Humor e terrorismo são apenas duas faces da modernidade espetacular, infelizmente.

Terroristas atacaram hoje em París a sede da revista Charlie Hebdo fazendo várias vítimas. O incidente foi filmado e as cenas rapidamente chegaram ao Brasil [1].

Charlie Hebdo se tornou mundialmente famosa por divulgar charges que foram consideradas ofensivas pelos seguidores da religião criada pelo profeta Maomé [2]. Sua irreverência e altivez em defesa da liberdade de imprensa foram amplamente reconhecidas. Mas isto lhe custou ameaças e, sem dúvida alguma, a tragédia que se tornou espetáculo.

A reação do governo francês foi imediata. O episódio revela, porém, que os jornalistas franceses tem tanta segurança quanto seus colegas brasileiros, ou seja, nenhuma. O nivelamento entre França e Brasil no que se refere à insegurança jornalística é evidente. Mas não deixará ninguém contente.

No Brasil um jornalista tomou tiro no olho e não foi indenizado porque o TJSP considerou que o policial estava trabalhando e que ele havia se colocado indevidamente na linha de tiro. Na França os terroristas não usaram balas de borracha. Os brasileiros sempre citavam a França como um exemplo de garantia da liberdade de imprensa. Ficar cego sem indenização é melhor do que ser morto e não ver a família indenizada. Mesmo assim, duvido muito que os jornalistas franceses venham a citar o Brasil como um exemplo a ser seguido pela França.

O espetáculo da violência contra jornalistas é notícia. E como toda notícia está sujeita a se tornar velha e descartável. A tragédia dos jornalistas da Charlie Hebdo não será esquecida tão rapidamente quanto a do jornalista brasileiro cegado pela PM/SP. Novas tragédias renovarão, porém, renovarão o interesse do público por sangue, fazendo todos os quase todos os leitores e telespectadores se esquecerem daqueles que sangraram e foram esquecidos.

A luta pelo direito do esquecimento tem uma contrapartida. O esquecimento que foi indesejado, mas que se tornou realidade porque o espetáculo deve continuar e o respeitável público perde o interesse na notícia com a mesma rapidez com que se interessou por ela.

“O que o espetáculo oferece como perpétuo é fundado na mudança, e deve mudar com sua base. O espetáculo é absolutamente dogmático e, ao mesmo tempo, não pode chegar a nenhum dogma sólido. Para ele, nada pára; este é seu estado natural e, no entanto, o mais contrário à sua propensão.” (A Sociedade do Espetáculo, Guy Debord, Contraponto, 10ª reimpressão, 2008, p. 47)

A revista Charlie Hebdo alimentou a sociedade do espetáculo provocando deliberadamente a ira dos radicais islâmicos. Alguns deles atacaram os jornalistas da revista e o fato se tornou um novo espetáculo. Há diferença axiológica e ontológica entre os jornalistas da revista e os terroristas fizeram. No plano espetacular referido por Debord, onde tudo se resume à imagem da realidade criada pela sociedade e seu desfrute temporário, todas as barreiras e diferenças deixam de existir. Aqueles que se sentiram ofendidos com as charges da Charlie Hebdo ficarão tentados a sorrir com as gravações do atentado que foram divulgadas, muito embora tenham chorado os mortos em Gaza.

O que dirão os jornalistas franceses se alguém começar a divulgar charges irônicas sobre o ataque terrorista que ocorreu hoje em Paris? A liberdade de imprensa deve ser absoluta ou os jornalistas precisam agir com cautela? O respeito à diversidade pode coexistir com o absolutismo da liberdade jornalística? Nenhum jornalista da Charlie Hebdo morto hoje poderá responder estas questões. Os que sobreviveram provavelmente darão hoje respostas diferentes das que davam há dois dias.

O espetáculo se nutrirá da discussão sobre o espetáculo e seguirá em frente qualquer que seja a reação do Estado francês. Mas uma coisa é certa: a direita francesa usará o episódio para chegar ao poder nas próximas eleições com a finalidade de aterrorizar os imigrantes. 


Notas

[1] http://ultimosegundo.ig.com.br/mundo/2015-01-07/video-mostra-ataque-em-sede-de-revista-em-paris-assista.html

[2] http://noticias.terra.com.br/mundo/europa/jornal-polemico-relembre-as-charges-do-charlie-hebdo,62cc1db9454ca410VgnVCM10000098cceb0aRCRD.html



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Direitos e Responsabilidades do Jus.

Regras de uso