A crise de saúde e sanitária, faz nascer projetos de lei que visam a criação de novos tributos, com o escopo de combater a pandemia. Todavia, é inoportuna a criação, pois não é fragilizando a sociedade que iremos vencer a pandemia.

Diante da pandemia do Covid-19, vislumbra-se certa discussão rondando o Legislativo brasileiro concernente àcriação de novos tributos, e, dentre eles, cito os impostos sobre grandes fortunas e empréstimos compulsórios.

A atual crise diz respeito a questões sanitárias que atingiram não somente o Brasil, mas todo o planeta, de forma a fazer com que as bolsas de valores despencassem e a economia parasse, e, em alguns casos, até retrocedesse. Nos grandes centros econômicos do mundo, a taxa de desemprego continua a crescer.

A situação se agrava pelo fato de, até o presente momento, inexistir vacina ou tratamento cuja eficácia tenha sido totalmente comprovada cientificamente; antes,percebe-se a morte de milhares de pessoas. Este é o cenário atual.

Em razão dessa pandemia, algumas Portarias e Medidas Provisórias foram editadas, com o intuito de salvaguardar empresas, bem como o mercado informal. Isso porque as autoridades estaduais e nacionais decidiram fechar o comércio - exceto os serviços essenciais - sob pena de ser multado quem o abrir. E, diante desse panorama tenebroso, os “salvadores da pátria” temdiscutido sobre a possibilidade de criar novos tributos, inadvertidos quanto ao fato de que, neste momento, não deve ser criado nenhum tributo.

Deve-se lembrar que no Brasil a carga tributária éaltíssima e o sistema complexo. Temos a mais alta tributação de consumo do mundo, sendo esta concentrada nos mais pobre. Com isso, impera-se a desigualdade social, sobre  qual tanto se discute, mas que, na prática,pouco passa de bravata retórica.

Assim, como forma de mitigar os impactos da economia, a Senadora Eliziane Gama (Cidadania-MA), trouxe à discussão o imposto sobre as grandes fortunas, conforme o Projeto de Lei Complementar (PLP) 50/2020, apresentado no Senado em 26 de março de 2020, o qualpropõe que legatários e herdeiros, com riqueza acima de 12 mil vezes o alcance de isenção do Imposto de Renda, paguem alíquotas entre 0,5% e 1% sobre a soma de seus bens.  

Já o Deputado Federal Wellington Roberto (PL-PB) sugere o PLP 34/2020, o qual prevê o empréstimo compulsório, com o fito de atender os impactos ocasionados pela COVID-19. O Projeto dispõe que o empréstimo será feito pelas empresas que registrarem, no seu último balanço, um patrimônio líquido igual ou superior a R$ 1 bilhão de reais. 

É certo que teremos uma enorme dívida financeira, que muitas empresas irão à falência ou ingressarão na recuperação judicial; quanto a isso não há qualquer sombra de dúvida. Todavia o momento não é oportuno para a criação de novos impostos, mas sim de salvar vidas e empresas. O aumento da carga tributária não é a saída, pois, com o faturamento em queda, também há demissões em massa; logo, tais medidas apenas nos levariam a um precipício ainda maior.

Assim, repito, a criação de novos tributos não é o caminho para o enfrentamento da crise. É um tremendo erro, pois ceifará a vida humana e empresária.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0