A morte de Mandela leva junto mais um ícone da modernidade. Com ele, vimos que não há luta pela liberdade e tolerância apenas com palavras; é preciso ação política, investimento das energias sociais para debelar todas as formas de corrupção da cultura da inclusão.

A morte de Mandela leva junto mais um ícone da modernidade. O líder sul-africano representa a modernidade em muitos pontos: luta contra o racismo; luta armada contra a opressão do Estado; dedicação da vida pessoal a uma causa coletiva; supressão do individual diante do altruísmo. Nos tempos chamados pós-modernos tudo isso anda em baixa, se é que se encontra em algum lugar.

Aprendemos na escola liberal que a liberdade é a fonte da existência; com Mandela, vimos que é preferível sacrificar a liberdade, pela dignidade. Esta é uma lição impagável da modernidade. Pois bem, precisaremos de alguns séculos para que esses valores sejam retomados. Até lá, com o nível da barbárie do capital, vamos padecer pela perda ou exaurimento dessas qualidades humanas. A não ser, é claro, que a luta política seja legitimada.

Do contrário, teremos quase que esquecido de ler qualquer referência da modernidade clássica para, em meio ao Estado de Exceção, adivinhar que os monopólios econômicos e políticos são a morte da sociedade civil. Foi contra isso tudo que lutou Mandela – e, é óbvio, milhares de anônimos a seu lado. Escreve-se sobre ele porque capitaneou esta luta contra o Apartheid, nos 27 anos em que esteve preso e acorrentado pela ignorância sacra e branca.

É preciso lembrar que o regime de segregação na África do Sul fora instituído sob a bravata iluminista de que deveria levar civilização e racionalidade aos negros indóceis. Indóceis por não aceitarem a escravidão. Enfim, era o resto do resto da colonização, até que os embargos econômicos e diplomáticos da ONU (Organização das Nações Unidas) colocaram fim ao estapafúrdio regime proto-fascista.

Que não se enganem os mais ingênuos, vestidos de otimistas, porque o racismo é um rasgo na cultura “moderna” em todo o mundo. A extrema direita racista, intolerante, cínica, revive dias de euforia na Europa. No Brasil, o racismo nunca foi tão denunciado, assim como todas as formas de intolerância e desassistência humana.

Quem duvida da proliferação do racismo brasileiro deveria ler a Constituição, aí saberia que é crime inafiançável e imprescritível, ou seja, ocupa a tipificação de grave violação dos direitos humanos e demanda contra as regras de convivência e mínima interação social. O crime de racismo significa que alguém de bom senso acredita no direito de não sermos ultrajados. Para entender o que foi a luta de Mandela poderíamos retomar a história brasileira. (Aprenderíamos a investir contra a negação da verdade). Em todo caso, mesmo se pensarmos assim, ainda teremos muito que fazer contra a inutilidade moralista.

Com Mandela, vimos que não há luta pela liberdade e tolerância apenas com palavras, é preciso ação política, investimento das energias sociais para debelar todas as formas de corrupção da cultura da inclusão. Mandela acenou para a luta política e, portanto, perdemos uma parte da teleologia – o que também significa menos esperança.

Como dizem os velhos sábios, junto ao corpo de Mandela, enterra-se uma biblioteca da cultura humana. Porém, também pudemos ver a olho-vivo que tudo está ao nosso alcance, bastando querer fazer. A luta contra o racismo e todas as formas de intolerância nos ensina que a história tem nome, cor, endereço e uma vocação para a política. Por isso, ainda nos diz que a história é nossa morada.



Informações sobre o texto

Como citar este texto (NBR 6023:2002 ABNT)

MARTINEZ, Vinício. Mandela. Revista Jus Navigandi, ISSN 1518-4862, Teresina, ano 18, n. 3813, 9 dez. 2013. Disponível em: <https://jus.com.br/artigos/26087>. Acesso em: 24 fev. 2018.

Comentários

3

  • 0

    José Carlos da Sila faria

    Por favor, não fique achando que eu não sonhei um dia, de ver este mundo melhor, hoje aos 67 anos, e um falecido pai, negro, conheci mais do que
    os que hoje só falam em Igualdade, mas muitos querem que caiam do céu,
    se querem melhorar, Estudem, se O Presidente do Supremo conseguiu sem
    cotas, porque outros não. Temos que melhorar a educação, que atinge a todos, não só as negros. Eu mesmo conquistei minha Faculdade estudando
    em Escola Pública, basta que lutem por melhorar suas vidas, e parem de
    depender de cotas. Pergunto, o que mais vão pedir, quanto será o bastante.
    Antes de reclamar alguma coisa, deviam conhecer suas origens, e conhecer
    melhor seus próprios irmãos, só então entenderão que a vida ´e feita de sacrifícios, não é um mundo fácil para ninguém, mesmo sendo todos Iguais
    perante Deus. Deus nada pediu, apenas nos ensinou, e pelo visto ninguém aprendeu. Tenham Fé em primeiro lugar, e ele te ajudará.

  • 0

    oswaldo moreira antunes

    Após a sua morte foram publicados diversos artigos na imprensa dando a dimensão da importancia de desse lider, podendo ser compara a Gandi, Luter King e outros a nivel mundial. Ele deixa um legado a sua patria, pelo fato de ter eliminado o aparteid.


    http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,a-grandeza-de-mandela-,1105451,0.htm
    http://www.estadao.com.br/noticias/internacional,luto-ultrapassa-divisoes-sociais-e-raciais-no-pais,1106454,0.htm

    http://www.estadao.com.br/noticias/suplementos,o-verdadeiro-bom-combate,1105596,0.htm



  • 0

    hamilton henriques dos anjos

    Mandela é o símbolo da perseverança na dignidade humana, como estadista usou com maestria a temperança, a pacificação como forma convergente de aliar e unificar todas as forças do país em prol do bem comum.ah ! como o
    Brasil precisa de um "Mandela" para como o autor afirma "Aprenderíamos a investir contra a negação da verdade", e dar um salto de qualidade de vida para todos, saindo da hipocrisia que campeia por toda parte, num individualismo frenético consumista, por exemplo, com a aplicação prática do Programa da RFB- SER-Sinais Exteriores de Riqueza, resgatando para o Tesouro Nacional, para investir na Saúde/Segurança/Transportes, incontáveis patrimônios ilícitos hoje nas mãos de um bando de espertalhões, que riem e debocham de nossa legislação penal altamente protetiva da bandidagem.


Livraria