Trata o presente artigo da possibilidade de aplicação do princípio da insignificância ou bagatela ao crime de Descaminho, analisando as concepções jurisprudenciais e legais que cercam o assunto e os motivos que ensejam tal posicionamento.

            Evidenciada a existência de débito fiscal, devidamente inscrito pela autoridade administrativa, e ressaltando o fato de dívidas legitimamente lançadas gozarem de certeza e liquidez, assumindo a função de prova pré-constituida; conforme a norma insculpida no artigo 204 do CTN. Faz-se necessário cogitar sobre a possibilidade de aplicação do princípio da bagatela ou insignificância, fundado no brocardo de minimis non curat praetor, perante a patente ausência de lesividade ao bem jurídico tutelado, após uma análise do desvalor do resultado da conduta.

            Conforme indica a lei 10.522 de 2002, alterada em seu artigo 20 pela lei nº 11.033 de 2004 os débitos cujo montante desviado apurado e inscrito como Dívida Ativa da União for inferior ou igual a R$ 10.000,00 devem ser arquivados. Esta determinação surge como ratificação legal à Medida Provisória de número 1.973-63, de 23 de Julho de 2000², a qual versa sobre cadastro informativo dos créditos não quitados de órgãos e entidades federais e dá outras providências.

            Este valor se justifica, e apesar de incompatível com as bagatelas registradas nos demais tipos penais (como no furto), tem sua escusa justificada por pesquisas realizadas pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada¹ o qual calculou que “o custo de uma execução fiscal é de R$ 5,6 mil, mas a chance de a Fazenda reaver a quantia devida é de 25%”.

            Conclui-se que seria antagônico promover uma execução em que o valor arrecadado fosse ínfimo se comparado ao total empenhado na consecução desta quantia, devendo-se admitir, inclusive a baixa probabilidade de êxito na promoção do feito. Devendo ser declarada a exclusão da tipicidade do delito de bagatela em comento, conforme o sentido do STJ: REsp 234.271, REL. Min. Edson Vidigal, DJU, 8-5-2000, p. 115.

            O cenário supracitado conduziu as cortes brasileiras a comungarem sobre o tema, como se nota na ortodoxa opinião apontada nos julgados que seguem:

EMENTA: AGRAVO REGIMENTAL NO RECURSO ESPECIAL. DESCAMINHO. PRINCÍPIO DA INSIGNIFICÂNCIA. AFASTAMENTO. VALOR DO TRIBUTO ILUDIDO. SUPERIOR A R$ 10.000,00. PORTARIA DO MINISTÉRIO DA FAZENDA. INAPLICABILIDADE. PRECEDENTES DA TERCEIRA SEÇÃO DO STJ. AGRAVO REGIMENTAL IMPROVIDO.

1. Afasta-se a alegação de cerceamento do direito de defesa ou ofensa ao princípio da colegialidade, uma vez que a legislação processual permite ao relator, neste STJ, o julgamento monocrático do recurso, quando a decisão recorrida estiver em confronto com a jurisprudência desta Corte sobre a matéria (art. 557, § 1º-A do Código de Processo Civil, c/c o art. 3º do Código de Processo Penal). 2. A Terceira Seção desta Corte Superior, no julgamento do Recurso Especial Repetitivo 1.112.748/TO, relator Ministro FELIX FISCHER (DJe 13/10/2009), firmou orientação de que, no crime de descaminho, o princípio da insignificância somente afasta a tipicidade da conduta se o valor dos tributos elididos não ultrapassar a quantia de dez mil reais, estabelecida no art. 20 da Lei 10.522/02. 3. Por ocasião da apreciação do REsp. 1.393.317/PR, relatado pelo Ministro ROGÉRIO SCHIETTI CRUZ (DJe de 2/12/2014), a Terceira Seção consolidou o entendimento de que a publicação da Portaria MF 75/2012, por não possuir força legal, não tem o condão de modificar o patamar para aplicação do princípio da insignificância. 4. Na hipótese dos autos, o montante do tributo sonegado é superior a R$ 10.000,00, razão pela qual não tem aplicação o princípio da insignificância. 5. Agravo regimental improvido.

(STJ - AgRg no REsp: 1502711 PR 2014/0338243-9, Relator: Ministro REYNALDO SOARES DA FONSECA, Data de Julgamento: 16/06/2015, T5 - QUINTA TURMA, Data de Publicação: DJe 22/06/2015)

EMENTA: RECURSO ESPECIAL. DESCAMINHO. PRINCÍPIO DA INSIGNIFICÂNCIA. VALOR DO TRIBUTO ILUDIDO. PARÂMETRO DE R$ 10.000,00. INAPLICABILIDADE DA PORTARIA N. 75/2012 DO MINISTÉRIO DA FAZENDA.

1. O Superior Tribunal de Justiça, ao julgar o Recurso Especial Representativo de Controvérsia n. 1.112.748/TO, curvou-se ao entendimento firmado no Supremo Tribunal Federal, no sentido de que incide o princípio da insignificância no crime de descaminho quando o valor do tributo iludido não ultrapassar o montante de R$ 10.000, 00, de acordo com o disposto no art. 20 da Lei n. 10.522/2002. Ressalva pessoal do relator. 2. A partir da Lei n. 10.522/2002, o Ministro da Fazenda não tem mais autorização para, por meio de portaria, alterar o valor para arquivamento sem baixa na distribuição. Tal alteração somente poderá ser realizada por meio de lei. 3. O valor estabelecido pela Portaria n. 75/2012 do Ministério da Fazenda não retroage para alcançar delitos de descaminho praticados em data anterior à sua vigência. 4. Recurso especial provido.

(STJ - REsp: 1400392 PR 2013/0287147-3, Relator: Ministro ROGERIO SCHIETTI CRUZ, Data de Julgamento: 04/09/2014, T6 - SEXTA TURMA, Data de Publicação: DJe 10/11/2014)

            Tais limites são amplamente utilizados nas cortes brasileiras, e apesar de o princípio da bagatela focar sua análise no aspecto material e não in abstrato, a lei prevê um critério preliminar ao estudo fático da conduta.

            Conclui-se que a atipicidade estampada no caso em epigrafe é justificável, não constituindo fator estimulante à prática do crime de descaminho, já que apenas a via penal é posta em detrimento, na medida em que a via civil e tributária permanecem ativos na repreensão da conduta.

            Entretanto, associado ao combate do ilícito na via administrativa, faz-se mister um aparato fiscalizatório e uma política alfandegária eficiente no combate desta repreensível atividade. Capaz de por si só afetar a arrecadação estatal e promover uma imagem negativa da repreensão estatal.

 

 

 

Referências Bibliográficas:

1 - http://www.conjur.com.br/2014-nov-18/insignificancia-vale-crimes-10-mil-secao-stj

2 - Fernando Capez; Curso de Direito Penal, Vol. 3, 3ª Edição, p. 603.



Informações sobre o texto

O texto foi redigido no intuito de complementar o quadro de horas da atividade complementar de pesquisa de nossa graduação, bem como nos permitir o ingresso na seara da pesquisa.

Este texto foi publicado diretamente pelas autoras. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria