Teletrabalho é definido como a prestação de serviços preponderantemente fora das dependências do empregador, utilizando-se de tecnologias da informação e da comunicação. Portanto, podemos afirmar que essa modalidade de trabalho já estava disposta na CLT antes mesmo da reforma trabalhista. Entretanto, foi a partir dela que esse instituto foi descrito de maneira mais completa e detalhlada.  

A alteração do regime de trabalho poderia ser feita de duas formas. Do presencial para o teletrabalho, o legislador exigia o mútuo acordo, ou seja, um acordo bilateral, devendo ocorrer o registro em aditivo contratual. Já, do regime de teletrabalho para o regime presencial, a alteração pode ocorrer por opção do empregador, devendo conceder um prazo de 15 dias para a transição.

Com o estado de calamidade pública em decorrência do COVID-19, foi editada a Medida Provisória  927/2020, alterando regras a respeito do teletrabalho. Agora, a  alteração do regime presencial para o regime de teletrabalho ocorrerá de forma unilateral, por determinação do empregador, devendo este comunicar o trabalhador com antecedência de 48 horas, por escrito ou por meio eletrônico.

A MP 927/2020 propõe medidas trabalhistas para o enfrentamento do estado de calamidade pública decorrente da covid-19, elencando a prevalência do acordo individual escrito, desde que respeitados os limites da Constituição Federal de 1988, com o intuito de preservar o EMPREGO e a RENDA.

MP 927/2020 

Art. 3º  Para enfrentamento dos efeitos econômicos decorrentes do estado de calamidade pública e para preservação do emprego e da renda, poderão ser adotadas pelos empregadores, dentre outras, as seguintes medidas:

I - o teletrabalho;

Art. 4º  Durante o estado de calamidade pública a que se refere o art. 1º, o empregador poderá, a seu critério, alterar o regime de trabalho presencial para o teletrabalho, o trabalho remoto ou outro tipo de trabalho a distância e determinar o retorno ao regime de trabalho presencial, independentemente da existência de acordos individuais ou coletivos, dispensado o registro prévio da alteração no contrato individual de trabalho.

Os empregados de regime de teletrabalho são excluídos do controle da jornada, portanto, não possuem alguns direitos, tais como:

I. Hora extra;

II. Proteção ao trabalho noturno;

III. Intervalos e;

IV. Redução proporcional da jornada no curso do aviso prévio.

Entretanto, caso ocorra a comprovação de requisitos intrínsecos a subordinação jurídica, como o controle da jornada por meio de mensagens e aplicativos, poderá o trabalhador fazer jus a esses direitos.

Os direitos e deveres decorrende dessa modalidade, como a necessidade de previsão em contrato escrito e as normas referentes à saúde e à segurança no trabalho, demonstram o dever patronal de instrução aos empregados, a qual deverá ocorrer de maneira expressa e ostensiva, sobretudo no que tange às precauções, disponibilizando, por fim, um termo de responsabilidade. 

Por fim, vale a pena destacar dois pontos da MP nº 927/2020: o primeiro é que o empregador poderá fornecer equipamentos em regime de comodato e pagar por serviços de infraestrutura, o que não constituirá verba de natureza salarial e, o segundo, diz respeito à possibilidade de trabalho remoto ou à distância para aprendizes e estagiários. 


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Direitos e Responsabilidades do Jus.

Regras de uso