01. Cuida-se da polêmica a respeito do § 4º do art. 134 da Constituição da República, o qual remete o intérprete ao dispositivo que trata do tempo de atividade jurídica, exigível nos concursos para magistratura. 02. Outro texto publicado e acolhido pelo Conselho Editorial do Jus Navigandi: http://jus.com.br/artigos/31948/voce-esta-satisfeito-com-as-atuais-dimensoes-ou-geracoes-dos-direitos-humanos-alguns-nao

Interessante notar, na prática, que alguns concursos das Defensorias vêm exigindo apenas a certidão emitida pela OAB, presumindo-se a atividade jurídica; logo, sendo desnecessária a expedição de certidão comprobatória de atividade jurídica de cada processo a que utilizar como prova. No entanto, se necessária a certidão comprobatória, é prudente seguir a seguinte petição. 

EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ DE DIREITO DA _.ª VARA JUDICIAL DA COMARCA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO/SP

Autos de n.º ________

MARCO ANTONIO VALENCIO TORRANO, nacionalidade brasileira, solteiro, advogado, OAB/SP de n.º 336.107, com escritório de advocacia na Rua Marechal Deodoro, n.º 3096 – sala 111, Centro, São José do Rio Preto/SP, CEP: 15.010-070, vem à presença de Vossa Excelência, requerer o quanto segue.

01. Em breve síntese introdutória, a presente peça processual requer a expedição (gratuita) de certidão comprobatória de atividade jurídica, a fim de utilizá-la como meio de comprovação do exercício de atividade jurídica, referente aos três anos, exigidos com base na emenda constitucional n.º 80, de 04 de junho de 2014, podendo-se assim empregá-la em qualquer concurso público a que for apresentada, especialmente, nos concursos públicos da Defensoria Pública do Estado de São Paulo (pretensão: cargo de Defensor Público do Estado Nível I, de acordo com a redação dada pela Lei 1.098/09).

02. Inicialmente, convém salientar que o direito de certidão está constitucionalmente previsto no art. 5º, XXXIV, "b", da Constituição da República:

"XXXIV - são a todos assegurados, independentemente do pagamento de taxas: (...) b) a obtenção de certidões em repartições públicas, para defesa de direitos e esclarecimento de situações de interesse pessoal".

Sendo que à luz dos precedentes jurisprudenciais o mesmo direito tem recebido a mesma riqueza de detalhes (Theotonio Negrão, Código..., comentário ao art. 399 do Código de Processo Civil, 2013, p. 1041):

"Pedido de certidão. Direito assegurado constitucionalmente ao cidadão, vedado à autoridade a quem compete fornecê-la arvorar-se em juiz e decidir sobre a legitimidade e o interesse do requerente em obtê-la. (RSTJ 25/222)".

Tal direito fundamental é de tanta importância na prática que, como salienta Alexandre de Moraes (Curso de Direito Constitucional, 2014, p. 190), as consequências de sua não apresentação importam sanções:

"O art. 5º, XXXIV, da Constituição Federal assegura a obtenção de certidões em repartições públicas, para a defesa de direitos e esclarecimentos e esclarecimento de situações de interesse pessoal, independentemente do pagamento de taxas. Em regra, não poderá o Poder Público negar-se a fornecer as informações solicitadas, sob pena de sua responsabilização civil, bem como de responsabilização pessoal de seus servidores inertes, pois, como decidiu o Superior Tribunal de Justiça, 'a garantia constitucional que assegura a todos a obtenção de certidões em repartições públicas é de natureza individual, sendo obrigatória a sua expedição quando se destina à defesa de direitos e esclarecimento de situações de interesse pessoal do requerente'. (STJ – 6ª T. – RMS n.º 3.735-5-MG – Rel. Min. Vicente Leal – Ementário STJ, 15/203)".

03. Para entender o sentido proposto pelo legislador constituinte, levantam-se as palavras do emérito Livre-docente e Doutor em Direito Internacional pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (USP), André de Carvalho Ramos, de maneira que o direito de certidão consiste:

"na faculdade constitucional de exigir que seja atestada determinada situação particular ou de interesse coletivo por parte de órgão público competente".

