Os mascarados não têm conhecimento para análise política e atingem os prédios públicos (ou seus servidores) como se fossem o governo.

Quando vi cenas do 7 de Setembro no Rio de Janeiro, com manifestantes invadindo a faixa do desfile e centenas, milhares de policiais correndo, jogando bombas de gás, prendendo, primeiro achei ridículo que meia dúzia fizesse tanta bagunça, depois senti vergonha ao ver a polícia defender o que há de pior na política.

Em todo caso, a polícia tinha mesmo de defender as “autoridades” (sic) ali presentes, porque estavam no exercício de suas funções e, até a próxima eleição, representam o Estado do Rio de Janeiro. Isto é, bem ou mal, sejam podres poderes ou não, este é o governo e, democraticamente, entendo que a única forma de deixar o cargo é com novas eleições ou se houver renúncia. Do outro lado, estavam jovens pseudo-anarquistas (Black Blocs mascarados) que deveriam ler W. Reich – Escuta Zé Ninguém!

Os mascarados não me representam, não representam o pensamento anarquista, não representam os indignados no país – aliás, não sei se representam interesses inconfessáveis. Em todo caso, estavam lá e suas ações ajudam a confundir a opinião pública. Primeiro, cometem um erro primário ao confundir governo e Estado. Não conseguem canalizar sua insatisfação contra o governo do Estado em que vivem – e que também pode ser São Paulo ou Minas Gerais – e assim denigrem o Estado como se fosse o governo.

Os mascarados não têm conhecimento para análise política e atingem os prédios públicos (ou seus servidores) como se fossem o governo. Não sabem que o governo é transitório, partidário, limitado pela(s) ideologia(s) que controlam o poder. Confundem governo com governabilidade (condições da função) e, ainda mais primariamente, com a função de governar: cumprimento do dever legal. Imaginam que “implodindo” o Estado (sic) estarão destruindo o Princípio da Autoridade e que, sem Estado, também não haverá governo ou organização social. Em sua infantilidade política, sonham com um mundo cor de rosa (ou preto) em que não haja controle social. Deveriam estudar a sociologia básica do ensino médio para saber que não há sociedade sem poder ou então fazer terapia para entender o papel dos pais.

Depois, confundem conjuntura com estrutura. A crise de moralidade porque passamos, em nenhum momento, foi fermento para uma revolução social. Respeito muitos que pensam o contrário, mas os mascarados não sabem nem definir em que se fundamenta este chamado direito à revolução. Mas, o pior, confundem a ira contra Sérgio Cabral com a crítica ao capitalismo monopolista de Estado. É claro que essa análise é chata e não querem nem saber o que é isso.

Os mascarados não sabem que o Estado é uma instituição que tem por missão representar e garantir a organização social. Na democracia, o Estado deve ser tratado como “organização” e, desse modo, é fácil notar que a própria produção do direito que nos rege (a todos) se dá de forma orgânica, sistêmica. No regime democrático, o direito se produz de maneira organizada e sob a visão de mundo que se quer mudar a realidade organicamente, sem abalos ou em total desordem das instituições. Em seu infantilismo, os mascarados recusam toda forma de heteronomia. Neste anarquismo primário, confundem individualismo (fazer o que quiser, contra todos) com autonomia (dar regras a si mesmo). Parece que ainda lutam contra a figura paterna.

            Pode-se inquirir se o Brasil é democrático (é claro que não é!), pode-se duvidar da seriedade das autoridades, pode-se ter medo das instituições que nos cercam (afinal, há pouca regularidade ou segurança jurídica), mas o que não se pode confundir, de modo nenhum, é insatisfação com despolitização. Quando os mascarados quebram os prédios como neoluditas pós-modernos – nem sonham quem foi Ned Lud – apenas inibem o povo em sua vontade de sair de casa, para participar das marchas pela ética e pela vergonha pública. Aquele um milhão de pessoas que saiu em São Paulo e no Rio de Janeiro voltou para o sofá, exatamente, quando os pseudo-anarquistas começaram a depredar e espoliar o espaço público.

            Como se diz com ponderação, não precisamos de mais máscaras, aliás, precisamos é tirar todas as máscaras sociais para desvelar o malfeito, a corrupção, a hipocrisia, a opressão social. Se gostasse de máscaras iria assistir Zorro – não vou porque já passou a idade e porque prefiro Sancho Pança ao Sargento Garcia. Sancho Pança presa a ironia social e a recusa da manipulação. Aliás, Zorro não agredia ou expunha seu povo ao perigo. Parece piada, mas sua intenção quando atacam a polícia com estilingue é de que haja o revide contra o povo desarmado, gerando mais insatisfação contra os aparelhos do Estado. Outra piada: estilingue?

            No fundo, gostaria de viver num país educado, porque não estaria descrevendo a banalidade política. O certo é que não se faz política com ignorância. Historicamente, já aprendemos, a pior política é aquela embalada pelo espontaneísmo, oportunismo.


Autor


Informações sobre o texto

O título do artigo refere-se a um programa humorístico de TV que parodiava a inscrição da bandeira de Minas Gerais, ao dizer: “Liberdade à Tardinha”.

Como citar este texto (NBR 6023:2002 ABNT)

MARTINEZ, Vinício. O grito do Zorro: “Liberdade à tardinha”. Revista Jus Navigandi, ISSN 1518-4862, Teresina, ano 18, n. 3748, 5 out. 2013. Disponível em: <https://jus.com.br/artigos/25245>. Acesso em: 14 ago. 2018.

Comentários

3

  • 0

    reginaldo

    Os black blocs atacam as instituições; os protestos são apartidarios; os jovens que protestam estão desorientados, vulneráveis ao perigo dos oportunista e golpistas. Perfeito. Só se esqueceu de dizer que a chuva molha o sol é quente. Acontece que as Instituições no Brasil estão falidas. A policia é um bom exemplo disso, sem contar com o sistema representativo. Não me diga que nós podemos mudar este estado de coisas apenas com o voto! Sabemos que não. Dependemos de uma reforma eleitoral pra valer(e isso seria apenas o pontapé inicial) mas como convencer essa classe a votar naquilo que não é do seu interesse? precisaríamos tambem democratizar os meios de comunicação já que a grande maioria que vive de vender o seu próprio trabalho, tem como o seu único meio de informação os jornais dessas mídias que nunca deixaram de ser parciais. Não me surpreendo com textos assim em que nos é apresentados os efeitos sem se quer mencionado as causas. Para terminar Dr., essa educação que o senhor diz pode ser a causa do "vandalismo" desta semana, ou porque vc acha que os professores levaram porrada na Cinelândia,dessa policia covarde. E esses mesmos anarquistas mascarados ao qual vc se refere foram os únicos a socorrerem as "tias" essas "bandidas subversivas". Vai nas comunidas e sinta na pele o que esses verdadeiros marginais fardados fazem( vide o que aconteceu na maré mesmo durante o calor das manifestações) enfim, Dr vc conhece o conceito de auteridade?

  • 0

    valdir dos santos

    Por esta, parabéns ao Ilustre professor que, em leitura minuciosa ao seu texto, não consegui perceber, e claro,por não existir, absolutamente nada que não fossem verdadeiros os fatos analisados e expressos de forma inteligente. Parabéns pelo recado e oxalá todos os mascarados tivessem acesso ao texto, pois, quem sabe meditariam melhor antes de sair dos seus sofás para tal.

  • 0

    Mauricio Alves

    Singapura! Esta seria nosso redenção, meu caro Professor Martinez. Relembremos as ameaças feitas por Zé Dirceu, quando rociferou, caso condenado, soltaria a juventude petista contra o estado de direito. A P.M. está atada, nada pode fazer porque essa é a ordem. Em realidade, essa calamidade advem dos próprios governantes, que pretendem instalar ideologia obsoleta, abandonadas, por serem retrógradas, mas que aquí querem o endeusamento, e, a manutenção de seus status. V^-se, portanto, que esses aproveitadores, a soldo do PT, além de minoria, deveriam ser tratados como marginais. Ninguém aguenta mais! Bastaria a Polícia usasr munição real nesses mascarados!

Livraria