Trata-se de contrarrazões em recurso em sentido estrito que discute excesso de linguagem em decisão de pronúncia e falta de provas para se manter a decisão, visando-se, assim, evitar que o réu seja remetido ao julgamento perante o Conselho de Sentença

Excelentíssimo Senhor Doutor Juiz de Direito da __ª Vara Criminal da Comarca de Anápolis em Goiás:

Autos do processo nº______



 


            ___________, já qualificado nos autos de nº em epígrafe, que lhe move a Justiça Pública, por seu advogado signatário, inconformado com a r. decisão, que o pronunciou, vem, respeitosamente, dentro do prazo legal, perante Vossa Excelência, apresentar as razões do recurso em sentido estrito devidamente interposto e recebido por Vossa Excelência.

Nesses Termos

Pede Deferimento.

Anápolis, 11 de agosto de 2017

Adriano Gouveia Lima

OAB/Go 20459

RAZÕES DE RECURSO EM SENTIDO ESTRITO:

EGRÉGIO TRIBUNAL

COLENDA CÂMARA

EXCELENTÍSSIMO DESEMBARGADOR RELATOR

DOUTO PROCURADOR DE JUSTIÇA:

R E L A T Ó R I O

            Trata-se a insurgência de recurso em sentido estrito contra a decisão interlocutória que pronunciou ________ por incursão no tipo do art. 121, §2º, I, III e IV do Código Penal Brasileiro.

            Narra a denúncia que o acusado, no dia 05 de janeiro de 2016, teria, em tese, matado dolosamente a vítima ______, por motivo fútil e com impossibilidade de defesa da vítima, por ter desferido 06 golpes de faca, conforme descrito em laudo médico legal de exame cadavérico.

            A denúncia foi recebida, fundamentadamente, em 18/04/2016.

            O acusado ofereceu resposta à acusação nas folhas 155/156, onde alegou a inocência.

            Ouvidas testemunhas em audiência de instrução e julgamento, o acusado não confessou os fatos como narrados na denúncia, porém, alegou, em seu favor, a tese de legítima defesa e, também, alegou que não era o dono da arma com a qual foi praticada a infração.

            O Representante do Ministério Público ofereceu alegações finais às fls. 220/228, pleiteou a pronúncia do acusado nas penas do art. 121, §2º, I, III e IV c/c 29, todos do Código Penal.

            A defesa, em alegações finais (fls. 230/238), requereu impronúncia do acusado por entender que não existem provas suficientes para a pronúncia e, alternativamente, alegou excesso da acusação por pedir em seus memoriais finais além do contido da denúncia.

            Na decisão interlocutória de pronúncia, o MM. Juiz de Direito entendeu o réu como incurso nas penas do Artigo 121, parágrafo 2º, I, III e IV, conjugados com o Artigo 29, todos do Código penal.

            Irresignado, o réu interpõe, agora, razões do Recurso em Sentido Estrito nos termos legais.

Não há reparos.

É o relatório.

 DA ILEGALIDADE DA PRONÚNCIA  E DO SEU EXCESSO.

            Excelentíssimo Desembargador Relator, pela análise da denúncia, observa-se que o Denunciado foi incurso nas penas do Artigo 121, parágrafo 2º, incisos II e IV, combinados com o Artigo 29, todos do Código Penal.

            Estranhamente, e sem o devido procedimento de mutatio libelli, o Juízo de 1º Grau de jurisdição pronunciou o acusado nas penas do Artigo 121, paragrafo 2º, I, III, e IV, combinados com o Artigo 29, todos do Código Penal.

            Nota-se, então, que há excesso na capitulação jurídica da pronúncia que inseriu o inciso I do Artigo 121 do CP e modificou o inciso II contido na denúncia para o inciso III, não contido na denúncia, não narrado nos fatos e para o qual o réu não se defendeu durante o devido processo legal.

            Excelentíssimo Desembargador Relator, salta aos olhos o error in judicando da pronúncia e o error in procedendo no que se refere ao devido processo legal pois, antes de mudar a capitulação jurídica do fato, inserindo mais um inciso na qualificadora e modificando outro, o MM. Juiz de Direito não observou o procedimento de mutatio libelli com aditamento.

            Portanto, nobre e digno Desembargador Relator, a decisão interlocutória de pronúncia é nula, e assim deve ser declarada para que outra seja proferida nos termos legais.

