quanto foi forma e hj estou sem condições de honrar o um aluguel. E ele disse que não vai me ajudar. Tenho grandes dificuldades em locomoção.. Tenho paralisia infantil nas duas pernas e braços.. Gostaria de saber se posso processa lo.. Pois sou uma mulher honesta.. Batalhadora.. Cuido dele e de casa com todas minhas limitações mas eu honro o que e da minha responsabilidade. Estamos juntos a 4 anos sem filhos... Paço maiores esclarecimentos por favor.

    Att


    Aparecida

  • 0

    NaySuel Xd

    Gostaria de saber se no noivado isso tb conta caso eu seja traída. Posso processar por danos morais?

  • 0

    Adriano Pereira

    bem,sou casado tem 20 anos e descobri que minha esposa ja esta com outra pessoa antes de legalmente nos separar-mos,temos 4 filhos todos registrados por mim e continuamos morando na mesma casa sendo que a casa foi deixada por meus pais como herança,como devo proceder

  • 0

    alfredo sales menezes

    Gostaraia de saber meus direitos.peguei esposa na minha casa com outro homem.meus filhos estavam dormindo .apos gravei em video ela arrependendo.que direito tenho na prova do video

Veja todos os comentários

Livraria