Já para Nelson Nery Costa (Constituição Federal Anotada e Explicada, 2012, p. 48):

"a certidão é um documento lavrado pela administração a pedido de interessado, comprovada a existência de um fato e tendo fé pública, até a apresentação de prova em contrário. Essa certidão passa a ter a mesma força probante do documento original. Portanto, é essencial no dia a dia dos cidadãos, que precisam fazer valer seus direitos nas mais diferentes situações".

04. Desse modo, o direito fundamental de certidão perante os órgãos estatais resulta, naturalmente, em um consectário da dignidade da pessoa humana frente ao Estado, não por outro motivo que a doutrina mais abalizada sobre o assunto anuncia que o direito de certidão é assegurado pela Constituição de 1988 independentemente do recolhimento de taxa.

O advogado constitucionalista, escritor e professor, Uadi Lammêgo Bulos, assim estatui (p. 735):

"Independentemente do pagamento de taxas, a Carta de 1988 assegurou, a qualquer pessoa, o direito líquido e certo de obter certidões para a defesa de direitos ou esclarecimento de interesse pessoal (art. 5º, XXXIV, b)".

E continua o saudoso professor de Direito constitucional, trazendo a lume um precedente do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (ibid, p. 736):

"Gratuidade do direito de certidão -"Entrega de certidões de atos e contratos administrativos condicionada ao recolhimento de taxa. Inadmissibilidade. Incidência do inciso XXXIV, b, e não do XXXlll do art. 52 da Constituição da República. Segurança concedida. Recurso provido" (TJSP, 5ª Câm. Civ., AC 222.880- 1 /Moji das Cruzes, Rei. Des. Marcus Andrade, decisão de 1 0-2-1 995, JTJ (SP), Lex, 7 76:93)".

05. Todavia, por não ser um direito absoluto, o direito de certidão é exercido quando se especifica e apresenta os seus três requisitos (isto é: assim ensina Uadi Lammêgo Bulosibid, p. 736), quais sejam: a) existência de legítimo interesse (digo: fins e razões do pedido); b) ausência de sigilo; c) existência das informações solicitadas.

In casua) existência de legítimo interesse: é a intenção de se valer do documento para ingressar no cargo de Defensor Público do Estado, respeitando os termos da emenda constitucional de n.º 80/2014 (particularmente: o § 4º do art.134 da Constituição); b) ausência de sigilo: não há que se falar de sigilo, pois a certidão em nada ofende a segurança da sociedade e do Estado e nem mesmo o direito de particulares, como, por exemplo, aqueles previstos no inciso X do art. 5ºda Constituição; c) existência das informações solicitadas: as informações existem, de acordo com os autos e a Resolução n.º 75/2009 do Conselho Nacional de Justiça, porquanto o ora requerente atuou representando o autor (a) da presente demanda, dando-se tudo por bom, firme e valioso, com fulcro em peças processuais e, se ocorreu, presidindo na audiência de conciliação, instrução e julgamento.

06. Doutro lado, concernente ao conteúdo da certidão (ibid, p. 737): 

"não pode ser outro senão a indicação da existência ou não do ato ou fato objetivado e o exato modo como existe, constante dos registros administrativos" (TRF, 3º Região, 1ª T., REO 94.03.070235/SP, Rel. Juiz Sinval Antunes, decisão de 26-9-1995, DJ, 2, de 31-10-1995, p. 74958).

Destaca-se, por fim, a norma atinente ao conteúdo que se deve constar na "certidão circunstanciada" pretendida pela Resolução nº 75/2009 do Conselho Nacional de Justiça (isto é: a norma revogadora da Resolução n.º 11 de 2006), cuja qual determina em seu § 2º do art. 59:

"A comprovação do tempo de atividade jurídica relativamente a cargos, empregos ou funções não privativos de bacharel em Direito será realizada mediante certidão circunstanciada, expedida pelo órgão competente, indicando as respectivas atribuições e a prática reiterada de atos que exijam a utilização preponderante de conhecimento jurídico, cabendo à Comissão de Concurso, em decisão fundamentada, analisar a validade do documento".