            O Excelentíssimo Juiz de Direito pronunciante, além de não fundamentar devidamente a pronúncia, excede em linguagem que não se aproveita tecnicamente e não possui pertinência com relação à instrução processual.

             Em outras palavras, transcreve depoimentos na pronúncia em excesso, com violação inaceitável ao princípio da ampla defesa e do contraditório. Sob o tema, veja-se o seguinte julgado:

PROCESSO PENAL - RECURSO EM SENTIDO ESTRITO - HOMICÍDIO QUALIFICADO - NULIDADE ABSOLUTA DA PRONÚNCIA RECONHECIDA DE OFÍCIO - AUSÊNCIA DE FUNDAMENTAÇÃO E EXCESSO DE LINGUAGEM - DESCUMPRIMENTO DO ARTIGO 408 DO CÓDIGO DE PROCESSO PENAL - REVOGAÇÃO DA PRISÃO CAUTELAR E EXCLUSÃO DO NOME DO RECORRENTE DO LIVRO ROL DOS CULPADOS - AFASTAMENTO DO MARÇO INTERRUPTIVO - RECONHECIMENTO DA PRESCRIÇÃO DA PRETENSÃO PUNITIVA - EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE - RECURSO PROVIDO. (1) O magistrado, ao proferir decisão de pronúncia, deve demonstrar a materialidade do crime bem como os indícios de autoria que recaem sobre o acusado, ou seja, deve colacionar, através da prova colhida, em que consistem tais indícios a justificar a submissão do acusado a julgamento popular, o que também se aplica à manutenção da qualificadora descrita na denúncia. Não é o que se vislumbra no presente caso, pois o julgador além de não demonstrar os motivos de seu convencimento para pronunciar o recorrente, afirmou "que a prova é convincente e plena para a condenação do acusado e segura a manutenção da qualificadora", o que configura excesso de linguagem, proibido no sumário da culpa, pois pode influir significativamente no ânimo dos jurados. Assim, deve ser reconhecida, de ofício, a nulidade absoluta da pronúncia. (2) Como efeito decorrente da nulidade da pronúncia, impõe-se a revogação da prisão preventiva do recorrente, a qual foi decretada em duas linhas e também desprovida de qualquer motivação, devendo ser expedido de imediato o alvará de soltura pertinente. (3) É de rigor que a escrivania exclua o nome do recorrente do "Rol dos Culpados", erroneamente determinada pelo dr. juiz, não só pelo fato de ter sido reconhecida a nulidade da pronúncia, mas também porque tal determinação vulnera norma da Constituição Federal de 1988, posto que, nos termos do artigo 5º, inciso LVII, "ninguém será considerado culpado até o trânsito em julgado de sentença penal condenatória". (4) Nula a pronúncia, afasta-se o março interruptivo da prescrição e, considerando que desde o recebimento da denúncia já se passaram mais de 20 anos, declara-se extinta a punibilidade do recorrente ante a ocorrência da prescrição da pretensão punitiva, nos termos do artigo 107, inciso IV, do Código Penal. Recurso provido.

(TJ-PR - RSE: 4178390 PR 0417839-0, Relator: Oto Luiz Sponholz, Data de Julgamento: 19/07/2007,  1ª Câmara Criminal, Data de Publicação: DJ: 7445)

            Nobre Desembargador Relator, o julgado acima se encaixa perfeitamente ao que se está analisando nos presentes autos, sendo importante precedente de jurisprudência. Às folhas 245 da pronúncia, o Excelentíssimo Juiz de Direito afirmou que “ante a certeza da existência do fato, em tese, delituoso, e de indícios suficientes de que o réu seja seu autor, encaminho o caso sub judice para deliberação e julgamento por parte do Juiz Natural...”.

            Ora, pode-se notar inaceitável excesso de linguagem e erro na fundamentação jurídica!

            Não menos importante, e também fundamento para nulificação da decisão de pronúncia por excesso de linguagem e fundamentação, é a existência de extensa transcrição na peça das declarações do acusado e das testemunhas, o que não é cabível neste momento processual.

            Agravando a situação de nulidade da pronúncia, como dito, o Excelentíssimo Juiz de Direito mudou a capitulação dos fatos para pior sem dar aos sujeitos processuais a oportunidade de mutatio libelli com aditamento.

            Por tudo isso, requer-se que a pronúncia seja declarada nula para que outra seja proferida em seu lugar em termos técnicos e juridicamente admissíveis.

