Entenda o princípio da legibilidade das cláusulas contratuais consagrado pelo CDC e seus efeitos.

Em uma relação jurídica de consumo, ao contratar um serviço, vez ou outra nos deparamos com um contrato em que não se compreende o que está escrito, seja por conta da complexidade dos termos, seja pelo tamanho da fonte, certo?

Saiba que isso é uma prática abusiva e é vedada pelo Código de Defesa do Consumidor!

O Capítulo VI do Código de Defesa do Consumidor (CDC), dispõe sobre a Proteção Contratual, e prevê em seu artigo 46:

Art. 46. Os contratos que regulam as relações de consumo não obrigarão os consumidores, se não lhes for dada a oportunidade de tomar conhecimento prévio de seu conteúdo, ou se os respectivos instrumentos forem redigidos de modo a dificultar a compreensão de seu sentido e alcance. [1]

O referido artigo tem por escopo garantir ao consumidor o direito de ter pleno conhecimento do que e como irá contratar, essa garantia é um desdobramento da proteção aos direitos básicos do consumidor, elencados no Capítulo III do próprio CDC, especificamente no art. 6º, inciso III:

Art. 6º São direitos básicos do consumidor:

III - a informação adequada e clara sobre os diferentes produtos e serviços, com especificação correta de quantidade, características, composição, qualidade, tributos incidentes e preço, bem como sobre os riscos que apresentem

Essa regra vale também para os contratos de adesão, aquele cujas cláusulas são preestabelecidas unilateralmente e, como ensina Cláudia Lima Marques, “[...] não há liberdade contratual de definir conjuntamente os termos do contrato, podendo o consumidor somente aceitá-lo ou recusá-lo”. [2]

Conforme disposto no §3º do artigo 54 do CDC:

Art. 54. [...] 

§3º. Os contratos de adesão escritos serão redigidos em termos claros e com caracteres ostensivos e legíveis, cujo tamanho da fonte não será inferior ao corpo doze, de modo a facilitar sua compreensão pelo consumidor. 

Sendo assim, o contrato de consumo precisa ser redigido de forma clara, abrangente e descomplicada, evitando termos rebuscados, para que o consumidor tenha plena consciência das obrigações que contraídas.

Nas palavras de Nelson Nery Junior, "o Código exige que a redação das cláusulas contratuais seja feita de modo a facilitar sua compreensão pelo consumidor para que a obrigação por ele assumida para com o fornecedor possa ser exigível". [3]

Cabe, ainda, mencionar que, como o consumidor é visto como o polo mais fraco da relação de consumo, os contratos consumeristas serão interpretados sempre em seu favor. Esta regra está expressa em todo o CDC e, especificamente, no art. 47 do CDC:

Art. 47. As cláusulas contratuais serão interpretadas de maneira mais favorável ao consumidor.

Em resumo, o contrato para ser válido nos termos do CDC, deverá: assegurar ao consumidor o conhecimento prévio do conteúdo do contrato, conter redação clara e compreensível, com interpretação mais favorável ao consumidor e proteção contra cláusulas abusivas.

Diante do exposto, verifica-se que, caso o consumidor não possa interpretar os termos do contrato celebrado, o fornecedor não poderá reivindicar o cumprimento dos deveres contratados.

Constatada essa prática abusiva, as empresas estarão sujeitas às sanções e os contratos assim firmados poderão ter suas cláusulas rediscutidas.


[1] BRASIL. Lei nº 8.078, de 11 de setembro de 1990. Dispõe sobre a proteção do consumidor e dá outras providências. Publicado no Diário Oficial da União de 12 de setembro de 1990 - Edição extra e retificado em 10 de janeiro de 2007.

[2] MARQUES, Cláudia Lima. Contratos no Código de Defesa do Consumidor. 4ª ed. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2002.

[3] JUNIOR, Nelson Nery; et al. Código Brasileiro de Defesa do Consumidor - Comentado pelos Autores do Anteprojeto. 8ª ed. Rio de Janeiro: Editora Forense Universitária, 2004.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria