Nota-se que a lei Brasileira não acompanha a evolução científica mediante riscos e dúvidas que estudiosos e religiosos criam frente aos procedimentos que tratam da vida do ser humano. O objetivo é expor que sem correr riscos não há benefícios.

                                              PARECER

 

Endereçamento: Pesquisadores da área, público em geral com interesse no conteúdo, estudantes de direito.

Ementa: Bioética, Biodireito, Biotecnologia, avanços científicos na área da medicina, falta de legislação, dogmas religiosos que barram pesquisas com seres humanos, ética da vida.

Relatório:

Trata-se de um parecer expondo algumas razões que atrasam as pesquisas no ramo do Biodireito, e deixando os procedimentos biotecnológicos limitados, sem legislação pertinente no Brasil. Há, explicitamente, interferência da Igreja com seus dogmas e princípios de vida e, logo, deixa o legislador no agir, limitado para criar leis que tratem do tema e permitam que pesquisas sejam elaboradas para o benefício da medicina e da vida.

 

Fundamentação:

Esta é uma questão que tem, por assim dizer, incomodado os filósofos, os juristas e a sociedade como um todo, os quais, inquietos, não deixam de almejar pelo progresso  das conquistas científicas em prol da humanidade e saúde. Por outro lado, há uma inquietude mediante opiniões, as quais trazem uma realidade absurdamente assustadora envolvendo seres humanos desprovidos de alma e espírito, pecados contra Igreja e Deus, e monstros criados em laboratório tais como filósofos e religiosos costumam argumentar para amedrontar o público e induzi-los na crença que isso seria algo criminoso frente ao Criador.

Toda pesquisa e estudo que trate de vidas, deve ser limitada.  Mas, num País que não permite que os estudos sigam e as pesquisam ocorram, acaba sem limites, justamente pela falta dessas Leis que deveriam ser reguladoras. Opiniões radicais sobre uma vida, não deveriam serem usadas em pesquisas biotecnológicas, pois, referem-se muitas vezes, à células ou embriões e acabam por deixar a sociedade confusa em relação aos  benefícios trazidos por essas pesquisas,  para vida e medicina.

O papel do Biodireito neste tema é limitar e criar, isso seria, limitar até onde as pesquisas e procedimentos possam ir, e criar leis que tratem do tema ajudando os cientistas a agirem sem receios de punições.

 A temática das pesquisas com seres humanos sempre deixa dúvidas, o certo e o errado, o que seria exatamente cada proposta que a ciência vem trazendo para beneficiar vidas e exterminar problemas genéticos.  A bioética, teoria com princípios (autonomia, beneficência e justiça), leva a ciência da vida, a vida humana é o foco do estudo desta, cabe fazer juízo de apreciação à respeito destas inovações porém com pontos de vistas diferentes, possibilitando a interface entre ciências como a antropologia, a medicina, a ecologia e sua biodiversidade, a economia, a filosofia, a teologia, a sociologia, a psicologia, a política e o direito dentre outras, sem dúvidas estudar o ser humano num todo exige parâmetros morais e éticos, devendo sempre enfatizar a dignidade e o respeito à vida, e tanto se preza que o cuidado muitas vezes acaba sendo renegado pela preservação de opiniões, e as soluções de conflitos acabam tomando o tempo e deixando de salvar milhares de vidas.

A temática não é tão recente, em 1978, pesquisadores novamente receberam o Prêmio Nobel por isolarem enzimas de restrição, fundamento para a técnica do DNA recombinante. Após começou surgir bebês de proveta, clonagem de animais, porém estes avanços não se limitam nisso. Já usamos órgãos de animais para transplantes, produção de insulina e vacinas através da técnica de DNA recombinante, para produção de medicamentos, anticorpos, e a intenção de melhoramento é a permissão para usar livremente destas técnicas e auxiliar a medicina  a proporcionar uma qualidade de vida digna ao ser humano.  

Em tubos de ensaio, pesquisadores da Universidade Sun Yeat-sen manipularam o DNA das células para apagar o gene da beta talassemia, doença hereditária que origina anemias graves e pode ser fatal, trazendo algo bom para as gerações futuras. São muitos pontos a serem abordados cita-se as doenças degenerativas, crônicas, as insuficiências de órgãos que causam sofrimento nos tratamentos a longo prazo sem perspectiva de cura.

Concluindo: Para sanar problemas, precisamos correr riscos.  A consciência deste fato  é um passo importante na discussão do risco de viver num mundo em permanente transformação, globalizando cada vez mais o conhecimento e o acesso à tecnologia, e assim, enfatizando a quebra de dogmas e a criação de leis para manipulações genéticas em vidas humanas em prol de vidas com melhoramentos e perspectiva maior. O valor maior não é legislar sobre e permitir estas pesquisas na prática, mas, sim, sustentar o benefício que venha a trazer, respeitando, acima de tudo, a vida humana com as facilidades e oportunidades que virão com as práticas biotecnológicas para melhoramentos do ser humano em quesito saúde.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria