O Imposto de Transmissão de Bens Imóveis (ITBI) e o Imposto de Transmissão Causa Mortis e Doação (ITCMD) devem ser calculados com base no valor venal do imóvel. Entretanto, diversos municípios têm usado cálculos de referência para a cobrança do tributo.

O Imposto de Transmissão de Bens Imóveis (ITBI) e o Imposto de Transmissão Causa Mortis e Doação (ITCMD) devem ser calculados com base no valor venal do imóvel que será transmitido ao comprador ou herdeiro. A oficialização do processo, bem como o registro da propriedade só se concretizam após o pagamento do imposto referente a cada caso.

O ITBI é um tributo municipal, gerado a partir da transmissão, entre pessoas vivas, a qualquer título, de propriedade ou domínio útil de bens imóveis. Já o ITCMD é um imposto estadual recolhido nos casos em que o imóvel é adquirido através de herança. 

A quantia a ser paga em ambos os casos é calculada com base no valor venal do bem ou direito. Para os imóveis, o imposto deveria ser no mesmo valor utilizado para a apuração do IPTU. Entretanto, diversos municípios brasileiros têm usado cálculos de referência para a aplicação dos Impostos de Transmissão (ITBI ou ITCMD). 

Segundo o advogado do escritório Schwartz e Kede Sociedade de Advogados, Dr. Gustavo Schwartz, ao adotar valores venais diferentes, as administrações geram insegurança jurídica e ônus desproporcional ao contribuinte. 

O valor venal de referência é obtido mediante pesquisa e coleta amostral dos preços das transações e das ofertas disponíveis no mercado imobiliário. No entanto, as administrações distorcem as disposições trazidas pelo Código Tributário Nacional (CTN) e criam um valor venal próprio, chamado Valor de Referência. Em alguns casos, essa Referência chega a ser 70% superior ao valor estipulado no IPTU. 

Para Dr. Gustavo Schwartz, o critério adotado pelos municípios fere o princípio da legalidade e igualdade, ultrapassando os limites da competência legislativa das administrações. “O uso do valor de referência provoca uma situação inusitada: imóveis em situações idênticas podem apresentar valores absolutamente diferentes”, destaca.

Cobrança indevida dos Impostos gera restituição ao comprador

Ao analisar dois pedidos de reexame referentes aos pagamentos do ITBI e ITCMD, o Tribunal de Justiça de São Paulo declarou inconstitucional o pagamento dos tributos com base no Valor de Referência. 

Na decisão sobre o Imposto de Transmissão de Bens Imóveis, a desembargadora Monica Serrano, explica que a sentença entendeu que a correta base de cálculo do ITBI seria aquela do valor venal do imóvel, “visto que o arbitramento do valor tido pela municipalidade, consistente no valor venal de referência, não encontra respaldo legal, muito menos constitucional”.  

Já com relação do ITCMD, o relator do processo, desembargador Ponte Neto, afirma que o Decreto Estadual que trata do cálculo do Imposto de Causa Mortis e Doação sob o Valor Venal de Referência, “aponta base de cálculo distinta da prevista em Lei, incorrendo em clara ofensa ao princípio da legalidade tributária”.  

Segundo o advogado do escritório Schwartz e Kede, as decisões apontam claramente a inconstitucionalidade do Valor de Referência para os cálculos dos impostos de transmissão de bens e favorecem aqueles que recolheram o ITBI ou ITCMD nos últimos cinco anos. “Desde 2010, as pessoas que pagaram o Imposto de Transmissão de Bens, seja o ITBI ou o ITCMD com base no Valor Venal de Referência têm direito à alguma restituição”.

“Nós temos conhecimento de um caso em que o fisco municipal recolheu mais de R$ 47 mil de ITBI – baseado no Valor de Referência -, sendo que o valor correto, fundamentado na cobrança do IPTU, seria R$ 10 mil”, afirma Dr. Gustavo. 

Para aqueles que estão prestes a recolher o ITBI ou ITCMD com base no Valor de Referência, a orientação do advogado é que ingressem com medida judicial para não arcarem com uma despesa maior do que o valor venal válido para o Imposto.

“As pessoas que já efetuaram o pagamento incorreto devem procurar seus direitos para não serem prejudicadas com o cálculo inconstitucional do tributo”, finaliza.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0