PROCESSO ADMNISTRATIVO. OPERAÇÕES RELATIVAS AO PATRIMÔNIO PÚBLICO DO ESTADO DA PARAÍBA. LEI Nº 8.186/2007. COMPETÊNCIA DA SECRETARIA DA ADMINISTRAÇÃO. REMESSA DOS AUTOS.

PROCESSO ADMNISTRATIVO. OPERAÇÕES RELATIVAS AO PATRIMÔNIO PÚBLICO DO ESTADO DA PARAÍBA. LEI Nº 8.186/2007. COMPETÊNCIA DA SECRETARIA DA ADMINISTRAÇÃO. REMESSA DOS AUTOS.

DA FUNDAMENTAÇÃO

Segundo HELY LOPES MEIRELLES, bens públicos, “em sentido amplo, são todas as coisas, corpóreas ou incorpóreas, imóveis, móveis e semoventes, créditos, direitos e ações, que pertençam, a qualquer título, às entidades estatais, autárquicas, fundacionais e empresas governamentais”. Portanto, segundo este conceito, a categoria de bem público abrange inclusive o patrimônio das entidades estatais dotadas de personalidade jurídica de direito privado. Seguindo esta linha, domínio público é o conjunto de bens públicos, não importando se o bem pertence realmente ao Estado, pois, bens particulares que estejam ligados à realização de serviços públicos também são considerados bens públicos.

De acordo com o Código Civil, artigo 99, os bens públicos estão classificados em três categorias: Bens públicos de Uso Comum: utilização concorrente de toda a comunidade (praças, ruas) são bens necessários ou úteis à existência de todos os seres vivos, que não devem ser submetidos à fruição privativa de ninguém; Bens Públicos de Uso Especial: utilização para cumprimento das funções públicos (repartições estatais, serviços públicos); Bens de Uso Dominicais: utilização pelo Estado para fins econômicos, tal como faria um particular (imóveis desocupados).

Também há a classificação com relação a afetação e desafetação. Afetação: corresponde à destinação de um determinado bem a uma finalidade pública, transformando-o em bem de uso especial, mediante lei ou ato administrativo. Desafetação: consiste na retirada da destinação conferida ao bem público, transformando-o em bem dominical, mediante lei ou ato administrativo.

Para Maria Sylvia Zanella Di Pietro, quatro noções atrelam-se ao conceito de bens públicos:

1 – conjunto de bens móveis ou imóveis; 2 – a idéia de pertinência à Administração (Diríamos melhor “Estado”), que afasta a tese de que o Poder Público não exerce sobre os bens públicos o direito de propriedade – 3 – A afetação ao uso coletivo ou ao uso da Administração, que representa um traço distintivo entre bens dessa categoria e os dominicais; aliás, esse traço revela a maior abrangência do vocábulo “bem” no direito público, em relação ao direito privado; neste, interessam as coisas suscetíveis de homem; no direito administrativo, os bens têm sentido mais amplo, porque abrangem não apenas a coisas que podem ser objeto de posse e propriedades exclusivas, mas também aquelas que são destinadas ao uso coletivo ou ao uso do próprio poder público; 4 – regime jurídico de direito público, derrogatório e exorbitante do direito comum, não se aplicando a essas modalidade de bens os institutos regidos pelo direito privado.

               Razão, contudo, assiste a Pontes de Miranda ao afirmar que, antes de tudo, o sistema jurídico em análise é o fator determinante para a qualificação do que sejam bens públicos. Nesta ordem de idéias, pertinente se mostra a invocação dos dispositivos legais do jus positivum referentes à matéria em apreço. Em primeiro plano surge o texto constitucional, mais especificamente os artigos 20, I a XI e §§ 1º e 2º, 26, I a IV e ADCT, art.16, §3º).

                 Os bens públicos sujeitam-se a uma disciplina especial, haja vista a titularidade da propriedade e sua destinação. Esta disciplina especial constitui o denominado “regime jurídico dos bens públicos” que passaremos a explicitar. Desde já podemos adiantar que nas atividades relacionadas aos bens públicos sobressai a mesma limitação a que está submetida a Administração Pública no que concerne aos fins a que se destina, ou mais especificamente ao escopo magno do bem comum.

                 Desta situação deflui a aplicação imediata dos princípios do Direito Administrativo, mais de perto os princípios da legalidade, publicidade, finalidade e indisponibilidade. Trataremos deles mais adiante. Por ora tratemos dos princípios específicos da disciplina dos bens públicos que são a imprescritibilidade, a impenhorabilidade, inalienabilidade e a impossibilidade de oneração.

Imprescritibilidade é o primeiro princípio especifico. Os bens públicos constituem em substância res extracomercium. Contra eles não pode correr prescrição aquisitiva.

Já a impenhorabilidade também constitui outro princípio específico. A penhora constitui procedimento prévio a alienação. Sendo alienáveis, a priori, os bens públicos não se sujeitam a penhora.

Inalienabilidade, em regra geral, trata da impossibilidade de alienar (vender, permutar ou doar) bens públicos, porém há exceções, conforme nos ensina o art. 100 do Código Civil, in verbis:

Art. 100 - Os bens públicos de uso comum do povo e os de uso especial são inalienáveis, enquanto conservarem a sua qualificação, na forma que a lei determinar.

Deste modo, quando um bem público perde sua qualificação de importância, ou seja, quando ocorre uma desafetação do bem, ele sim poderá ser alienado.

 Por fim temos a não oneração, não se podendo sobre eles constituir penhor, hipoteca ou anticrese. Realmente, ditas onerações perderiam sentido frente a impossibilidade de alienações do bem, tornando-se vazias de conteúdo.

                O Patrimônio Público Estadual, assim definido como um conjunto de bens pertencentes ao domínio do Estado e que se institui para atender a seus próprios objetivos ou para servir à produção de utilidades indispensáveis às necessidades coletivas.

                  A competência de gerir os bens públicos no Estado da Paraíba, fica a cargo da Secretaria de Administração, consoante encontra-se previsto no art. 3º, inciso V, alínea “e”, da Lei 8.186/2007, que define a estrutura organizacional da Administração Direta do Poder Executivo Estadual:

           

Art.3º - Os órgãos integrantes da Estrutura Organizacional da Administração Direta do poder Executivo têm as seguintes finalidades e competências:

(...)

V – Secretaria da Administração

(...)

e) gerenciar o patrimônio da Administração Pública Estadual; manutenção patrimonial, registro de controle dos movimentos patrimoniais;

Da Conclusão

Portanto, diante de todo o exposto,

CONSIDERANDO a solicitação de doação de bens móveis;

CONSIDERANDO que a Secretaria de Estado da Administração - SEAD é a responsável em gerir todas as operações relativas ao Patrimônio Público Estadual, devem ficar a cargo da Secretaria da Administração,

DEFERIMOS em parte a doação dos bens móveis, a saber, carteiras e armários à Paróquia, considerando a desafetação, basilada na retirada da destinação conferida ao bem público, transformando-o em bem dominical, mediante ato administrativo, desde que a SEAD autorize tal destinação.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria