Símbolo do Jus.com.br Jus.com.br

Artigo Destaque dos editores

Geração smartphone

Exibindo página 2 de 2

CONCLUSÃO

O mundo contemporâneo trouxe inúmeros novos desafios à humanidade, entre eles a necessidade, e não mais a simples possibilidade de confronto diário entre diversas culturas. As relações interpessoais se modificaram, tanto no campo social, quanto no plano econômico. As notícias atravessam os oceanos, surfando nas ondas da Internet e ingressam diretamente nos nossos tablets e smartphones.

Tudo isso faz parte de um novo modelo de sociedade, de um novo mundo. A humanidade, no pós-guerra, enfatizou por intermédio de tratados, leis e costumes, a busca de direitos sociais e de fraternidade, em prol da tão sonhada erradicação da pobreza e igualdades materiais.

Documentos formais afirmam e reafirmam a necessidade do desenvolvimento, do fim da miséria e da conquista da paz mundial. Com toda a evolução tecnológica, nos mais diferentes setores, inclusive o bélico, é de se acreditar que o planeta não sobreviverá a um novo conflito armado. Resta a esperança de a humanidade se fundamentar, principalmente, na bondade e na alteridade.

O presente artigo centrou seu discurso e sua análise na população excluída e esquecida. Conceituou o tema alteridade e analisou a política da redistribuição de renda.

Restou cristalino que a globalização trouxe uma nova classe de excluídos – os desconectados; que a redistribuição de renda é, sim, um mecanismo de erradicação das desigualdades sociais, mas que somente ela não se sustenta, sendo necessário o investimento na educação do povo; e que a resposta para uma tolerância do diferente, do multiculturalismo social, será, na maioria das vezes, dada por meio do fundamento de alteridade.

Com isso, novas constituições são formadas, novas leis são criadas e novos costumes são moldados. A busca pelo respeito do outro, do diferente, da erradicação das desigualdades sociais é um projeto de governo para este novo século. Ele deve trazer consigo uma sociedade mais justa, que queira viver em paz, num mundo onde a qualidade de vida impere.


REFERÊNCIAS

BARROSO, Luís Roberto. Curso de direito constitucional contemporâneo. Os conceitos e a construção do novo modelo. São Paulo: Saraiva, 2014.

BERWANGER, Jane Lúcia Wilhelm; VERONESE, Osmar. Constituição, um olhar sobre as minorias vinculadas à segurança social. Curitiba: Juruá, 2014.

BRUNO, Aníbal. Direito penal. São Paulo: Forense, 1981.

CANCLINI, Nestor García. Diferente, Desiguais e Desconectado. Rio de Janeiro: UFRJ, 2009.

G1. Globo Hora 1. Mais de 500 mil alunos tiram nota zero na redação do Enem. 14 jan. 2015. Disponível em: http://g1.globo.com/hora1/noticia/2015/01/mais-de-500-mil-alunos-tiram-nota-zero-na-redacao-do-enem.html. Acesso em: 16 jul. 2015.

GRECO, Rogério. Curso de direito penal. Parte geral. 17. ed. Niterói, RJ: Impetus, 2015.

IPEA. Desafios do desenvolvimento. Políticas sociais – um plano para acabar com a miséria. Ano 8, edição 67, 20 set. 2011. Disponível em: http://www.ipea.gov.br/ desafios/index.php?option=com_content&view=article&id=2579:catid=28&Itemid=23. Acesso em: 16 jul. 2015.

LENZA, Pedro. Direito constitucional esquematizado. São Paulo: Saraiva, 2007.

HOBBES, Thomas. O Leviatã. São Paulo: Editora Martin Claret, 2012.

SIDEKUM, Antonio. Alteridad. In: ASTRAIN, Ricardo Salas (Coord.). Pensamiento Crítico Latinoamericano. Conceptos Fundamentales. Santiago do Chile: Ediciones Universidad Catolica Silva Henriquez, 2005.

SILVA, Ivete Sacramento de Almeida. Benefícios assistenciais. 2013. Disponível em: http://jus.com.br/artigos/25936/beneficios-assistenciais. Acesso em: 16 jul. 2015.

STJ. Superior Tribunal de Justiça. Informativo 557, de 5 a 18/03/2015. Disponível em: https://ww2.stj.jus.br/jurisprudencia/externo/informativo/?acao=pesquisar&livre =m%EDnimo+existencial&b=INFJ&thesaurus=JURIDICO. Acesso em: 20 jul. 2015.

TJRS. Tribunal de Justiça do Estado do Rio Grande do Sul. Apelação e reexame necessário nº 70065494809. Primeira Câmara Cível. Relator: Sergio Luiz Grassi Beck. Julgado em 14/07/2015. Disponível em: http://www.tjrs.jus.br/busca/ search?q=m%C3%ADnimo+existencial&proxystylesheet=tjrs_index&client=tjrs_index&filter=0&getfields=*&aba=juris&entsp=a__politica-site&wc=200&wcmc=1&oe=UTF-8&ie=UTF-8&ud=1&lr=lang_pt&sort=date%3AD%3AS%3Ad1&as_qj=&site=ementa rio&as_epq=&as_oq=&as_eq=&as_q=+#main_res_juris. Acesso em: 16 jul. 2015.

TOURAINE, Alain. Iguais e diferentes. Podemos Viver Juntos? Lisboa: Instituto Piaget, 1997.

ZAFFARONI, Eugenio Raúl; PIERANGELI, Jose Henrique. Manual de direito penal brasileiro: parte geral. 8. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2009, v. 1.

Assuntos relacionados
Sobre os autores
Como citar este texto (NBR 6023:2018 ABNT)

HEIDEMANN, Bernardo ; VIECILI, Giovana Mattioni . Geração smartphone. Revista Jus Navigandi, ISSN 1518-4862, Teresina, ano 20 , n. 4437, 25 ago. 2015 . Disponível em: https://jus.com.br/artigos/42069. Acesso em: 5 jul. 2022.

Publique seus artigos Compartilhe conhecimento e ganhe reconhecimento. É fácil e rápido!
Publique seus artigos