A compreensão dos sistemas eleitorais é imprescindível para entendermos como funciona a escolha feita pelos eleitores dos seus futuros representantes.

A compreensão dos sistemas eleitorais é imprescindível para entendermos, de forma clara e objetiva, como funciona a escolha feita pelos eleitores dos seus futuros representantes.

Vamos deixar registrado que tivemos algumas discussões recentes na última reforma eleitoral, a fim de que se alterasse o sistema de escolha dos candidatos aos cargos proporcionais (Vereadores), no entanto, sem êxito, permanecendo assim, intacto, após a promulgação das Leis nº 13.165/2015, 13.487/2017, 13.488/2017 e 13.877/2019, o sistema hoje vigente.

Enquanto as mudanças legislativas não se concretizam, basta sabermos que os sistemas eleitorais determinam a forma como se escolhem os candidatos. Ou seja, trata-se do itinerário percorrido para que sejam escolhidos os representantes do povo para aquela legislatura.

Portanto, de forma muito sucinta, podemos dizer que o sistema eleitoral é um conjunto de critérios utilizados para definir os vencedores em um processo eleitoral.

São dois os sistemas eleitorais vigentes hoje: majoritário e proporcional.


Sistema majoritário

Trata-se de sistema que leva em consideração os votos destinados a determinado candidato, sendo considerado vencedor da disputa eleitoral o que conseguir mais votos. Nas eleições deste ano, é o sistema adotado para escolha dos Prefeitos.

Pode ser dividido em sistema eleitoral majoritário simples, que é adotado nas eleições para Prefeito em Município com menos de 200 mil eleitores (CRFB, art. 29, II) e sistema majoritário absoluto ou de dois turnos aplicável às eleições de Prefeito em Município com mais de 200 mil eleitores, o que é caso por exemplo de cidades como: São Paulo, Guarulhos, Campinas etc.

Os votos brancos e nulos já tiveram peso em eleições passadas. Hoje não têm qualquer valia, sendo desconsiderados para qualquer caso. O artigo 224 do Código Eleitoral (Lei nº 4.737/65) somente será aplicado quando a votação for anulada após o pleito. Assim, as manifestações de protesto dos eleitores não têm o condão de anular as eleições, sendo “fake news” aquelas mensagens que circulam nos aplicativos de mensagens nos dias que antecedem o pleito eleitoral.


Sistema proporcional

Este sistema é aplicado nas eleições para Vereador e está prevista nos artigos 106 a 113 do Código Eleitoral (Lei nº 4.737/65). O espírito do sistema proporcional é permitir uma multiplicidade de ideias, com o máximo de representantes de todos os segmentos possíveis, inclusive os minoritários.

A origem desse sistema é europeia e foi implantada pelo Código Eleitoral de 1932 (Decreto nº 21.076/32), mantendo-se desde então.

O artigo 106 do Código Eleitoral (Lei nº 4.737/65) prescreve que “determina-se o quociente eleitoral dividindo-se o número de votos válidos apurados pelo de lugares a preencher em cada circunscrição eleitoral, desprezada a fração se igual ou inferior a meio, equivalente a um, se superior. Ex: no Município X apura-se o número de votos válidos e divide pela quantidade existente de cadeiras. Caso o Município X tenha apurado 500.000 (quinhentos mil) votos válidos e 20 cadeiras a preencher na Câmara Municipal, o cálculo ficaria da seguinte forma: 500.000 / 20 = 25.000

No exemplo acima, cada partido que alcançar 25.000 votos terá direito a uma cadeira. Vale frisar que os candidatos mais votados, para que possam assumir, devem cumprir ainda a condição de atingir ao menos 10% (dez por cento) do quociente eleitoral, que no presente exemplo seria 2.500 votos.

Na definição dos suplentes da representação partidária, não há exigência de votação nominal mínima acima mencionada.

A grande alteração que será aplicada pela primeira vez nesta eleição é a possibilidade de os partidos que não atingirem o quociente eleitoral participarem da distribuição das cadeiras, já que até as eleições de 2016 não havia essa possibilidade.

Portanto podemos resumir que:

a) O sistema majoritário se aplica à disputa ao cargo de Prefeito;

b) O sistema proporcional se aplica à disputa ao cargo de Vereador;

c) Os candidatos ao cargo de Vereador devem ainda atingir pelo menos 10% do quociente eleitoral, a fim de que possam ser eleitos;

d) Ao contrário do que ocorreu nas Eleições de 2016, os partidos que não atingirem o quociente eleitoral participarão da distribuição de cadeiras.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Direitos e Responsabilidades do Jus.

Regras de uso