O presente artigo tem o objetivo de esclarecer se realmente existe ou não uma autonomia entre os entes da federação. Sob diferentes aspectos, procurei ser claro e objetivo, principalmente no que diz respeito as repartições de receitas.

O federalismo é formado por quatro entes, e são eles a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios. E para uma boa harmonia entre eles seria indispensável que lhes fossem concedidos autonomia. No caso da União, falamos em soberania.

Mas o que vem a ser autonomia e porque ela é necessária para os entes federativos?

Autonomia seria “andar com as próprias pernas”, é ter autogoverno, autoadministração e auto-organização. A autonomia é de essencial importância para o nosso sistema político, pois é a mesma que proporciona a “descentralização” política, ou seja, deixa a par dos entes resolverem seus próprios problemas e consequentemente buscar soluções, a fim de atender o interesse público.

Vale ressaltar que a finalidade da autonomia só é atingida, se os entes também forem independentes financeiramente, pois é daí que encontramos a essência de tal principio. Sem essa autonomia financeira seria impossível que o ente executasse suas tarefas sem recorrer aos outros entes.

Podemos identificar as competências administrativas e tributárias de cada ente na Constituição Federal no artigo 24, onde cabe aos entes federativos legislar de forma concorrentemente sobre diversos aspectos, dentre eles: Direito Tributário e Financeiro, pois como foi visto acima, os entes deverão possuir autonomia financeira para que o objetivo da autonomia de ambos alcance sua finalidade. Porém, compete a União legislar sobre normas gerais, não podendo ser contrariadas pelos outros entes. Porém, quando inexistir lei federal sobre normas gerais, os estados exerceram a competência legislativa plena, para atender a suas peculiaridades.

Tais competências (administrativas e tributárias) possuem uma relação muito forte, pois podemos afirmar que uma “completa” a outra. Não podemos imaginar um estado sem verbas, sem recursos, dependente de outro ente. No caso, o mesmo não seria autônomo. Um estado que bem administra seus recursos, é um estado produtivo. O ente dentro de sua competência instituirá legalmente seus tributos. Diante da recolha desses tributos (capacidade tributária ativa), é que o mesmo irá prestar os serviços públicos, por isso podemos dizer que um é o complemento do outro.

Para concluirmos este trabalho, chegamos uma questão: Será se os entes federativos realmente são autônomos?  Vamos analisar primeiramente a repartição de receitas entre ambos, critério essencial para chegarmos a uma conclusão. 

Receitas é tudo que o estado recolheu, incorporado ao patrimônio dele, que servirá para custear as despesas públicas e investimentos, além de garantir a autonomia financeira dos entes menores.

Com esse conceito de receita, chego a conclusão que não existe uma “autonomia absoluta” entre os entes, pois os entes menores sempre irão depender dos entes maiores. Tudo isso no fim das contas, é como um filho que mora fora de casa, porém ainda recebe dinheiro dos pais, para custear determinados gastos. Assim sendo, “uma mão sempre irá lavar a outra”, e a “autonomia” poderá esperar um pouco mais.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria