O artigo traz a discussão o artigo 17 da Lei 7.492/86.

Prevê o artigo 17 da Lei 7.492/86, a chamada lei de crimes do colarinho branco:

Tomar ou receber, qualquer das pessoas mencionadas no art. 25 desta lei, direta ou indiretamente, empréstimo ou adiantamento, ou deferi-lo a controlador, a administrador, a membro de conselho estatutário, aos respectivos cônjuges, aos ascendentes ou descendentes, a parentes na linha colateral até o 2º grau, consangüíneos ou afins, ou a sociedade cujo controle seja por ela exercido, direta ou indiretamente, ou por qualquer dessas pessoas:

Pena - Reclusão, de 2 (dois) a 6 (seis) anos, e multa.

Parágrafo único. Incorre na mesma pena quem:

I - em nome próprio, como controlador ou na condição de administrador da sociedade, conceder ou receber adiantamento de honorários, remuneração, salário ou qualquer outro pagamento, nas condições referidas neste artigo;

II - de forma disfarçada, promover a distribuição ou receber lucros de instituição financeira.

A Lei 4.595, em seu artigo 32, I, proíbe as instituições financeiras conceder empréstimos ou adiantamentos a seus diretores e membros dos conselhos consultivo e administrativo, fiscais e semelhantes, bem como os respectivos cônjuges.

O  controlador e os administradores da instituição são  assim considerados os diretores e gerentes, o interventor, o liquidante, o sindico. Aliás, o Administrador da Companhia, do que se lê do artigo 153 da Lei das S.A  “ deve empregar, no exercício de suas funções, o cuidado e a diligência que todo homem ativo e probo costuma empregar na administração dos seus próprios negócios.”

O crime é elevado à categoria de delito, punido com a pena de reclusão de um a quatro anos(artigo 34, § 1º, Lei 4.595). Para os casos em que a concessão do empréstimo é proibida,  mas não constitui crime, estão previstas sanções pecuniárias(multa igual ao dobro do valor do empréstimo), de natureza administrativa(artigo 43).

O Código Penal de 1969(artigo 191) determinava que era crime: “autorizar o responsável por instituição financeira a concessão de empréstimo a diretor, membro do conselho consultivo ou administrativo, fiscal ou semelhante, ou ao respectivo cônjuge”. A pena era de reclusão de um a quatro anos, além do pagamento de dez a cinquenta dias-multa.

Objetiva o artigo 17 da Lei 7.492/86 a tutela jurídica do patrimônio da instituição financeira e a probidade administrativa de seus dirigentes, que devem atuar no benefício da sociedade e não se servindo dela.

O crime é de perigo presumido, não se exigindo a superveniência de qualquer resultado de dano ou prejuízo.

O crime é próprio, pois os sujeitos ativos serão os responsáveis pela instituição financeira, diretor, superintendente ou gerente que tenham poderes para conceder o empréstimo. Por sua vez, o beneficiário do empréstimo não pratica crime mesmo quando contribuir para a ação delituosa solicitando o empréstimo ou induzindo os responsáveis a concedê-lo.

A vítima é a instituição financeira que concede o empréstimo.

O tipo objetivo é conceder empréstimo. Ora, como explicou Heleno Cláudio Fragoso(Lições de direito penal, artigos 121 a 212, 7ª edição, pág. 467), conceder o empréstimo é autorizá-lo, fato que consuma o delito, independentemente do recebimento efetivo pelo beneficiário. Ora, empréstimo, como bem lembraram Paulo José da Costa Jr. e outros(Crimes do colarinho branco, 2000, pág. 117) pressupõe da parte do devedor, vontade efetiva de restituir. Se tal vontade inexistir, se o empréstimo foi pretexto para deitar as mãos  sobre bens da sociedade, o diretor não responde pelo delito em discussão, mas pelo de apropriação agravada.

É certo que o empréstimo poderá ser concedido em condições vantajosas para a sociedade, que sejam pactuados juros em taxas não inferiores ao do mercado; que sejam pactuados juros em taxas não inferiores às do mercado; ou mesmo que a operação não venha a privar a sociedade de meios necessários para outros investimentos.

É punível somente o empréstimo que o diretor estipule com a sociedade por ele administrada. A esse respeito, ensinou Paulo José da Costa Jr.(Comentários ao código penal, 5ª edição, 1997, pág. 585-5): “Isto se verifica quando o diretor contrata consigo mesmo, desempenhando os papéis contrapostos de representante legal e de terceiro contratante. O tipo legal, prevendo o fato do diretor que ‘toma empréstimo’, compreende apenas relações contratuais creditícias realizadas com sociedade a que ele pertença. Tal não significa que o diretor deva figurar, abertamente, como parte contratante. Toma empréstimo igualmente aquele que agir por meio de interposta pessoa. O essencial é que o diretor seja o real beneficiário do empréstimo. Não recaem no molde legal empréstimos que o diretor, exorbitando do objeto social, faça com que a sociedade conceda a outras pessoas a ele vizinhas, ou a sociedade a que está interessado. Em casos semelhantes, o diretor que se aproveitar do cargo, poderá ser responsável pelo uso de bens sociais em proveito de terceiros”.

Exige-se o dolo genérico, que consiste na vontade consciente e livre de realizar o que a lei impede.

Necessário que haja consciência sobre a prática de tal delito, uma vez que, se não houver, estar-se-ia diante de um erro de proibição, ou erro sobre a ilicitude do fato, a teor do artigo 21 do Código Penal, o que afastaria a culpabilidade do agente.

Não se admite tentativa no crime em discussão.

Há ainda o entendimento de que as chamadas “pedaladas fiscais” do governo detectadas pelo Tribunal de Contas da União estariam capituladas no artigo 17 da Lei 7.492/86. Isso porque um Banco Público não pode emprestar dinheiro para o governo.

Para os que assim pensam o argumento é de que a lei veda adiantamentos a controlador, que foi o que teria acontecido. Tanto que a Caixa Econômica Federal pediu ao Tesouro Nacional pagamento de juros e o BNDS cobrou o tesouro pelo que lhe deve. Assim, nessa linha de pensar, os administradores da Caixa Econômica Federal, Banco do Brasil e Banco Nacional do Desenvolvimento Social poderiam ter cometido esse delito. Mas há de se cogitar que a fiscalização do Banco Central teria falhado ao não detectar a manobra contábil proibida pela Lei de Responsabilidade Fiscal(artigo 36) e pela Lei do Colarinho Branco.  


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria