Não existe distinção, para efeito de incidência do IPI, quanto ao tipo de pessoa que realiza a importação do produto industrializado.

Ementa: CONSTITUCIONAL. TRIBUTÁRIO. IPI. EXTRAFISCALIDADE . Importação de automóvel por pessoa física para uso próprio.

I – Inexistência de distinção quanto ao tipo de importador.

II – Distinção entre o IPI-Importador e o Imposto de Importação. Inexistência de dupla incidência.

III – O princípio da não-cumulatividade não justifica a exclusão do tributo sobre o consumidor final, que, no caso do IPI, atua como substituto tributário do alienante do bem, que não é alcançado pela tributação pátria.

IV – Aplicação dos princípios da capacidade contributiva e da isonomia ao importador do bem para uso próprio.

V – Superação da jurisprudência anterior em face da superveniência da EC nº 33/2001.

I – BREVE RELATO DO TEMA

1. A questão analisada neste artigo é velha conhecida no meio jurídico e responsável pela criação de uma verdadeira “indústria” de importação de automóveis de luxo no Brasil, sem o pagamento de qualquer imposto.

O tema está prestes a ser decidido no Supremo Tribunal Federal no Recurso Extraordinário nº 723.651/PR, interposto perante o Supremo Tribunal Federal, sob relatoria do Sr. Ministro Marco Aurélio e que já possui repercussão geral reconhecida.  Cuida-se de recurso interposto contra acórdão do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, que deu provimento a apelação da União ao entendimento de que incide o Imposto sobre Produtos Industrializados – IPI na importação de veículo automotor promovida por pessoa física que não é comerciante nem empresária, para uso próprio. Eis a ementa do julgado:

TRIBUTÁRIO. IPI. IMPORTAÇÃO DE VEÍCULO. PESSOA FÍSICA. USO PRÓPRIO. INCIDÊNCIA.

1. É legítima a incidência do IPI na importação de veículo para uso próprio, por pessoa física, uma vez que a destinação final do bem não é relevante para a definição da incidência do tributo em questão. De qualquer sorte, a destinação do bem, no campo do direito tributário, deve ser aferida a partir da ótica do alienante e não do adquirente, sob pena de reconhecer-se forçosamente a inexigibilidade de todo e qualquer tributo incidente sobre produto adquirido por consumidor final, o que não guarda razoabilidade.

2. O fato de pessoa física possuir domicílio ou residência, e não estabelecimento, também não guarda nenhuma relevância para desqualificar a pessoa física importadora como contribuinte do IPI, nem mesmo como contribuinte do ICMS, na redação anterior à EC 33/2001, já que tal critério foi utilizado pela Constituição Federal em sua redação anterior à referida EC tão somente para definir o ente federado destinatário da arrecadação, num contexto de guerra fiscal, e não para excluir a incidência dos impostos incidentes na importação.

3. Não há falar em ofensa ao princípio da não cumulatividade. O fato de não haver uma operação sucessiva que permita o abatimento do valor pago na importação não conduz à conclusão de que o tributo, nesta hipótese, será indevido, pois tal conclusão equivaleria a conceder uma isenção de tributo, ao arrepio da lei. Nas importações para uso próprio, o importador age como substituto tributário do exportador que não pode ser alcançado pelas leis brasileiras, descaracterizando o IPI como tributo indireto, em tais hipóteses.

4. O 'IPI tem caráter fortemente extrafiscal, constituindo instrumento de política econômica; logo, a tributação no caso em tela surge como mecanismo de proteção ao fisco contra fraudes e instrumento de preservação da isonomia e equidade no comércio internacional' (STJ, REsp nº 794.352/RJ, Rel. Ministro Castro Meira, 2ª Turma, j. 17-12-2009, Dje 10-02-2010). A pura e simples exoneração do tributo, sob equivocada invocação do princípio da não cumulatividade, além de operar contrariamente à finalidade extrafiscal do tributo, acarreta ofensa ao princípio da isonomia, uma vez que o veículo produzido no mercado interno passa a concorrer em condições desfavoráveis com os veículos importados, pois, neste caso, apenas o produto nacional seria tributado pelo IPI.

5. Entendimento que se harmoniza com a redação dada pela EC nº 33/2001 ao art. 155, § 2º, IX, 'a' da Constituição Federal, o qual, relativamente ao ICMS, tributo da mesma espécie do IPI, dispôs que 'incidirá também sobre a entrada de bem ou mercadoria importados do exterior por pessoa física ou jurídica, ainda que não seja contribuinte habitual do imposto, qualquer que seja a sua finalidade'. Superveniência de Emenda Constitucional que tornou superado o entendimento antes consolidado na Súmula nº 660 do STF e com base no qual aquela Suprema Corte em alguns julgados não submetidos à sistemática da repercussão geral excluiu a incidência do IPI na importação de veículo por pessoa física para uso próprio.

6. Sentença reformada.


Autor


Informações sobre o texto

Como citar este texto (NBR 6023:2002 ABNT)

SARMANHO, Fabrício. IPI e sua incidência sobre a importação de veículos por consumidor para uso próprio. Revista Jus Navigandi, ISSN 1518-4862, Teresina, ano 19, n. 3912, 18 mar. 2014. Disponível em: <https://jus.com.br/artigos/26923>. Acesso em: 21 out. 2018.

Comentários

2

  • 0

    Arnaud Silva

    Inicialmente, cabe-me cumprimentar o autor pela excelência do artigo. Alinho-me ao seu entendimento conforme argumentos expendidos em texto publicado sob o título não incidência do IPI nas importações efetuadas por pessoas físicas (http://fundamentosdoipi.blogspot.com.br/2012/06/nao-incidencia-do-ipi-nas-importacoes.html).
    Faço apenas um pequeno reparo. O texto passa o entendimento de que a incidência do IPI ocorre em razão da industrialização ocorrida no exterior quando, de fato, a industrialização é mero pré-requisito. Na verdade a incidência do IPI dá-se em razão da aquisição de produto industrializado.
    Evidentemente, a incidência do IPI pressupõe uma prévia industrialização, mas o que se tributa é o consumo do produto industrializado, conforme prevê sua Lei Matriz, a Lei nº 4.502/64.
    Afinal, o IPI é, de fato, um imposto sobre o consumo de produtos industrializados, daí a legitimidade de sua cobrança na importação de produtos industrializados no exterior para consumo próprio, por todos os argumentos expendidos no artigo.

Livraria