O ex-jogador Ronaldo afirmou categoricamente que concordava com a punição imposta pela FIFA ao uruguaio Suárez e também com a sua intensidade e que “os que saem da linha têm de ser punidos”. Têm mesmo, Ronaldo? Qual será a ideia de justiça de Ronaldo?

É muito comum aos jogadores de futebol, depois de encerrar a carreira (além de engordar), incorporar o hábito de falar e fazer muita besteira. O ex-jogador Ronaldo é um excelente exemplo de confirmação da tese. Fala e faz muita besteira, embora pareça possuir algum “escudo” de imagem, já que nada que fala ou faz “cola” nele. E o repertório vai desde a “confusão” que fez com travestis no Rio de Janeiro até a célebre “Copa não se faz com hospitais”, emendando com uma “vergonha do país”, incoerência com fundo claramente eleitoreiro.

É daqueles de rasa inteligência que acham que o resultado da Copa interfere no resultado da eleição, supondo que o povo seja tão burro, e que é possível se lançar uma campanha jogando a Copa contra o governo, esquecendo-se de que seu candidato Aécio e o outro opositor Eduardo fizeram de tudo para levar a Copa aos estados que governavam.

Ronaldo é um bom “exemplo” para muitos, já que ascendeu de menino pobre a adulto milionário, sonho maior da iletrada, arrogante e truculenta classe média nacional. Ronaldo é badalado, é “VIP” onde estiver, o que alimenta o imaginário e a utopia dos medianos (e medíocres) nacionais. A última declaração “genial” do ex-jogador diz respeito à pesada punição imposta pela “ilibada” FIFA ao atleta uruguaio Luis Suárez em virtude de uma mordida no adversário em jogo da Copa do Mundo. Ronaldo afirmou categoricamente que concordava com a punição e com sua intensidade e que “os que saem da linha têm de ser punidos”. Têm mesmo, Ronaldo?

A que tipo de justiça será a referência do ex-craque? Qual seria sua ideia do justo? Todos que deslizam, mesmo que de maneira não tão grave como me parece o caso em apreço, merecem severas punições? E logo ele que já “saiu da linha” tantas vezes... E que, pelo que se sabe, nunca foi punido. Será a justiça típica da plutocracia brasileira, arauta da punição e praticante da impunidade conforme seus próprios interesses? Seria a FIFA, incontavelmente acusada de práticas absurdas desde corrupção maciça até exploração de trabalho semi-escravo, o palco adequado para a materialização do justo? Na ótica de Ronaldo e de muitos parece ser. Até os irracionais percebem que Ronaldo é um bom fantoche, tanto da FIFA quanto da mídia. Mas nunca é de graça quando aparece, nem mesmo para perder medidas. O mais próximo de “justo” que esse pessoal me faz chegar a lembrança é do histórico personagem do Chico Anysio Justo Veríssimo.

Ronaldo disse ainda que o futebol tem de servir de exemplo. E tem mesmo, mas não de imposição da vontade utilitarista. O futebol tem de servir de exemplo combatendo o racismo, o futebol tem de servir de exemplo condenando a exploração de trabalhadores (você sabia que as obras da Copa de 2022 no Catar já começaram e que já morreram quatrocentos trabalhadores por más condições de trabalho?), servir de exemplo se abstendo da corrupção, da manipulação de resultados, exemplo com a intolerância com a violência, dentre outros fatores. O futebol pode mesmo ser um ótimo exemplo, sobretudo quando se afastar dos atos e palavras desses “Ronaldos” e dessas “FIFAS”.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria