Medida Provisória prorroga prazo para adesão ao Programa de Proteção ao Emprego (PPE). A maior adesão das empresas promete aumentar a economia de recursos, por parte do governo, referentes ao seguro-desemprego, com reflexos positivos na economia.

O governo enviou ao Congresso Nacional medida provisória (MP 761/16) que prorroga para 31 de dezembro de 2017 o prazo de adesão ao Programa de Proteção ao Emprego (PPE), que passa a ser chamado de Programa Seguro-Emprego (PSE). O prazo original expiraria neste mês. O texto está em vigor desde sexta-feira (23).
O programa permite que o governo economize recursos do seguro-desemprego, preservando maior parte da arrecadação sobre a folha de pagamento, além de conter a queda no nível de emprego da economia.

Pelo texto, caberá ao Executivo fixar um orçamento global para o PSE que servirá de teto de gastos em 2017 e 2018, para quando é previsto o fim do programa. A adesão de novas empresas será condicionada à disponibilidade orçamentária. O governo estima que a despesa com o PSE será entre R$ 327,3 milhões e R$ 343,4 milhões em 2017 e 2018, respectivamente. O cálculo considera que os atuais 55 mil trabalhadores beneficiados deverão receber R$ 1.062 mensais que corresponderiam a 65% do valor máximo da parcela do seguro-desemprego, estimado em R$ 1.634.

A medida mantém as linhas gerais do programa, como a redução em até 30% da jornada e do salário do trabalhador mediante a compensação de 50% do valor da redução salarial paga pelo governo. No entanto, a adesão de empresas será feita pelo Indicador Líquido de Empregos (ILE), que na prática representa o balanço de demissões e a abertura de novos postos de trabalho na firma durante o ano. Hoje, o índice é fixado em 1%, e com a MP, passará a ser arbitrado pelo Executivo.

O texto proíbe empresas participantes de contratar funcionários para executar as mesmas atividades exercidas por empregado abrangido pelo programa, o que já é previsto na legislação. Mas abre exceções para os casos de efetivação de estagiário, contratação de pessoas com deficiência e ex-presos. Ainda, pela MP, as empresas que aderirem ao PSE de forma fraudulenta deverão devolver o valor integral recebido do governo, acrescido de juros com base na taxa SELIC.

Fonte: Câmara dos Deputados Federais


Autor

  • Gadelha & Motta

    GM Advogados é um escritório de advocacia -consultiva e contenciosa - especializado em Direito Imobiliário, que conta com profissionais capacitados e experientes. Atua também nas áreas consumerista, trabalhista e cível, e tem como princípios basilares a ética, os valores morais e o respeito ao ser humano. A excelência do serviço prestado reflete o comprometimento em oferecer sempre o melhor serviço, na exata medida das necessidades de cada cliente.

    Textos publicados pelo autor

    Fale com o autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Direitos e Responsabilidades do Jus.

Regras de uso