07. Considerando que o Poder Judiciário exerce função administrativa atípica, isto o deixa sujeito aos princípios administrativos que regem a doutrina de Direito administrativo, de modo que "o direito de certidão pode ser exercido para pleitear aos órgãos executivos, legislativos ou judiciais" (ibid, p. 737). Precedente: TRF, 1ª Região, 1ª T., Ap. Em MS 93.01.35952-9/MG, Rel. Juiz Catão Alves, decisão de 22-8-1995, DJ, 2, de 4-3-1996, p. 11343. (ibid, p. 737).

08. Ultrapassados os fundamentos do pedido de certidão comprobatório de tempo de atividade jurídica, cabe, ainda, debruçar-nos a respeito do direito subjetivo público à justiça gratuita (assistência jurídica pública).

Para a ordem internacional, representada pelas três ondas referidas por Mauro Cappelletti (um dos principais expoentes do acesso à justiça no mundo) e Bryant Garth, na emérita tese das ondas renovatórias do acesso à justiça (oriunda da obra "Acesso à Justiça", tradução de Ellen Gracie Northfleet, Porto Alegre: Fabris, 1988), é notável, mormente no que toca à primeira onda, pela qual o fomento à garantia de assistência jurídica para os necessitados é possibilitar o acesso à justiça àqueles que não podem arcar com as custas processuais.

Com isso, sob à ótica entre os direitos humanos e o ordenamento jurídico brasileiro, o professor André de Carvalho Ramos explica as facetas do direito de acesso à justiça (no mais: Curso de direitos humanos, item 21.1, 2014, p. 555).

Resumindo as palavras do ínclito professor, o direito de acesso à justiça possui duas facetas: a primeira é a formal, e consiste no reconhecimento do direito de acionar o Poder Judiciário. Doutro lado, a segunda faceta é a material (ou também chamada de substancial), que consiste na efetivação desse direito: (i)por meio do reconhecimento da assistência jurídica integral e gratuita aos que comprovem a insuficiência de recursos (art. 5º, LXXIV, CRFB); (ii) pela estruturação da Defensoria Pública como instituição essencial à função jurisdicional do Estado (art. 134); (iii) pela aceitação da tutela coletiva de direitos e da tutela de direitos coletivos (ver abaixo), que possibilita o acesso a justiça de várias demandas reprimidas (ver abaixo); e (iv) pela exigência de um devido processo legal em prazo razoável, pois não basta possibilitar o acesso à justiça em um ambiente judicial marcado pela morosidade e delonga.

Nessa linha de pensamento de jusfundamentalização do professor André de Carvalho Ramos, intenta-se com esta peça processual: o (i)" reconhecimento da assistência jurídica integral e gratuita aos que comprovem a insuficiência de recursos ", mormente (ii) desta petição" acionar "o Poder Judiciário (digo: o juízo, a fim de requerer a certidão circunstanciada), (iii) por um procedimento pautado com base no" devido processo legal em prazo razoável "(ou seja: expedindo-se a certidão dentro de um prazo razoável).

Um parêntese. Pode-se entender, por razoável, um prazo de 15 dias previsto na Lei 9.051/95 (dispõe: sobre a expedição de certidões para a defesa de direitos e esclarecimentos de situações), visto que, considerando a função administrativa atípica do Poder Judiciário (isto é: emitir certidão circunstanciada), o entendimento adequado à situação, por similitude, é o de aplicar as normas administrativas ao órgão jurisdicional expedidor (digo: para com a vara judicial).

Mais sobre (Maria Sylvia Zanella Di Pietro, 2014, p. 58):

"Predominantemente, a função administrativa é exercida pelos órgãos do Poder Executivo; mas, como o regime constitucional não adota o princípio da separação absoluta de atribuições e sim o da especialização de funções, os demais Poderes do Estado também exercem, além de suas atribuições predominantes – legislativa e jurisdicional - algumas funções tipicamente administrativas. Tais funções são exercidas, em parte, por órgãos administrativos existentes no âmbito dos dois Poderes (as respectivas Secretarias) e, em parte, pelos próprios parlamentares e magistrados; os primeiros, por meio das chamadas leis de efeito concreto, que são leis apenas, em sentido formal, porque emanam do Legislativo e obedecem ao processo de elaboração das leis, mas são verdadeiros atos administrativos, quanto ao seu conteúdo; os segundos, por meio de atos de natureza disciplinar, atos de provimento de seus cargos, atos relativos à situação funcional dos integrantes do Poder Judiciário".

Continuando. No Brasil, é imperioso salientar que (Franklyn Roger Alves SilvaDiogo Esteves, Princípios institucionais da Defensoria Pública: de acordo com a EC 74/2013, 2014, p. 144):

"Durante a década de 1980, o governo federal iniciou um arrojado programa nacional destinado à desburocratização dos serviços públicos, objetivando simplificar os procedimentos administrativos e dispensar a prática de formalidades desnecessárias ou não justificáveis. Nesse contexto, foi editada a Lei nº7.510/1986, que alterou a redação do art. 4º da Lei nº 1.060/1950 e instituiu o sistema de presunção de pobreza para fins de concessão da gratuidade de justiça e da assistência jurídica gratuita. Com isso, passou a ser dispensada a apresentação de qualquer prova relativa à condição econômica do requerente, bastando a simples afirmação de que não seria capaz de prover as despesas processuais e os honorários advocatícios sem o sacrifício de seu sustento próprio ou de sua família".

Dissertando sobre o tema, leciona o professor Leonardo Greco (apud, Franklyn..., p. 145):

"Desde o advento da Lei nº 1.060/1950, o legislador utilizou vários critérios para comprovação da necessidade, desde a atestação da pobreza pelo delegado de Polícia ou pelo prefeito, até a exibição de carteira de trabalho com salário não inferior a um determinado valor. Desde 1986, por força da Lei 7.510, o artigo 4º da Lei 1.060/1950 dispensou o requerente de apresentar qualquer prova a respeito da sua situação econômica, bastando a sua simples afirmação de que não dispõe de meios para prover às despesas do processo sem sacrifício para o seu sustento ou o de sua família. A lei cria, portanto, uma presunção de pobreza em favor daquele que a afirma. Essa presunção é relativa, podendo ser ilidida por prova em contrário apresentada pelo adversário, bem como exigir a apresentação de provas concretas pelo requerente, se as circunstâncias da causa tornarem inverossímel a sua simples afirmação de pobreza".

Contudo, a Constituição da República de 1988 instaurou uma profunda controvérsia doutrinária acerca da forma como se deve demonstrar a hipossuficiência econômica. O ponto nevrálgico da discussão derrete-se nas seguintes palavras: "aos que comprovarem insuficiência de recursos"(art. 5º, LXXIV, CRFB).

Diante da norma constitucional, três foram as teorias que surgiram: a) corrente comprovacionista; b) corrente moderada; c) corrente presumicionista.

Conclusão da problemática das três correntes sob à ótica da corrente presumicionista (MARCACINI, Augusto Tavares Rosa. Apud, Franklyn..., ibid, p. 290):

"Desse modo, a previsão constante do art. 5º, LXXIV, da CRFB não pode ser interpretada de maneira estritamente literal, ignorando a vontade do constituinte originário e restringindo direito já consolidado na Lei nº 1.060/1950 (com as modificações trazidas pela Lei nº 7.510/1986). Diante da gradativa evolução dos mecanismos legais de demonstração da hipossuficiência econômica, não se mostra plausível supor que regra constitucional, claramente mais ampla e moderna, tivesse a intenção de promover um retrocesso normativo no sistema brasileiro de acesso à justiça".

Conseguintemente a jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça, consagrou-se pela "subsistência do sistema de presunção relativa de hipossuficiência, entendendo ter sido a norma do art. 4º da Lei nº 1.060/1950 recepcionada pela Constituição Federal de 1988" (ibid, p. 152). Precedentes: STJ – Sexta Turma – AgRg no Ag nº 1009703/RS – Relatora Min. Maria Thereza de Assis Moura, decisão: 27-05-2008; STJ – Primeira Turma – AgRg no Ag 1289175/MA – Relator Min. Benedito Gonçalves, decisão: 17/05/2011.

Mais sobre, dispõe a obra de Theotonio Negrão (Código de processo civil e legislação processual em vigor, 2013, p. 2339/2340):

"Esta disposição não colide com o art. 5º, LXXIV, da CF (RTJ 165/367, STF-RT 740/233; RSTJ 57/412; STJ-Bol. AASP 1.847/153j; STJ-Ajuris 61/353, em.; RT 708/88, JTJ 200/214, 201/236)".

No mesmo sentido (ibid, p. 2340):

"Para a concessão do benefício da justiça gratuita à pessoa física, basta a simples afirmação da parte de sua pobreza, até prova em contrário (STJ-1ª T., REsp 386.684, Min. José Delgado, j. 26.2.02, DJU 25.3.02). Nesse sentido: RTJ 158/963, STF-RT 755/182, 878/137 (1ª T., AI 649.283-AgRg), STF-Bol. AASP 2.071/697j, RSTJ 7/414, STJ-RF 329/236, 344/322, RT 789/280, 808/311, 828/388, 834/296, 849/265, JTJ 260/379, Lex-JTA 169/15, RJTJERGS 186/186, JTAERGS 91/194, Bol. AASP 1.622/19, RSDA 60/24 (TJSP, AP 990.10.368454-0). Isso dispensa a parte de efetuar, desde logo, o preparo da inicial (TFR-1ª T., AC 123.196, Min. Dias Trindade, j. 25.8.87, DJU 17.9.87). Em ação de alimentos, v., no mesmo sentido, LA 1º § 2º".

A posição do Supremo Tribunal Federal é similar: basta a mera declaração. Vide (apud Humberto Theodoro Júnior, Código de processo civil anotado, 2014, p. 3108): 

“A garantia do art. 5º, LXXIV, assistência jurídica integral e gratuita aos que comprovarem insuficiência de recursos, não revogou a de assistência judiciária gratuita da Lei nº 1.060, de 1950, aos necessitados, certo que, para obtenção desta, basta a declaração, feita pelo próprio interessado, de que a sua situação econômica não permite vir a Juízo sem prejuízo da sua manutenção ou de sua família. Essa norma infraconstitucional põe-se, ademais, dentro no espírito da Constituição, que deseja que seja facilitado o acesso de todos à Justiça” (STF, RE 205.746, Rel. Min. Carlos Velloso, DJ 28.02.1997).

Com relação ao Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, o advogado, Marco Antonio Valencio Torrano, OAB/SP n.º 336.107, teve a chance de defender um necessitado perante o Egrégio Tribunal de Justiça de São Paulo, tutelando o respectivo direito subjetivo à justiça gratuita, sendo o supramencionado direito decretado no recurso de agravo de instrumento n.º 2032871-64.2014.8.26.0000, de modo que, ao que nos aparenta, o referido tribunal também segue igual corrente, isto é, aquela preconizada pelo Superior Tribunal de Justiça. Vide (trecho do acórdão):

"Assim, por estar a decisão recorrida em confronto manifesto com jurisprudência dominante do Supremo Tribunal Federal e do Superior Tribunal de Justiça, dou provimento ao recurso".

Nesse mesmo tribunal, basta a simples declaração: (i) Agrv. Nº: 778.214-1 - de Ribeirão Preto; Agrv. Inst. Nº 809.520-9, de Campinas; Agrv. Inst. Nº 1.124.401-2, de São Paulo, todos por este relator, 12a Câmara do 1TACSP; (ii) TACSP, agravo de instrumento Nº 1.152.185-4, da Comarca de Araraquara - 1 VC, sendo agravante Marcos Augusto Faglioni e agravado Banco do Brasil S/A. - DJe 26/11/2002.

No entanto, em que pese o avanço da matéria nos tribunais superiores, os saudosos doutrinadores esclarecem a praxe forense sobre a matéria (Franklyn..., p. 153):

"Lamentavelmente, entretanto, o cenário cotidiano revela o aumento gradativo das exigências judiciais de comprovação da insuficiência de recursos para fins de concessão da gratuidade de justiça. Na grande maioria dos casos, embora reconheçam formalmente a presunção juris tantum de veracidade da hipossuficiência afirmada pelo interessado, os magistrados acabam afastando-a de maneira indiscriminada e determinando a apresentação de provas documentais, notadamente de declaração de imposto de renda ou de certidão demonstrando a isenção desse tributo, sob o argumento de que, diante das circunstâncias do caso concreto, é admissível a exigência de comprovação da insuficiência de recursos (art. 5º da Lei nº 1.060/1950) 78. Em virtude dessa infeliz postura comprovacionista camuflada, muitas vezes gastam-se meses com intimações, juntada de declarações, documentos e esclarecimentos, até que, finalmente, possa ser reconhecido o direito à gratuidade de justiça e, consequentemente, deferida liminar urgente requerida pelo deserdado de fortuna".

Vale acrescentar ainda a opinião dos mais críticos (Aluísio Iunes Monti RUGGERI RÉ. A dimensão quântica do acesso à justiça - in Temas Aprofundados da Defensoria Pública, Salvador: Jus Podivm, 2014, vol. 1, p. 89):

“Ademais, vivemos uma crise no sistema de Justiça, ainda excludente, elitista, burocratizado e obsoleto. Os processos, de modo geral, não cumprem seu papel mas servem para a legitimação de um sistema ineficiente, mas fundado em legalismos e formalismos arcaicos que sustentam o status a quo, marcado pelo ‘patrimonialismo’ nas relações obrigacionais e pelo ‘patriarcalismo’ nas relações pessoais, tudo dentro de uma estrutura rígida e imóvel de poder”.

Naturalmente, é preciso intentar uma política judicial no sentido de franquear o amplo acesso dos necessitados à justiça e extrapolar o formalismo judicial exagerado, de modo a buscar políticas públicas que tenham por finalidade diminuir a desigualdade (e não acentuá-las), corroborando tudo por um padrão de vida minimamente satisfatório (ou seja: que impulsione a possibilidade de acesso a direitos e a ter direitos, lembrando Hannah Arendt), até mesmo porque foi-se o tempo da "síndrome da ineficácia das normas constitucionais".

09. Em que pese toda essa problemática doutrinária, no presente caso, é indubitável que o pedido de decretação do direito à justiça gratuita se faz necessário, pois, o declarante, ora requerente, possui parcas condições financeiras.

Com base nos documentos apresentados, a falta de bens é notória, ou seja, sem possibilidade qualquer de arcar o mesmo com taxas cartorárias, sob pena de afetar a sua própria subsistência (consequentemente: a impossibilidade de prestar concursos públicos, doravante o concurso da Defensoria Pública ocorrer na capital do respectivo Estado-membro).

O requerente insiste atentar-se mais aos estudos, com o fim de conseguir o tão sonhado e nobre exercício da profissão de Defensor Público e finalmente ser membro da Defensoria Pública, até mesmo porque outro caminho não há senão os livros e as aulas de cursos preparatórios.

E, por mais que atue na advocacia particular (digo: atualmente), ser advogado não é um sinônimo estanque de presunção absoluta de alta condição financeira – bem longe disto.

Neste precedente jurisprudencial, trabalhou-se justamente com essa dicotomia entre a justiça gratuita e a profissão de advogado (Humberto Theodoro Júnior, Código de processo civil anotado, 2014, p. 3119):

“Constituição Federal não faz ressalva para o deferimento de Assistência Judiciária a parte que também é advogado ou militar. A lei assegura Assistência Judiciária a todas as pessoas que comprovarem insuficiência de recursos, pena de ofensa ao Princípio da Igualdade" (TJMG, proc. 1.0024.05.755946-0/001, Rel. Des. Mota e Silva, jul. 22.09.2005, DJ 09.11.2005).

Por fim, com o intento de lograr êxito com a decretação da justiça gratuita, alguns documentos pessoais estão anexos, retirando eventual dúvida em sentido contrário à pretensão desta peça processual. São eles: a) declaração de imposto de renda (isento); b) extrato da conta corrente; c) o número de processos cadastrados no portal ESAJ do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo.

10. Ante o exposto, requer-se a expedição (gratuita) de certidão circunstanciada, no prazo de 15 dias (conforme fundamentado no item 8 desta petição), indicando nesta: (i) as respectivas atribuições exercidas e (ii) a prática reiterada de atos que exigiram a utilização preponderante conhecimentos jurídicos, nos moldes do art 59, § 2º, da Resolução de n.º 75, de 12 de maio de 2009, do Conselho Nacional de Justiça.

No mais, requer seja decretado o direito à justiça gratuita (declaração anexa), como bem delineado nos itens 8 e 9 desta peça processual.

São José do Rio Preto/SP, XX de XXXXX de 2014.

MARCO ANTONIO VALENCIO TORRANO

ADVOGADO

OAB/SP n.º 336.107


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria