Quem disse que advogados não podem divulgar seus serviços jurídicos? Segundo o próprio Código de Ética da OAB, é permitido, inclusive em meios digitais, anunciar serviços profissionais, desde que de forma discreta.

Imagem: unsplash.com

O anúncio dos serviços deve ser feito com cautela, evitando a mercantilização da profissão

Quem disse que advogados não podem divulgar seus serviços jurídicos? Segundo o próprio Código de Ética da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), é permitido, inclusive em meios digitais, anunciar serviços profissionais, desde que de forma discreta e informativa. Sendo assim, nada mais válido do que considerar o uso das mídias sociais para advogados. 

A divulgação dos serviços, entretanto, deve ser vista com cautela, uma vez que existem limites jurídicos e éticos. A publicidade feita pelo advogado não deve pautar-se na captação de clientes de forma direta, mas no caráter informativo. A ideia é que o profissional não fomente o litígio, ou seja, o conflito de interesses. 

Tanto que essa divulgação não pode ser executada em conjunto com outras atividades. O cuidado com a mercantilização se deve à própria natureza do serviço, incompatível com o comércio por consistir em lutar pela justiça. 

Dicas práticas para atrair clientes em mídias sociais para advogados 

1 - Direcione sua marca para a rede social certa 

O uso das redes sociais deve ser segmentado, ou seja, utilizar cada uma para fins específicos. Anúncios de emprego ou publicações especializadas são preferencialmente divulgados no Linkedin. 

Treinamentos e falas do profissional acerca de determinado tema podem ser expostos no Instagram, Facebook ou YouTube. Aí, vale a dica de fazer uma boa edição de vídeo, de forma a garantir qualidade do produto e não perder engajamento. Por outro lado, quando o advogado trabalha sozinho, usar grupos no WhatsApp é bastante eficiente para fidelizar clientela. 

O Youtube é excelente para divulgar vídeos. Com ele é possível fazer marketing de conteúdo de forma ética usando um programa de edição de vídeo online como o InVideo, que oferece muitos recursos com músicas de fundo e imagens gratuitas que pode utilizar para tornar seu vídeo mais interessante. 

Os vídeos servirão como um guia para quem está buscando por soluções e o advogado se torna referência por fornecer orientação em situações problemáticas.

Mas não é só no Youtube que os vídeos fazem sucesso. Em todas as redes sociais é preciso saber para quem o conteúdo será produzido. Será necessário identificar a persona e suas dores para garantir um material adequado. Isso permitirá criar um calendário editorial com os temas a serem abordados, lembrando que os temas não devem ser do interesse do advogado, mas de seu público. 

Prepare o conteúdo com antecedência, com linguagem adequada ao público e informações atualizadas. O planejamento é fundamental e ao ser visto nos vídeos, consegue trabalhar seu marketing e transmitir mais segurança como advogado. 

2 - Saiba usar o Facebook 

O Facebook é uma rede ampla e, por isso, polêmica, o que requer cuidados por parte do advogado na hora de usar. O ideal é fazer da fanpage uma fonte segura de informações, sempre difundidas de forma clara, sucinta e objetiva. Lembre-se de que o cliente vai chegar até você se conceituá-lo como uma autoridade confiável no ramo jurídico. 

É interessante que a página também tenha os dados do escritório, permitindo que o cliente em potencial o encontre. Para facilitar, faça um planejamento das postagens através de um calendário, organizando dias e temas de publicações. A vida ainda fica mais fácil ao gerenciar a página pelo Gerenciador de Negócios.

Já falamos que o Facebook é uma rede polêmica, especialmente na coragem que as pessoas tomam em expor suas ideias, nem sempre justas, pela internet. Por isso, monitore a reputação de seu escritório para evitar exposição e crises. 

3 - Não ignore o Twitter 

O Twitter, ainda que tenha perfil dinâmico e postagens mais sucintas, tem público mais seleto. Para ter sucesso na plataforma, siga e atraia perfis que lhe interessem, acompanhando o engajamento. Interaja com seus seguidores, faça parte de conversas ativas na rede, alimente o perfil com frequência e use hashtags para colocar seus textos entre os temas mais populares, ou seja, trending topics. 

4 - Use o Instagram de forma inteligente 

O primeiro passo é criar um perfil profissional, ou seja, de negócios, além de estabelecer um padrão elevado para suas publicações. Isso inclui vídeos e imagens de qualidade, além de legendas bem escritas. Use e abuse das ferramentas, como vídeos (IGTV e Reels), stories e, mais uma vez, as hashtags. 

5 - Torne o Linkedin um aliado 

O Linkedin é uma rede profissional, portanto, ideal para advogados. Mas, primeiro, sua página deve ser o mais completa possível, uma vez que perfis bem feitos recebem 30% mais visitantes. Vincule colegas da área, promova as publicações de colaboradores e participe de grupos de interesses. 

Cuide do que é publicado em sua página, uma vez que o público jurídico é mais exigente. Reconheça o trabalho e méritos publicados por seus seguidores. Por fim, saiba o que está funcionando ao acompanhar as métricas da rede. 

6 - Por que usar o YouTube?

O uso do YouTube é vantajoso para divulgar conteúdos em vídeo e materiais educativos. Lembre-se: é importante colocar-se como autoridade no assunto. O canal, assim como o Instagram, deve ser profissional, conter conteúdo regular e de qualidade. Divulgue seu canal pedindo para que pessoas se inscrevam nele, construindo uma audiência. 

Quando falamos em qualidade de vídeo, invista na ambientação, linguagem e edição. Prenda a atenção do espectador nos primeiros dez segundos, tempo que ele leva para decidir se vai continuar assistindo ou não. Use ferramentas de otimização, escolhendo títulos relevantes, palavras-chave, imagens de destaque e descrição com termos mais buscados. Afinal, os vídeos também são indexados no Google. 

O que o advogado pode divulgar nas redes sociais?

Em julho de 2021, a OAB divulgou a minuta do provimento que dispõe sobre marketing jurídico. Segundo o texto, é permitida a presença nas redes sociais, desde que seu conteúdo respeite as normas do Código de Ética e Disciplina. Sendo assim, é permitido ao profissional da advocacia divulgar: 

  • Boletins e outros materiais informativos, newsletters e outros materiais;

  • Artigos sobre temas relacionados à atividades ou especialidade do advogado;

  • Ofertas profissionais, ou seja, vagas de emprego, estágio e processos de seleção;

  • Datas comemorativas, especialmente aquelas relacionadas ao ramo jurídico.

Ainda que as ações de marketing jurídico digital não devam, diretamente, gerar clientela, as mídias sociais para advogados criam relacionamentos. A partir daí, podem sim atrair clientes e parceiros. 



Informações sobre o texto

Como citar este texto (NBR 6023:2018 ABNT)

VEMM, Patricia Luyze. Mídias sociais para advogados: dicas práticas para atrair clientes. Revista Jus Navigandi, ISSN 1518-4862, Teresina, ano 26, n. 6633, 29 ago. 2021. Disponível em: https://jus.com.br/artigos/92488. Acesso em: 18 set. 2021.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Tratamento de Dados do Jus.

Regras de uso