A parcela de brasileiros que pugna pelo respeito ao próximo, se escandalizou com o a conclamação, por parte de presidenciável, em prol de um levante contra a família homoafetiva.

 

No debate dos presidenciáveis, do ultimo Domingo dia 29 de Setembro, o pseudocandidato Levy Fidelix proferiu um discurso criminoso, ao conclamar a fúria da sociedade contra os homossexuais.

 

Fidelix é tão despreparado para concorrer à Presidência da República que possivelmente não deve saber que a Organização Mundial de Saúde, bem como os Conselhos Federais de Psicologia, Medicina, Psiquiatria de diversos países entendem e comprovam que homossexualidade é saúde.

 

O despreparo de Fidelix extrapola a área de saúde, pois em um único discurso, aquele medíocre candidato rasgou o inciso XLI do art. 5°da Constituição Federal, o qual veda a discriminação atentatória aos direitos e liberdades fundamentais, sem falar no crime de incitar publicamente a pratica de crime, conforme reza o artigo 286 do Código Penal Brasileiro.

 

Além de disputar um dos últimos lugares na campanha presidencial,

Fidelix começa a responder a uma série de corretas e justas ações na Justiça Eleitoral. Gloriosamente, a Comissão Especial da Diversidade Sexual do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil deve requerer junto ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) a cassação da candidatura de Levy Fidelix.

 

Nesta busca por justiça, a Procuradoria Regional Eleitoral do Ministério Público Federal já fora acionada; o presidenciável Eduardo Jorge (PV) solicitou ao Ministério Público, a abertura de inquérito; e por fim o PSOL solicitou à Justiça Eleitoral a aplicação de multa, dentre outras medidas cabíveis.

 

Se a cassação da candidatura de Fidelix ocorrer, será uma grande lição de cidadania e Direitos Humanos a muitos brasileiros, que insistem em discriminar, crucificar e perseguir pessoas que amam outras do mesmo sexo. Infelizmente nosso país é tão atrasado educacionalmente e culturalmente que ainda há este tipo de crime, associado a campanhas eleitorais.

 

Justiça e igualdade de direitos, ainda que tardias!


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0