DA AUSÊNCIA DE DOLO ACERCA DO ANIMUS NECANDI DO ACUSADO E DA EXCLUDENTE DE ANTIJURIDICADIDADE DE LEGÍTIMA DEFESA.

             Apesar da nulidade que se alega e atendendo a mais ampla defesa possível, analisa-se, agora, a existência da conduta amparada pela excludente de antijuridicidade de legítima defesa, qual deveria ter sido reconhecida, absolvendo-se sumariamente o acusado.

            Pelo que foi colhido durante a instrução processual e digitalmente documentado, o pronunciado ______, ao chegar em casa, deparou-se com seu carrinho de vendas ambulante caído e, apenas, foi perguntar para a vítima sobre o ocorrido.

            Pelo que dos autos consta, especialmente, pelos esclarecimentos do próprio acusado em seu interrogatório judicial, acostados no CD, foi a vítima que, na posse de uma faca, correu atrás do acusado, o qual, para salvar-se, subiu no telhado e caiu se machucando.

            Nesse ínterim foi golpeado com uma facada no pé, o que caracteriza a agressão injusta por parte da vítima.

            Em momento algum foi comprovado, acima de qualquer dúvida razoável, que o acusado portava ou possuía previamente a faca. Não há provas de dolo antecedente ou de qualquer motivo específico que fundamente que a conduta foi dolosa.

            De acordo com o contido no CD foi o denunciado que tomou a faca do agressor que, antes, havia lhe investido contra e desferiu golpe em defesa, o que caracteriza legítima defesa própria.

            Sobre o tema, veja-se o seguinte entendimento:

HOMICÍDIO - LEGÍTIMA DEFESA CONFIGURADA - ABSOLVIÇÃO SUMÁRIA - ART. 411, CPP. Revelando o conjunto probatório ter o acusado, sem excesso no emprego do meio de que dispunha, agido apenas para se defender de agressão injusta e atual perpetrada pela vítima, resta caracterizada excludente da ilicitude, a autorizar, nos termos do art. 411, do Código de Processo Penal, a sua absolvição sumária. RECURSO PROVIDO.

(TJ-PR - RSE: 969417 PR 0096941-7, Relator: Telmo Cherem, Data de Julgamento: 30/11/2000,  2ª Câmara Criminal, Data de Publicação: 5812)

            Não há, nos autos, em nenhum momento, qualquer elemento que caracterize o dolo de matar do acusado. De outra forma, a decisão de pronúncia não levou em consideração a justificante da legítima defesa, sendo que o denunciado deveria ser absolvido sumariamente.

Conforme o artigo 25 do Código Penal, entende-se em legítima defesa quem, “usando moderadamente dos meios necessários, repele injusta agressão, atual ou iminente, a direito seu ou de outrem”.

            No mesmo sentido e não menos importante aduz a doutrina mais pertinente sobre a legítima defesa que:

‘Legítima defesa é a repulsa a uma agressão injusta, atual ou iminente, a qualquer direito, próprio ou alheio, por meio do uso moderado dos meios necessários. Seus requisitos são: agressão injusta, atual ou iminente, a qualquer direito, e repulsa com a utilização dos meios necessários, usados moderadamente, além, é claro, do elemento subjetivo: consciência e vontade’ (TELES, Ney Moura. Direito Penal I – parte geral. Atlas, 2004, p. 259).[7]

            Excelentíssimo Desembargador Relator, está mais do que claro que a vítima, anteriormente, agrediu o denunciado ____ com uma faca e acertou antes o seu pé. Também consta que o acusado, antes de se defender, tentou correr do agressor, não logrando êxito.

            Por tudo isso, a defesa entende que o acusado deve ser absolvido sumariamente em razão da legítima defesa própria em face da agressão atual comprovada nos autos.


 

DOS PEDIDOS:

Em face de todo o exposto, requer a este Egrégio Tribunal de Justiça do Estado de Goiás que:

a) Preliminarmente, reconheça a nulidade da pronúncia por excesso de linguagem e erro na capitulação jurídica do fato sem o devido procedimento legal de mutatio libelli, o que prejudicou o acusado.

b) Superada a fase de análise da preliminar de nulidade, que reconheça a presença da causa de exclusão da antijuridicidade de legítima defesa própria e absolva sumariamente o acusado _______.

Termos em que

Pede deferimento.

Anápolis, 11 de agosto de 2017

Adriano Gouveia Lima

OAB/Go 20459


 


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria