Quando você atua na informalidade, ou seja, como pessoa física, apenas de imposto de renda, você chega a pagar uma alíquota de até 27,5%, quando uma Pessoa Jurídica esse imposto não passa de 15%.

Quando exercermos atividades empresariais, ou seja, aquela que é econômica e organizada para a produção ou a circulação de bens ou serviços (Artigo 966 doCódigo Civil), somos então considerados empresários, diferente do que falava na lei anterior, que dava esse título somente aos comerciantes.

É neste momento que terá que tomar uma decisão para o prosseguimento do meu negócio: Constituir uma Pessoa Jurídica ou trabalhar na informalidade?

Para essa decisão, é preciso fazer algumas perguntas básicas para saber qual será o mais benéfico para sua atividade: Será mais vantajoso constituir uma empresa? Pagarei mais ou menos impostos? Como fica o meu patrimônio pessoal se continuar trabalhando como pessoa física?

Quando você atua na informalidade, ou seja, como pessoa física, apenas de imposto de renda, você chega a pagar uma alíquota de até 27,5%, quando uma Pessoa Jurídica esse imposto não passa de 15%. Da mesma forma ocorre com a contribuição previdenciária junto ao INSS, pois na informalidade como o autônomo, sua contribuição será de 20%, quando como empresário a contribuição é de 11%.

Outro aspecto de muita importância para a tomada dessa decisão, é a questão da responsabilidade do sócio da empresa, pois ao ser constituída uma Pessoa Jurídica de responsabilidade limitada, a famosa LTDA, quer dizer que a responsabilidade de casa sócio perante terceiros é limitada ao valor das cotas sociais, não respondendo com seu patrimônio pessoal (Salvo exceções como nos casos de abuso da pessoa jurídica e débitos de natureza fiscal e previdenciária). Diferentemente de quem trabalha na informalidade, que responde numa eventual demanda contra terceiros com seu patrimônio pessoal.

Importante ainda lembrar, que ao se trabalhar na informalidade, não tem como atribuir o valor correto dos seus serviços, pois não foi computado os impostos devidos, e assim o seu fluxo de caixa é prejudicado.

Para a Receita Federal, a informalidade ainda é mais grave, sendo entendida como uma forma ilícita, caixa dois, sonegação fiscal, corrupção e crime.

Atualmente, e possível constituir alguns tipos de empresas: MEI (Micro Empreendedor Individual – Apenas 01 sócio), EIRELI (Empresa Individual de Responsabilidade Limitada – Apenas 01 sócio), Sociedades Empresariais (LTDA) e Sociedade por Ações.

Assim, podemos concluir que a constituição de uma Pessoa Jurídica é mais vantajosa, pelos seguintes motivos:

1 – Redução na carga tributária com o pagamento de menos impostos.

2 – Separação patrimonial: o patrimônio da empresa e o patrimônio dos sócios não se misturam

3 – É possível ter acesso com mais facilidade a créditos, pois haverá balanço patrimonial e recebíveis, podendo ainda se discutir melhores condições no mercado.



Autor


Informações sobre o texto

Artigo publicado pela revista O ABC da Comunicação, edição de abril de 2015.

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Tratamento de Dados do Jus.

Regras de uso