Ao navegar, você aceita que o Jus use cookies e parcerias para personalizar conteúdo e anúncios. Política de Privacidade

Símbolo do Jus.com.brJus.com.br

Artigo

Alternativas na resolução de conflitos: arbitragem

Na Definição de José Carlos Magalhães: “A arbitragem é meio privado de solução de controvérssas dos mais antigos e é surpreendente que tenha sido abandonada por tanto tempo, em todo o mundo. Esse abandono

Na definição de José Carlos Magalhães: “A arbitragem é meio privado de solução de controvérsisas dos mais antigos e é surpreendente que tenha sido abandonada por tanto tempo, em todo o mundo. Esse abandono coincide com a preponderância  do papel do Estado centralizador e dotado de poder jurisdicional para resolver todas as controvérsias surgidas no âmbito da população”[1]

A arbitragem e seu processo e regulamentados pela lei 9.307/96. No tocante a sua formalidade, pressupostos processuais e condições da ação, vem de modo geral reproduzida no processo arbitral, pois este assemelhasse muito ao processo jurisdicional, ainda que este seja privativo do estado  e aquele seja de ordem privada. No tocante as partes, , estas, nas arbitragem são todos os envolvidos na disputa, estes definidos pro força de contrato ou ode compromisso arbitral, sendo os julgadores os árbitros. Simplificadamente, pólo passivo, pólo ativo e árbitros, sendo permitido mais de um; ponto em que difere da pratica jurisdicional, onde é vedada a escolha do magistrado e também o uso de seus conhecimentos particulares referentes ao tema da divergência para supressão de prova técnica, neste caso, é imposição legal que o magistrado atribua um perito para tal. (art. 420 e seguintes do Código de Processo Civil).[2]

Um Inconveniente geralmente apontado na arbitragem é o seu custo financeiro, ordinariamente muito mais elevado que o valor das custas ou taxas judiciarias pagas ao estado- acrescentando-se que, pela própria natureza da arbitragem e pela relação contratual que tem em uma das pontas um cidadão privado, o árbitro, não há lugar para a gratuidade da justiça no processo arbitral. [3]

Candido Rangel Dinamarco em sua obra A arbitragem na teoria geral do processo trata da questão acerca da imparcialidade do árbitro

“Mas não se pode negar que o arbitro é um ser humano, que tem um existência própria , anterior a arbitragem, e que portanto, esta ligado a certa tradição cultural. Um ser que não e refratário ao mundo ao seu redor. É impossível esperar que um árbitro abstraia todos os seus conhecimentos anteriores e que, ao aceitar a sua missão, se comprometa a cumpri-la ignorando tudo que o constrói enquanto ser humano. Esse  pensamento  poe em evidencia a distinção entre imparcialidade e neutralidade. Ser imparcial significa somente ser equidistante, sem a tendência de favorecimento a uma pessoa ou grupo. Ser neutro significaria manter-se alheio aos elementos culturais e históricos de sua nação ou da própria humanidade, prescindindo dos valores cultivados pela sociedade.”[4]

No projeto do novo Codigo Civil, em seu Art. 237. Inc. IV  Dispõe que o juiz  expedirá carta arbitral, para que órgão do Poder Judiciário pratique ou determine o cumprimento, na área de sua competência territorial, de ato objeto de pedido de cooperação judiciária formulado por juízo arbitral, inclusive os que importem efetivação de tutela antecipada.

o  Art. 260. Em seu § 3º dispõe serem requisitos das cartas de ordem, precatória e rogatória:

§ 3º A carta arbitral será instruída com a convenção de arbitragem e com as provas da nomeação do árbitro e da sua aceitação da função.

No capítulo relativo VII, que trata da alegação de convenção e arbitragem

Art. 345. A alegação de existência de convenção de arbitragem deverá ser formulada, em petição autônoma, na audiência de conciliação ou de mediação.

Neste limiar, dispõe o artigo 347 que, e seguintes:

Se o procedimento arbitral já houver sido instaurado antes da propositura da ação, o juiz, ao receber a alegação de convenção de arbitragem, suspenderá o processo, à espera da decisão do juízo arbitral sobre a sua própria competência.

Porem, em seu parágrafo único.  Dispõe que Não havendo sido instaurado o juízo arbitral, o juiz decidirá a questão.

 Art. 348. Acolhida a alegação de convenção de arbitragem, ou reconhecida pelo juízo arbitral a sua própria competência, o processo será extinto sem resolução de mérito.

Art. 349. A existência de convenção de arbitragem não pode ser conhecida de ofício pelo órgão jurisdicional.

Art. 350. A ausência de alegação da existência de convenção de arbitragem, na forma prevista neste Capítulo, implica aceitação da jurisdição estatal e renúncia ao juízo arbitral.

Porém, o Art. 495. Inc. VII Dispõe que O órgão jurisdicional não resolverá o mérito nas hipóteses em que:

VII – acolher a alegação de existência de convenção de arbitragem ou quando o juízo arbitral reconhecer sua competência, nos termos do art. 348;

De forma que sendo a sentença arbitral título executivo judicial, O cumprimento da sentença efetuar-se-á perante: – o juízo cível competente.

Resumidamente, os principais motivos que levariam os contratantes a optarem pelo juízo arbitral em detrimento da jurisdição para dirimir quaisquer problemas que poderiam advir de um contrato onde haja transação com bens patrimoniais seriam: a rapidez, a economia, menos formalismos e maior amplitude do poder de julgar para os árbitros e o sigilo.[5]

[1] (DINAMARCO, Candido Rangel; A arbitragem na teoria geral do processo, pg 34, ed. Malheiros In MAGALHÃES, José Carlos, A Arbitragem como forma de atuação da sociedade civil, p.166).

[2] (Negociação Mediação e Arbitragem, SILVA Paulo Eduardo Alves, In Coordenação. SALLES, Carlos Alberto, LORENCINI, , Paulo Eduardo Alves, 2012 São Paulo, ed. Método.........pg. 37)

[3] (DINAMARCO, Candido Rangel; A arbitragem na teoria geral do processo, pg 31,ed. Malheiros In MOREIRA, Jose Carlo Barbosa; o problema da duração dos processos: premissas para um discussão seria, n.6. p.376).

[4]  (DINAMARCO, Candido Rangel; A arbitragem na teoria geral do processo, pg 31,ed. Malheiros In PROCOPIAK, Maria Claudia de Assis, LEE, Joao Bosco; A obrigação de revelação do arbitro, p.303 ).

Página 1 de 1
Assuntos relacionados
Sobre o autor
Alan Zilenovski

Acadêmico de Direito

Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelos autores. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi

Publique seus artigos
Compartilhe conhecimento e ganhe reconhecimento. É fácil e rápido!