Este artigo aborda a importância dos direitos autorais para a sociedade, uma vez que um autor recompensado de forma justa pelo seu trabalho terá melhores condições para produzir suas obras, agregando fontes culturais à disposição da coletividade.

 

O Judiciário brasileiro enfrenta diariamente o conflito de interesses público e privado no que diz respeito aos direitos autorais. De um lado, o interesse do autor em extrair elementos do acervo cultural da sociedade para a produção de sua obra intelectual e obter assegurados os seus direitos morais e patrimoniais; de outro, o interesse da sociedade em usufruir das obras artísticas, científicas e literárias, exercendo o seu direito à cultura estampado na Constituição Federal.

Nesse sentido, o Artigo XXVII da Declaração Universal dos Direitos do Homem identifica as duas premissas, referindo que “1. Toda pessoa tem o direito de participar livremente da vida cultural da comunidade, de fruir as artes e de participar do processo científico e de seus benefícios” e “2. Toda pessoa tem direito à proteção dos interesses morais e materiais decorrentes de qualquer produção científica, literária ou artística da qual seja autor” [1].

Desta forma, a tarefa de harmonizar o direito de autor (interesse privado) e o direito à cultura (interesse público) cabe ao Direito Autoral, que tem o escopo de proteger ambos os titulares. Para realizar tal conciliação, esse ramo do Direito se fundamenta no incentivo à produção intelectual, sendo a proteção do autor uma forma de promover uma sociedade culturalmente rica, pois, na medida em que o autor é recompensado de forma justa pelo seu trabalho, terá melhores condições para produzir suas obras, agregando fontes culturais à disposição da comunidade.

O acesso a essas fontes de cultura garante a formação de novos autores e evolução da própria sociedade, com a absorção do conhecimento pela propagação das obras. Ademais, o elemento definidor de uma obra protegida pelos direitos autorais é a originalidade; contudo, a originalidade de uma criação não advém do nada e sim é construída a partir de influências do ambiente externo, dando ao autor inspiração para a contextualização do real ou do imaginário. Logo, o acesso às obras intelectuais é instrumento vital para o desenvolvimento de sociedade rica em conhecimento [2].

Voltando-se para o coletivo, a Lei de Direito Autoral, em seu Capítulo IV, criou uma série de limitações à proteção de obras artísticas, científicas e literárias, possibilitando a exploração dessas criações por terceiros sem a autorização dos seus criadores, desde que não haja intuito de lucro e nem ofensa à personalidade do autor.

Como exemplos, a reprodução de obra literária em qualquer sistema que permita o entendimento por um portador de deficiência, a cópia de pequenos trechos de obras feita pelo copista para seu uso próprio, a citação de trechos de obras para estudo, crítica ou polêmica, garantindo a liberdade de manifestação do pensamento dos indivíduos, a representação teatral e a execução musical no recesso familiar e em estabelecimento de ensino, a reprodução de uma ilustração em outra obra original, a fim de melhor abordar o conteúdo que está sendo estudado, entre outras possibilidades de uso das obras.

Na medida em que o mecanismo do conhecimento é cíclico, sabe-se que o ensinamento passa de um indivíduo para outro. Então, nada impede que uma pessoa assuma as posições de leitora e autora concomitantemente, no sentido de que um mesmo tema pode gerar diversas opiniões e sempre haverá uma opinião para ser contestada e ouvida.

Assim, os direitos autorais não surgem como uma barreira ao acesso à obra artística, literária ou científica, muito pelo contrário, surgem como incentivo para que essas obras sejam produzidas, atendendo os interesses de toda a sociedade, nas diversas áreas do conhecimento.


Referências:

[1] ASSEMBLEIA GERAL DAS NAÇÕES UNIDAS. Declaração Universal dos Direitos do Homem, Paris, 10 dez. 1948. Disponível em: <http://www.ohchr.org/EN/UDHR/Documents/UDHR_Translations/por.pdf >.

[2] SALOMÃO, Luis Felipe. Direito Privado: teoria e prática. Rio de Janeiro: Forense, 2013, p. 332.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria